Jornalismo esportivo e relações de gênero: o espaço para a participação feminina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ci.vol21n45.6240

Palavras-chave:

Jornalismo, Gênero, Esporte

Resumo

Apesar da evolução nas conquistas feministas, ainda há segmentos androcêntricos. Para verificar essa situação no jornalismo esportivo, foram realizadas, em 2017/2018, dois tipos de pesquisa: uma que mensurou a participação de profissionais femininos e masculinos em programas esportivos da televisão aberta brasileira; e, outra que entrevistou apresentadoras desses programas. O resultado apontou uma baixa participação feminina (11,4%) e que a elas compete a apresentação, cabendo aos homens a narração e o comentário. Isso atesta que nesse campo ainda existe uma cultura androcêntrica, cujo ethos do discurso está sob domínio masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Noemi Correa Bueno, UNASP - Centro Universitário Adventista de São Paulo

Possui graduação em Comunicação Social - Relações Públicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2006), mestrado em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2010) e doutorado em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista, UNESP (2018). Atualmente é professora da Associação de Escolas Reunidas LTDA, da Anhanguera e do UNASP

Downloads

Publicado

06-02-2020