Jornalismo na perspectiva de gênero: olhares sobre a editoria In Her Words do jornal The New York Times.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ci.vol22n50.7696

Palavras-chave:

Jornalismo na perspectiva de gênero, Direito das mulheres, The New York Times

Resumo

O artigo analisa as temáticas e a linguagem trabalhadas no editorial de gênero In Her Words, do Jornal The New York Times, para compreender se há construção de textos jornalísticos com perspectiva de gênero. O método de análise de conteúdo, permitiu que fosse observado no veículo de comunicação, a produção de jornalismo na perspectiva de gênero no editorial de gênero In Her Words.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Albertina Oliveira, Universidade Federal do Tocantins

Albertina Vieira de Melo Gomes Oliveira é mestra em Comunicação e Sociedade pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociedade da Universidade Federal do Tocantins (PPGCOM/UFT), participa do grupo de pesquisa Comunicação, Direitos e Igualdade (CODIG) -UFT, coordenado pela professora Dra Cynthia Mara Miranda. É graduada em Comunicação Social pela UFT (2005), possui MBA em Comunicação Empresarial e Marketing. Participou do Global Media Monitoring Project (GMMP) 2020. Participa da Rede Brasileira de Jornalistas com Visão de Gênero e da Red Internacional de Periodistas com Vision de Género (RIPVG). No período de 2007 a 2009 foi professora do curso de Publicidade e Propaganda da Faculdades Objetivo e Fapal em Palmas, Tocantins. Atualmente é pesquisadora do Laboratório de Estudos Geopolíticos da Amazônia Legal (LEGAL).

Dra Cynthia, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Tocantins, mestrado e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade de Brasília. Pós-doutorado em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (PPGCOM/UFMG) com bolsa da Capes por meio do Programa Nacional de Cooperação Acadêmica na Amazônia (Procad-Am). Atualmente é professora Associada I da Universidade Federal do Tocantins atuando no curso de Jornalismo e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Sociedade. Foi editora e presidenta do Conselho Editorial da Editora da Universidade Federal do Tocantins de maio de 2018 até agosto de 2019. Líder do grupo de pesquisa Comunicação, Direitos e Igualdade (CODIG), pesquisadora do Coletivo 50 graus - Pesquisa e Prática fotográfica e coordenadora da Rede Brasileira de Jornalistas com Visão de Gênero. Membro fundadora da Réseau de Recherche sur les Genres et les Territoires (REGENT) Canadá, membro da Rede de Pesquisas em Feminismos e Política e membro da Red Internacional de Periodistas con Visión de Género (RIPVG) na qual integra a Comissão de Pesquisa e membro da Global Alliance on Media and Gender (GAMAG) na Regional América Latina. GAMAG é rede mundial de pessoas e organizações lançada pela Unesco para atuar pelo avanço da igualdade de gênero na mídia e nas TICs. É integrante da coordenação colegiada da Rede Brasileira de Jornalistas e Comunicadoras com visão de Gênero e Raça e coordenou um grupo regional no Projeto de Monitoramento Global dos Media (GMMP) 2020. Tem experiência nas seguintes áreas de estudo: comunicação e jornalismo na perspectiva de gênero, narrativas da violência contra mulher, mídia e política, movimentos sociais, desenvolvimento regional na perspectiva de gênero, políticas públicas de comunicação, igualdade e de juventude. 

Referências

ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jacqueline. O que é feminismo. Brasiliense, 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo São Paulo. SP: Edições, v. 70, 2011.

BENNET, Jessica. What 18 Looks Like Around the World — Through Girlsʼ Eyes. The New York Times, [S. l.], p. sn, 11 out. 2018a. Disponível em: https://www.nytimes.com/2018/10/11/world/this-is-18-through-girls-eyes.html. Acesso em: 28 out. 2020.

_______, Jessica. 5 Stories of Sex and Consent on Campus. The New York Times, [S. l.], p. sn, 11 maio 2018b. Disponível em: https://www.nytimes.com/interactive/2018/05/10/style/sexual-consent-college-campus.html. Acesso em: 28 out. 2020.

