Adaptação de um inquérito alimentar a ser utilizado em um estudo longitudinal a partir do contexto sociocultural de uma população de colonização alemã

Ana Carolina Da Rosa, Bruna Schmitz, Graciella Chiarelli, João Luiz Gurgel Calvet da Silveira, Maria Urania Alves, Luciane Coutinho de Azevedo Campanella

Resumo


Introdução. Os instrumentos de avaliação de hábitos alimentares precisam ser validados considerando as especificidades dos costumes de consumo dos grupos populacionais, sempre culturalmente determinados. Objetivo. Apresentar uma metodologia para adaptação de um instrumento de avaliação do padrão de ingestão alimentar – o questionário de frequência alimentar (QFA) – para população do município de Pomerode, SC. Metodologia. Abordagem qualitativa, utilizando grupos focais como técnica. A partir da exploração, codificação e análise do material coletado nos grupos focais, foram realizadas 21 inclusões e 17 exclusões de alimentos do QFA de partida, na ordem de 33,33% de alterações. Considerações. A utilização dos grupos focais demonstrou ser uma técnica apropriada para a adaptação do questionário de frequência alimentar, resultando em inclusões e exclusões de alimentos identificados pelos próprios participantes no seu contexto sociocultural, qualificando etapa prévia para validação e reprodutibilidade, para que a partir de seus resultados sejam obtidas informações dietéticas corretas e úteis para posteriores inferências.


Palavras-chave


ingestão alimentar; epidemiologia nutricional; questionários; características culturais

Texto completo:

PDF

Referências


Alexandre LBSP. Epidemiologia aplicada nos serviços de saúde. São Paulo: Martinari; 2012.

John U, Hensel E, Lüdemann J, Piek M, Sauer S, Adam C, et al. Study of Health In Pomerania (SHIP): a health examination survey in an east German region: objectives and design. Soz Praventivmed. 2001;46(3):186-94.

Slater B, Philippi ST, Marchioni DML, Fisberg RM. Validação de questionários de frequência alimentar – QFA: considerações metodológicas. Rev Bras Epidemiol. 2003;6(3):200-8.

Assis MAA, Benedet J, Kerpel R, Vasconcelos FAG, Pietro PF, Kupek E. Validação da terceira versão do Questionário Alimentar do Dia Anterior (QUADA-3) para escolares de 6 a 11 anos. Cad Saúde Pública. 2009;25(8):1816-26.

Willett WC. Nutritional Epidemiology. 2nd ed. New York: Oxford University Press; 1998.

Fisberg RM, Slater B, Marchioni DML, Martini LA. Inquéritos alimentares: métodos e bases científicas. Barueri: Manole; 2005.

Ochsenhofer K. Validação de um questionário semi-quantitativo de frequência alimentar online para ferro [dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2007.

Margetts BM, Nelson M. Design concepts in nutritional epidemiology. 2nd ed. New York: Oxford University Press; 1997.

López JV. Validez de la evaluación de la ingesta dietética. In: Majem LS, Bartrina JA, Verdú JM. Nutrición y salud pública: métodos, bases científicas y aplicaciones. Madrid: Masson; 1995. p. 132-6.

Molina MCB, Benseñor IM, Cardoso LO, Velasquez-Melendez G, Drehmer M, Pereira TSS, et al. Reprodutibilidade e validade relativa do questionário de frequência alimentar do ELSA-Brasil. Cad Saúde Pública. 2013;29(2):379-89.

Zimmer R. Pomerode: espaços e história. Pomerode: Opet; 2011.

Iervolino SA, Pelicioni MCF. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev Esc Enferm. 2001;35(2):115-121.

Ressel LB, Beck CLC, Gualda DMR, Hoffmann IC, Silva RM, Sehnem GD. O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto & Contexto Enferm. 2008;17(4):779-86.

Sonati JG, Vilarta R, Silva CC. Influências culinárias e diversidade cultural da identidade brasileira: imigração, regionalização e suas comidas. In: Mendes RT, Vilarta R, Gutierrez GL, organizadores. Qualidade de vida e cultura alimentar. Campinas: IPES; 2009. p. 137-147.

Reinhardt JC. Dize-me o que comes e te direi quem és: alemães, comida e identidade. Curitiba: Máquina de Escrever; 2012.

Leonardo M. Antropologia da alimentação. ANTROPOS. 2009;3(2):1-6.

Braun LB. Algumas considerações sobre a inserção de alemães e seus descendentes na sociedade brasileira – Colônia rio-grandense – Maracaí/SP (1950-1990). Patrimônio e Memória. 2012;8(1):207-28.

Nascimento APB, Alves MC, Molina SMG. Quintais domésticos e sua relação com estado nutricional de crianças rurais, migrantes e urbanas. Multiciência [Internet]. 2005 Out [citado em 2016 Out 31];(5):[15 p.]. Disponível em: http://www.multiciencia.unicamp.br/artigos_05/rede_03_05.pdf

Djau MA, Barros FLA, Bento JAN, Araújo DF, Reis JNP. Estudo sobre preços de frutas de lavouras temporárias no estado do Ceará. In: Araújo JÁ, Reis JNP, Paulo EM, Mancal A, organizadores. Desafios da sustentabilidade no semiárido nordestino. Fortaleza: RDS Editora; 2014. p. 214-29.

Silva MCG. O kochkäse como produto tradicional feminino e seu inventário como patrimônio cultural imaterial do Vale do Itajaí/SC. Anais da 29. Reunião Brasileira de Antropologia; 2014 ago. 3-6; Natal, Rio Grande do Norte, Brasil.

Carneiro HS. Comida e sociedade: significados sociais na história da alimentação. História: Questões & Debates. 2005;(42):71-80.

Gondim JAM, Moura MFV, Dantas AS, Medeiros RLS, Santos KM. Composição centesimal e de minerais em cascas de frutas. Ciênc Tecnol Aliment. 2005;25(4):825-7.

Garcia RWD. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Rev Nutr. 2003;16(4):483-92.

Assunção VK. Comida de mãe: notas sobre alimentação, família e gênero. Cad Espaço Feminino. 2008;19(1):233-53.

Rekowsky CJ, Dofrman A. Lugares, mesas e falas: comida alemã e italiana em restaurantes de Porto Alegre/RS. Ateliê Geográfico. 2013;7(1):122-42.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol14n50.3828