Análise das notificações de acidentes pediátricos na cidade de São Paulo

Cintia Leci Rodrigues, Jane de Eston Armond, Ana Paula Marconi Iamarino, Ana Carolina Giolo dos Santos, Rodrigo de Eston Armond, Carlos Górios

Resumo


Objetivo: Analisar os dados de acidentes com crianças registrados na rede de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) e no Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (Sivva) do município de São Paulo (SP) no período de janeiro a dezembro de 2015. Métodos: Trata-se de um estudo transversal de abordagem quantitativa, descritivo, retrospectivo. O estudo abrangeu a totalidade de 16.847 crianças com idade entre 0 a 9 anos, vítimas de acidentes, notificadas no Sistema de Informação para a Vigilância de Violências e Acidentes da Secretaria Municipal de Saúde da cidade de São Paulo, onde são registradas as notificações de acidentes e violência por meio da ficha de notificação de casos suspeitos ou confirmados. Resultados: Em crianças de todas as idades da faixa pesquisada e em ambos os sexos, as quedas acidentais foram o tipo de acidente mais registrado. Os acidentes ocorreram em crianças com faixa etária entre 0 e 4 anos (63,9%) e 5 e 9 anos (36,1%). Em relação ao sexo, 39,1% dos acidentes ocorreram no sexo feminino e 60,9% entre crianças do sexo masculino. Conclusão: Este estudo mostrou que o principal tipo de acidente entre crianças, a queda doméstica, ocorre predominantemente no ambiente doméstico e com crianças do sexo masculino. Notou-se com esta pesquisa que estamos diante de crianças vulneráveis, que necessitam de cuidados específicos, principalmente preventivos, em ações intersetoriais com órgãos e profissionais da saúde e educação envolvidos no acompanhamento do crescimento e desenvolvimento das crianças.


Palavras-chave


Acidentes, Criança, Prevenção e Controle

Texto completo:

PDF

Referências


Malta DC, Mascarenhas MDM, Bernal RTI, Viegas APB, Sá NNB, Silva Junior JB. Acidentes e violência na infância: evidências do inquérito sobre atendimentos de emergência por causas externas: Brasil, 2009. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(9):2247-58.

Malta DC, Mascarenhas MDM, Neves ACM, Silva MA. Atendimentos por acidentes e violências na infância em serviços de emergências públicas. Cad Saúde Pública. 2015;31(5):1095-1105.

Xavier-Gomes LM, Rocha RM, Andrade-Barbosa TL, Silva CSO. Descrição dos acidentes domésticos ocorridos na infância. Mundo Saúde. 2013;37(4):394-400.

Martins CBG. Acidentes e violências na infância e adolescência: fatores de risco e de proteção. Rev Bras Enferm. 2013;66(4):578-84.

Gawryszewski VP, Da Silva MMA, Malta DC, Mascarenhas MDM, Costa VC, Matos SG, et al. A proposta da rede de serviços sentinela como estratégia da vigilância de violências e acidentes. Ciênc Saúde Coletiva. 2006;11(Supl):1269-78.

São Paulo. Secretaria Municipal de Saúde. Sistema de Informação e Vigilância de Violências e Acidentes - SIVVA [Internet]. São Paulo: Prefeitura de São Paulo; 2013 [citado em 2016 abr 16]. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br

Amaral EMS, Silva CLM, Pereira ERR, Guarnieri G, Brito GSS, Oliveira LM. Incidência de acidentes com crianças em um pronto-socorro infantil. Rev Inst Ciênc Saúde. 2009;27(4):313-17.

Górios C, Souza RM, Gerolla V, Maso B, Rodrigues CL, Armond JE. Acidentes de transporte de crianças e adolescentes em serviço de emergência de hospital de ensino, Zona Sul da cidade de São Paulo. Rev Bras Ortop. 2014;49(4):391-95.

Lima RP, Ximenes LB, Joventino ES, Vieira LJES, Oriá MOB. Principais causas de acidentes domésticos em crianças: um estudo descritivo-exploratório. Online Braz J Nurs. 2008;7(3).

Filócomo FRF, Harada MJCS, Silva CV, Pedreira MLG. Estudo dos acidentes na infância em um pronto socorro pediátrico. Rev Latinoam Enf. 2002;10(1):41-7.

Regiani C, Correa I. Acidentes na infância em ambiente domiciliar. Rev Min Enf 2006;10(3):277-79.

Ramos CLJ, Targa MBM, Stein AT. Perfil das intoxicações na infância atendidas pelo Centro de Informação Toxicológica do Rio Grande do Sul (CIT/RS), Brasil. Cad Saúde Pública. 2005;21(4):1134-41.

Ramos CLJ, Barros HMT, Stein AT, Costa JSD. Fatores de risco que contribuem para o envenenamento pediátrico. J Pediatr. 2010;86(5):435-40.

Silveira DC, Pereira JT. Acidentes prevalentes em crianças de 1 a 3 anos em um pronto-socorro de Belo Horizonte no ano de 2007. Rev Min Enferm. 2011;15(2):181-89.

Martins CBG. Acidentes na infância e adolescência: uma revisão bibliográfica. Rev Bras Enferm. 2006;59(3):344-48.

Wanderer A, Pedroza RLS. A violência como tema transversal aos estudos sobre a deficiência: interconexões necessárias. Rev Estud Pesq Psicol. 2015;15(1):178-95.

Santos BZ, Grosseman S, Silva JYB, Cordeiro MMR, Bosco VL. Injúrias não intencionais na infância: estudo piloto com mães que frequentam a clínica de bebês da Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil. Pesq Bras Odontoped Clin Integr. 2010;10(2):157-61.

Vieira LJES, Carneiro RCMM, Frota MA, Gomes ALA, Ximenes LB. Ações e possibilidades de prevenção de acidentes com crianças em creches de Fortaleza, Ceará. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(5):1687-97.

Rezende MA. Uma proposta de cuidado à criança em creches e pré-escolas: a busca de superação dos determinantes históricos e sociais brasileiros. Acta Paul Enferm. 2004;17(1):102-7.

Souza CS, Costa MCO, Assis SG, Musse JO, Nascimento Sobrinho C, Amaral MTR. Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes/VIVA e a notificação da violência infanto-juvenil, no Sistema Único de Saúde/SUS de Feira de Santana-Bahia, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(3):773-84.

Brito MA, Rocha SS. A criança vítima de acidentes domésticos sob o olhar das teorias de enfermagem. J Res Fund Care Online. 2015;7(4):3351-65.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4270