De que violência fala a mídia?

Autores

  • Marlene Branca Sólio UCS - Universidade de Caxias do Sul

DOI:

https://doi.org/10.13037/ci.vol12n23.1203

Palavras-chave:

Jornalismo, Notícia, Violência

Resumo

Este artigo nasce de pesquisa que analisa o tratamento dado pela mídia impressa a questões da violência urbana, com ênfase em homicídios, abusos sexuais e sequestros. Pesquisa inicial, desenvolvida pela Mitra Diocesana de Caxias do Sul, fez análise essencialmente quantitativa nos jornais Pioneiro e Zero Hora, com tabulação de 5.370 registros em Zero Hora e 2.067 no Pioneiro, no período de 1º de janeiro de 1994 a 30 de novembro de 2004. Esse foi o impulso para uma segunda etapa no trabalho, que contemplou os jornais Pioneiro, Correio do Povo, Zero Hora e Folha de S. Paulo a partir de reflexão apoiada na Dialética Histórico-Estrutural (DHE) e com a Análise do Discurso (AD). No trabalho, buscamos apontar situações em que o discurso evidencia um estereótipo de violência que "camufla" o que consideramos a real violência impingida à sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlene Branca Sólio, UCS - Universidade de Caxias do Sul

Doutora em Comunicação Social pela PUCRS (2010). Mestre em em Ciência da Comunicação - Processos Midiáticos pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos (2002). Especialista em História Contemporânea pela Unisinos (1978) e em Produção de Imagens com Meios Tecnológicos pela Universidade de Caxias do Sul - UCS (2003). Graduada em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo pela Unisinos (1976). Licenciada em Estudos Sociais pela Unisinos (1982). Professora e pesquisadora na UCS.

Downloads

Publicado

02-03-2012