A influência dos fatores de risco para doenças cardiovasculares sobre a modulação autonômica cardíaca

Pedro Henrique Rodrigues, Mariana Borges de Oliveira, Leonardo Cazelato, Eduardo Federighi Baisi Chagas, Robison José Quitério

Resumo


Introdução: Alterações do sistema nervoso autônomo são fator de risco independente para eventos cardiocirculatórios, os quais podem ser estudados pela análise da variabilidade da frequência cardíaca (VFC). Objetivo: Investigar a influência dos fatores de risco para doenças cardiovasculares e dos fármacos vigentes sobre a modulação autonômica cardíaca de repouso. Métodos: Amostra composta por 23 adultos com pelo menos um fator de risco cardiovascular, com idade entre 50 e 70 anos. Foram realizadas anamneses e avaliações antropométricas. Na condição de repouso sentado, a frequência cardíaca (FC) e os intervalos R-R foram analisados nos domínios do tempo (FC e RMSSD), da frequência (LF, HF e LF/HF) e pelo plot de Poincaré (SD1, SD2 e SD1/SD2). Resultados: Houve correlação entre presença do sedentarismo e alterações na normalidade dos índices LF(nu) e LF/HF (R= 0,479 e R= 0,439), bem como entre a quantidade de fatores de risco e a FC (R= 0,512). Testando a influência do uso dos medicamentos vigentes com alterações na FC e VFC, foi encontrada correlação do inibidor da enzima conversora de angiotensina com LF(nu) e LF/HF (R= ?0,505 e R= ?0,550). Conclusão: O sedentarismo está associado à hiperativação da modulação simpática, e um maior número de fatores de risco para doenças cardiovasculares está associado à elevação da FC de repouso, caracterizando maior estresse sobre o sistema cardiovascular. Já o uso do inibidor da enzima conversora de angiotensina II está relacionado às reduções da modulação simpática e ao balanço simpato-vagal, o que é um indicativo favorável para o controle da morbidade.

 


Referências


Pereira JC, Barreto SM, Passos VMA. Perfil de risco cardiovascular e autoavaliação da saúde no Brasil: estudo de base populacional. Rev Panam Salud Publica. 2009;25(6):491-8.

Sociedade Brasileira de Cardiologia/Sociedade Brasileira de Hipertensão/Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1 Supl 1):1-51.

Kimura T, Matsumoto T, Akiyoshi M, Owa Y, Miyasaka N, Aso T, et al. Body fat and blood lipids in postmenopausal women are related to reting autonomic nervous system activity. Eur J Appl Physiol. 2006;97(5):542-7.

Vanderlei LCM, Pastre CM, Hoshi RA, Carvalho TD, Godoy MF. Noções básicas de variabilidade da frequência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Rev Bras Cir Cardiovasc. [Internet]. 2009[citado em 2015 out. 12];24(2):205-217. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-76382009000200018

Chagas EFB, Bonfim MR, Brondino NCM, Monteiro HL. Exercício físico e fatores de risco cardiovasculares em mulheres obesas na pós-menopausa. Rev Bras Med Esporte. 2015;21(1):65-9.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Arq Bras Cardiol. 2005;84 Supl I.

Benedetti TRB, Mazo GZ, Barros MVG. Aplicação do Questionário Internacional de Atividade Física para avaliação do nível de atividades físicas de mulheres idosas: validade concorrente e reprodutibilidade teste-reteste. Rev Bras Ci e Mov. 2004;12(1):25-34.

Colpani V, Spritzer PM, Lodi NP, Dorigo GG, Miranda IAS, Hahn LB, et al. Atividade física de mulheres no climatério: comparação entre auto-relato e pedômetro. Rev Saúde Pública. 2014;48(2):258-65.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: World Health Organization; 2000. WHO Obesity Technical Report Series, n. 284.

Gamelin FX, Berthoin S, Bosquet L. Validity of Polar S810 Heart Rate Monitor to Measure R-R Intervlas at Rest. Med Sci Sports Exerc. 2006;38(5):887-93.

Task Force of The European Society of Cardiology of the North American Society of Pacing Electrophysiology. Heart Rate Variability Standards of Measurement, Physiological Interpretation, and Clinical Use. Circulation. 1996;93(5):1043-65.