BIROLI, Flávia. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. Boitempo Editorial, 2018.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S.A, 1992.

CUBA, E. Lingüística feminista y apuesta glotopolítica. Anuario de Glotopolítica, v. 2, p. 21-40, 2018.

DEL VALLE, Jose. A política de desconforto. Anuário de Glotopolítica, [S. l.], p. sn, 21 ago. 2018. Disponível em: https://glotopolitica.com/2018/08/21/la-politica-de-la-incomodidad/. Acesso em: 9 nov. 2020.

DEL VALLE, Jose. A política de desconforto. Anuário de Glotopolítica, [S. l.], p. sn, 21 ago. 2018. Disponível em: https://glotopolitica.com/2018/08/21/la-politica-de-la-incomodidad/. Acesso em: 9 nov. 2020.

GARCIA, Carla Cristina. Breve história do feminismo. Claridade, 2018.

MAFFÍA, Diana. Sujetos, política y ciudadanía. In: CHAHER, Sandra; SANTORO, Sonia. Las palabras tienem sexo – introducción a un periodismo con perspectiva de género. Buenos Aires: Artemisa Comunicación Ediciones, 2007.

MEULI, Noelia. Hacia un periodismo con perspectiva de género. Análisis sobre las notícias de violencia de género y femicidio. Question, v. 1, n. 55, p. 472-489, 2017.

SALAM, Maya. What Is the Equal Rights Amendment, and Why Are We Talking About it now? The New York Times, [S. l.], p. sn, 22 fev. 2019a. Disponível em: <https://www.nytimes.com/2019/02/22/us/equal-rights-amendment-what-is-it.html>. Acesso em: 13 out. 2020

_______, Maya. Rebel Women Are Coming to a Public Monument Near You. The New York Times, [S.I.], p. sn, 9 ago. 2018a. Disponível em: https://www.nytimes.com/2018/08/09/us/statues-women-america.html?login=smartlock&auth=login-smartlock&login=smartlock&auth=login-smartlock. Acesso em: 28 out. 2020.

_______, Maya. A Record 117 Women Won Office, Reshaping Americaʼs Leadership. The New York Times, [S. l.], p. sn, 7 nov. 2018b. Disponível em: https://www.nytimes.com/2018/11/07/us/elections/women-elected-midterm-elections.html. Acesso em: 28 out. 2020.

_______, Maya. Trolls Tried to Sink ‘Captain Marvel.’ She Triumphed. The New York Times, [S. l.], p. sn, 15 mar. 2019b. Disponível em: https://www.nytimes.com/2019/03/15/arts/captain-marvel-trolls.html. Acesso em: 28 out. 2020.

RODAL, Asunción Bernardez. Mujeres en Medio (s). Propuesta para analizar la comunicación masiva con Madrid. Fundamentos, 2015.

RUOHO, Iiris; TORKKOLA, Sinikka. Journalism and Gender. 2018. Disponível em: < https://content.sciendo.com/configurable/contentpage/journals$002fnor$002f39$002f1$002farticle-p67.xml>. Acesso em: 2 fev. de 2021.

SEGATO, Rita Laura. Território, soberania e crimes de segundo Estado: a escritura nos corpos das mulheres de Ciudad Juarez. Revista Estudos Feministas, v. 13, n. 2, p. 265-285, 2005.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo. Insular, 2005.

WALSH, Clare. Gender and discourse. Language and power in politics, the church and organisations. Edinburgh and London: Pearson Education Ltd, 2001.

WOITOWICZ, Karina Janz; ROCHA, Paula Melani. Repensar os parâmetros hegemônicos no jornalismo: a perspectiva de gênero na produção jornalística e na formação profissional. In: AGUIAR, Leonel; SILVA, Marcos Paulo da; MARTINEZ, Monica. (Org.). Desigualdades, relações de gênero e estudos de jornalismo. 1ed.São Paulo: Life, 2018, v. 1, p. 53-68.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-12-03