“CADÊ O TATUADOR?” CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL E ESTIGMA DE MULHERES NA PROFISSÃO TATUADORA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol38n114.7497

Palavras-chave:

Identidade profissional, Tatuagem, Estigma

Resumo

O estudo objetivou investigar como acontece o desenvolvimento da identidade profissional sob as condições de estigma de ser tatuadora, baseado na teoria de Slay e Smith (2011). Esta pesquisa é caracterizada como qualitativa, realizada mediante entrevistas semiestruturadas com 15 tatuadoras brasileiras. Os resultados apontam que a marginalização da profissão acontece principalmente por não ser uma profissão regulamentada, e que falta uma uniformidade na aprendizagem do ofício quanto à biossegurança. Ademais, tem ocorrido uma ressignificação do estigma da mulher em razão do crescimento de mulheres na profissão, sobretudo por conta de uma nova visão de um trabalho artístico da profissão e da possibilidade de marcar momentos importantes na pele das pessoas. Esses resultados podem contribuir para ampliar a compreensão de como acontece a ressignificação da identidade profissional da mulher como tatuadora, mostrando que o que antes era apenas uma atividade marginalizada, passa a ter um novo sentido, um novo olhar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaela de Almeida Araújo, Universidade Federa do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria

Mestre em Administração e Controladoria pelo Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federa do Ceará.

Isabella Carneiro Catrib, Universidade Federa do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria

Mestranda em Administração e Controladoria pelo Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará.

Luis Eduardo Brandão Paiva, Universidade Federal do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria

Doutor em Administração e Controladoria pelo Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará.

Tereza Cristina Batista de Lima, Universidade Federa do Ceará/Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará. Professora do Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federa do Ceará.

Referências

ADAMS, J. Cleaning up the dirty work: Professionalization and the management of stigma in the cosmetic surgery and tattoo industries. Deviant Behavior, v. 33, n. 3, p. 149-167, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

BROWN, A. D. Identities and identity work in organizations. International Journal of Management Reviews, v. 17, n. 1, p. 20-40, 2015.

CAPPELLE, M. C. A.; MELO, M. C. O. L. Mulheres policiais, relações de poder e de gênero na Polícia Militar de Minas Gerais. RAM. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, p. 71-99, 2010.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Bookman, 2005.

DANN, C. CALLAGHAN, J. Meaning‐making in women's tattooed bodies. Social and Personality Psychology Compass, v. 13, n. 3, p. e12438, 2019.

DELUCA, G.; GRISCI, C. L. I.; LAZZAROTTO, G. D. R. Trabalhar e tatuar-se: estratégia de inventar a vida. Psicologia & Sociedade, v. 30, 2018.

DELUCA, G.; ROCHA-DE-OLIVEIRA, S. Inked careers: tattooing professional paths. BAR-Brazilian Administration Review, v. 13, n. 4, 2017.

FARLEY, C. L.; HOOVER, C. V.; RADEMEYER, C. Women and Tattoos: Fashion, Meaning, and Implications for Health. Journal of Midwifery & Women's Health, v. 64, n. 2, p. 154-169, 2019.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade. Tradução: Mathias Lambert, v. 4, 1988.

IBARRA, H. Provisional selves: Experimenting with image and identity in professional adaptation. Administrative Science Quarterly, v. 44, n. 4, p. 764-791, 1999.

IBARRA, H.; BARBULESCU, R. Identity as narrative: Prevalence, effectiveness, and consequences of narrative identity work in macro work role transitions. Academy of Management Review, v. 35, n. 1, p. 135-154, 2010.

JACKSON, D. Developing pre-professional identity in undergraduates through work-integrated learning. Higher Education, v. 74, n. 5, p. 833-853, 2017.

KIRA, M.; BALKIN, D. B. Interactions between work and identities: Thriving, withering, or redefining the self? Human Resource Management Review, v. 24, n. 2, p. 131-143, 2014.

KLUGER, N. Tatoués, qui êtes-vous? Caractéristiques démographiques et comportementales des personnes tatouées. In: Annales de dermatologie et de vénéréologie. Elsevier Masson, 2015. p. 410-420.

