A institucionalização da Feira de Artesanato da Beira Mar em Fortaleza, Ceará

Autores

  • Thalita Silva Calíope Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil
  • Ilze Eneida Paris da Conceição Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil
  • Augusto Cézar de Aquino Cabral Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil. Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte (MG), Brasil
  • Sandra Maria dos Santos Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil. Doutora em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFP), Recife (PE), Brasil
  • Maria Naiula Monteiro Pessoa Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil. Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis (SC), Brasil

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol32n94.2526

Resumo

Parte da cultura cearense há mais de trinta anos, a Feira de Artesanato da Beira Mar tem se destacado cada vez mais nos âmbitos nacional e internacional, tendo passado por mudanças de várias ordens. Deste modo, esta pesquisa tem por objetivo analisar o processo de institucionalização da Feira de Artesanato da Beira Mar em Fortaleza, Ceará, utilizando o modelo de processo de institucionalização de Tolbert e Zucker (1998), constituído de três fases: habitualização, objetivação e sedimentação. A pesquisa se classifica como qualitativa, documental e de campo, sendo realizadas entrevistas semiestruturadas com 29 feirantes, analisadas pela técnica de análise de conteúdo. Os resultados mostraram que o principal fator que motivou o surgimento da feira foi o econômico, pois se buscava um meio de sobrevivência, sendo os feirantes os principais atores nesse processo. A feira encontra-se no estágio de sedimentação e predomina o isomorfismo normativo, seguido do isomorfismo coercitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thalita Silva Calíope, Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará.

Ilze Eneida Paris da Conceição, Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil

Mestre no Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará.

Augusto Cézar de Aquino Cabral, Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil. Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte (MG), Brasil

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará.

Sandra Maria dos Santos, Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil. Doutora em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFP), Recife (PE), Brasil

Doutora em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará.

Maria Naiula Monteiro Pessoa, Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza (CE), Brasil. Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis (SC), Brasil

Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará.

Downloads

Publicado

29-03-2016