Renda Relativa e Renda absoluta: Impacto no Bem-estar Subjetivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol37n111.6451

Palavras-chave:

Felicidade, Bem-estar, Renda Relativa, Renda Absoluta.

Resumo

Este estudo teve como objetivo principal relacionar o Bem-estar subjetivo (BES) e a Renda, tanto em sua configuração relativa, quanto absoluta, dos indivíduos domiciliados na Região do Grande ABC Paulista. O referencial teórico da contextualização de Bem-estar subjetivo sendo explicado pela renda apresenta além dos conceitos, estudos que apontam relação entre BES e desigualdade de distribuição de renda. Foram utilizadas duas variáveis explicativas, Renda absoluta e Renda relativa (renda absoluta dividida em dez grupos de renda) e quatro variáveis para compor o construto de BES. Os dados da amostra utilizada foram extraídos da pesquisa Socioeconômica da Região do Grande ABC Paulista. A análise se deu por estatísticas descritivas e Modelagem de Equações Estruturais baseada em mínimos quadrados parciais (PLS). O resultado apresentou fraco relacionamento entre o BES e ambas as rendas, porém os indicadores de qualidade global evidenciam que há boa qualidade no modelo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alyne Mantoan, USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (2014) e graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (2018). Mestranda em Administração com ênfase em Gestão para o Desenvolvimento e Regionalidade (2018-2020). Auxiliar Administrativo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul.

Prof. Dr. Leandro Prearo, Universidade Municipal de São Caetano do Sul - USCS - São Caetano do Sul/Sp - Brasil

Possui graduação em Matemática com Ênfase em Informática, Mestrado e Doutorado em Administração - Métodos Quantitativos pela Universidade de São Paulo (2008). Atualmente é professor de Pós-graduação FIA-USP; Reitor da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Gestor do Instituto de pesquisas da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, Professor do programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Administração e Mestrado Profissional em Docência e Gestão Educacional da Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Tem experiência na área de MÉTODOS QUANTITATIVOS, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise Multivariada de Dados, Bioestatística, Estatística Avançada, aplicados á área da saúde e da educação (envelhecimento, bem-estar, censos educacionais, censos de saúde, pesquisas sobre qualidade de ensino), administração pública e mercadologia.

Prof. Me. Daniel Giatti

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (2013). Mestrado em administração com ênfase em métodos quantitativos na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo - FEA/USP (2018).

Professor dos cursos de ciências econômicas, administração e tecnologia de negócios da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, gestor do Instituto de Pesquisas da Universidade Municipal de São Caetano do Sul, analista de dados socioeconômicos licenciado do Consórcio Intermunicipal Grande ABC e delegado municipal de São Caetano do Sul do CORECON-SP.

Publicado

2021-05-13

Edição

Seção

Artigos