LANE, D. C. Tat's all folks: An analysis of tattoo literature. Sociology Compass, v. 8, n. 4, p. 398-410, 2014.

LARSEN, G.; PATTERSON, M.; MARKHAM, L. A deviant art: Tattoo‐related stigma in an era of commodification. Psychology & Marketing, v. 31, n. 8, p. 670-681, 2014.

LINK, B. G.; PHELAN, J. C. Conceptualizing stigma. Annual Review of Sociology, v. 27, n. 1, p. 363-385, 2001.

MAJOR, B.; O'BRIEN, L. T. The social psychology of stigma. Annu. Rev. Psychol., v. 56, p. 393-421, 2005.

OLIVEIRA, R. C. A.; MOURA, R. G. Profession: Female Tattoo Artist-Workers in an Eminently Male World (and Market). Revista FSA, v. 18, n. 6, 2021.

PRATT, M. G.; ROCKMANN, K. W.; KAUFMANN, J. B. Constructing professional identity: The role of work and identity learning cycles in the customization of identity among medical residents. Academy of Management Journal, v. 49, n. 2, p. 235-262, 2006.

ROSSI, F.; HUNGER, D. Identidade docente e formação continuada: um estudo à luz das teorias de Zygmunt Bauman e Claude Dubar. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 101, n. 258, p. 313-336, 2020.

ROSSIT, R. A. S.; FREITAS, M. A. D. O.; BATISTA, S. H. S. D. S.; BATISTA, N. A. Construção da identidade profissional na educação interprofissional em saúde: percepção de egressos. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 22, p. 1399-1410, 2018.

SCHLÖSSER, A.; GIACOMOZZI, A. I.; CAMARGO, B. V.; SILVA, E. Z. P. D.; XAVIER, M. Tattooed and Non-Tattooed Women: Motivation, Social Practices and Risk Behavior. Psico-USF, v. 25, n. 1, p. 51-62, 2020.

SIMPSON, R.; PULLEN, A. Cool’Meanings: Tattoo Artists, Body Work and Organizational ‘Bodyscape. Work, Employment and Society, v. 32, n. 1, p. 169-185, 2018.

SIQUEIRA, D. P.; SAMPARO, A. J. F. Os direitos da mulher no mercado de trabalho: da discriminação de gênero à luta pela igualdade. Revista Direito em Debate, v. 26, n. 48, p. 287-325, 2017.

SLAY, H. S.; SMITH, D. A. Professional identity construction: Using narrative to understand the negotiation of professional and stigmatized cultural identities. Human Relations, v. 64, n. 1, p. 85-107, 2011.

SWAMI, V.; FURNHAM, A. Unattractive, promiscuous and heavy drinkers: Perceptions of women with tattoos. Body Image, v. 4, n. 4, p. 343-352, 2007.

THOMPSON, B. Y. Covered in ink: Tattoos, women and the politics of the body. NYU Press, 2015.

THOMPSON, B. Y. Women covered in ink: tattoo collecting as serious leisure. International Journal of the Sociology of Leisure, v. 2, n. 3, p. 285-299, 2019a.

THOMPSON, B. Y. LA Ink: tattooing, gender, and the casual leisure of tattoo television. International Journal of the Sociology of Leisure, v. 2, n. 3, p. 301-316, 2019b.

TOYOKI, S.; BROWN, A. D. Stigma, identity and power: Managing stigmatized identities through discourse. Human Relations, v. 67, n. 6, p. 715-737, 2014.

VOUGH, H. C.; CARDADOR, M. T.; BEDNAR, J. S.; DANE, E.; PRATT, M. G. What clients don't get about my profession: A model of perceived role-based image discrepancies. Academy of Management Journal, v. 56, n. 4, p. 1050-1080, 2013.

WILLE, B.; DE FRUYT, F. Vocations as a source of identity: Reciprocal relations between Big Five personality traits and RIASEC characteristics over 15 years. Journal of Applied Psychology, v. 99, n. 2, p. 262, 2014.

Publicado

2022-05-27

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)