Yang XS, Beck GJ, Wilkoff BL. Redefining Normal Sinus Heart Rate. J Am Coll Cardiol. 1995;25(2 Suppl 1):193.

Brennan M, Palaniswami M, Kamen P. Do existing measures of Poincare plot geometry reflect nonlinear features of heart rate variability. IEEE Trans Biomed Eng. 2001;48(11):1342-7.

Dawson B, Trapp RG. Bioestatística básica e clínica. 3. ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill; 2001.

Bard JM, Charles MA, Juhan-vague I, Vague P, Andre P, Safar M, et al. Accumulation of triglyceride-rich lipoprotein insubjects with abdominal obesity: the biguanides and the prevention of the risk of obesity (BIGPRO) 1 study. Arterioscler Thromb Vasc Biol. 2001;21:407-14.

Gomes F, Telo DF, Souza HP, Nicolau JC, Halpern A, Serrano Jr CV. Obesidade e doença arterial coronariana: papel da inflamação vascular. Arq Bras Cardiol. [Internet]. 2010[citado em: 2015 out. 12];94(2):273-9. Disponível em: http://www.arquivosonline.com.br/pesquisartigos/PDFS/2010/9402/9402021.PDF

Santos D, Sichieri R. Índice de massa corporal e indicadores antropométricos de adiposidade em idosos. Rev Saúde Pública [Internet]. 2005[citado em: 2015 out. 12];39(2):163-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v39n2/24037.pdf

Paschoal MA, Fontana CC. Método do limiar de variabilidade da frequência cardíaca aplicado em pré-adolescentes obesos e não obesos. Arq Bras Cardiol. 2011;96(6):450-6

Ferreira CCC, Peixoto MRG, Barbosa MA, Silveira EA. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos usuários do sistema único de saúde de Goiânia. Arq Bras Cardiol. 2010;95(5):621-8

Petersen LC, Chinazzo H, Saldanha C, Basso M, Garcia P, Bartholomay E, et al. Fatores de risco cardiovasculares e comorbidades em ambulatórios de cardiologia da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Rev AMRIGS. 2011;55(3):217-23.

Thayer JF, Yamamoto SS, Brosschot JOSF. The relationship of autonomic imbalance, heart rate variability and cardiovascular disease risk factors. Int J Cardiol Heart Vasc. 2010:141(2):122-31.

Singh JP, Larson MG, O’donnell CJ, Wilson PF, Tsuji H, Lloyd-Jones DM, et al. Association of hyperglycemia with reduced heart rate variability (The Framingham Heart Study). Am J Cardiol. 2000;86(3):309-12.

Christensen JH, Toft E, Christensen MS, Schmidt EB. Heart rate variability and plasma lipids in men with and without ischaemic heart disease. Atherosclerosis. 1999;145:181-6.

Ferreira RA, Barreto SM, Giatti L. Hipertensão arterial referida e utilização de medicamentos de uso contínuo no Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2014;30(4):815-26.

Motter FR, Olinto MTA, Paniz VMV. Conhecimento sobre a farmacoterapia por portadores de Hipertensão Arterial Sistêmica. Ciênc Saúde Coletiva. 2013;18(8):2263-74.

New York Heart Association. The Criteria Committee of the New York Heart Association. Nomenclature and criteria for diagnosis of diseases of the heart and great vessels. 9. ed. Boston: Little Brown & Co; 1994.

Menezes Júnior AS, Moreira HG, Daher MT. Análise da variabilidade da frequência cardíaca em pacientes hipertensos, antes e depois do tratamento com inibidores da enzima conversora da angiotensina II. Arq Bras Cardiol. 2004;83(2):165-8.

Tibana RA, Boullosa DA, Leicht AS, Prestes J. Women with metabolic syndrome present different autonomic modulation and blood pressure response to an acute resistance exercise session compared with women without metabolic syndrome. Clin Physiol Funct Imaging. 2013;33(5):364-72.

Meersman RE. Heart rate variability and aerobic fitness. Am Heart J. 1993;125:726-31.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .