ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PRESTADA ÀS MULHERES EM HEMODIÁLISE EM UM HOSPITAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

Lágila Cristina Nogueira Martins, Maria Elizabeth Roza Pereira, Larínia Carolina Nogueira Martins

Resumo


Introdução: A hemodiálise corresponde a um tratamento rigoroso e contínuo, que acarreta limitações físicas e psicológicas aos pacientes. Dessa forma, a assistência de enfermagem passa a ser indispensável para o enfrentamento das dificuldades encontradas e a adesão ao tratamento. Objetivos: O estudo em questão visa analisar a qualidade da assistência de enfermagem prestada a mulheres em tratamento hemodialítico. Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva, transversal e de campo, com abordagem qualitativa, realizada no setor de hemodiálise de um hospital universitário do Triângulo Mineiro/MG. Resultados: A partir da análise das respostas, foi possível perceber que a maioria das mulheres classificou a assistência de enfermagem e as informações passadas como satisfatórias para o tratamento. Conclusão: Percebe-se, dessa forma, que o cuidado da equipe de enfermagem está direcionado não apenas para evitar as complicações que podem estar presentes durante as sessões de hemodiálise, mas também no enfrentamento das ansiedades e na consequente aceitação da doença e adesão ao tratamento, além de haver esclarecimento das dúvidas dos pacientes e de seus familiares.

 


Palavras-chave


Educação em enfermagem; unidades hospitalares de hemodiálise; qualidade de vida

Texto completo:

PDF

Referências


Bastos MG, Bregman R, Kirsztajn GM. Doença renal crônica: frequente e grave, mas também prevenível e tratável. Rev Assoc Med Bras. 2009;56(2):248-53.

Santana SS, Fontenelle T, Magalhães LM. Assistência de enfermagem prestada aos pacientes em tratamento hemodialítico nas unidades de nefrologia. Rev Científica do ITPAC. 2013;6(3):1-11.

Cabral AS. O que é hemodiálise? [Internet]. São Paulo: Sociedade Brasileira de Nefrologia. 2017 [citado em 2015 mar 28]. Disponível em: https://goo.gl/wtmfK7

Castro, MCM. Atualização em diálise: Complicações agudas em hemodiálise. J Bras Nefrol. 2001;23(2):108-13.

Crestani Filho VJ, Rodrigues RAC. Progression of chronic kidney disease: ambulatory experience in Santarém - Pará. J Bras Nefrol [Internet]. 2013 [citado em 2016 mar 17];35(2):99-106. Disponível em: https://goo.gl/EMkhPX

Cabral AS. Carta da nefrologia [Internet]. São Paulo: Sociedade Brasileira de Nefrologia. 2017 [citado 2017 jul 02]. Disponível em: https://sbn.org.br/carta-da-nefrologia/

Santos I, Rocha RPF, Berardinelli LMM. Necessidades de orientação de enfermagem para o autocuidado de clientes em terapia de hemodiálise. Rev Bras Enferm. 2011;64(2):335-42.

Guedes KD, Guedes HM. Qualidade de vida do paciente portador de insuficiência renal crônica. Rev Ciênc Saúde. 2012;5(1):48-53.

Takemoto AY, Okubo P, Bedendo J, Carreira L. Avaliação da qualidade de vida em idosos submetidos ao tratamento hemodialítico. Rev Gaucha Enferm. 2011;32(2):256-62.

Soares KTA, Viesser MV, Rzniski TAB, Brum EP. Eficácia de um protocolo de exercícios físicos em pacientes com insuficiência renal crônica, durante o tratamento de hemodiálise, avaliada pelo SF-36. Fisioter Mov. 2011;24(1):133-40.

Reis CK, Guirardello EB, Campos CJG. O indivíduo renal crônico e as demandas de atenção. Rev Bras Enferm. 2008;61(3):336-41.

Santos TMB, Frazão IS. Qualidade de vida dos trabalhadores que realizam hemodiálise. Rev Ciênc Méd. 2012;21(1-6):5-14.

Silva AS, Silveira RS, Fernandes GFM, Lunardi VL, Backes VMS. Percepções e mudanças na qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. Rev Bras Enferm. 2011;64(5):839-44.

Terra FS, Costa AMDD. Avaliação da qualidade de vida de pacientes renais crônicos submetidos à hemodiálise. Rev Enferm UERJ. 2007;15(3):430-36.

Valcanti CC, Chaves ECL, Mesquita AC, Nogueira DA, Carvalho EC. Religious/spiritual coping in people with chronic kidney disease undergoing hemodialysis. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(8):838-45.

Erbs GC, Nerbass FB, Silva RMG, Luz Filho HA, Vieira MA. A influência da escolaridade na qualidade de vida de pacientes em diálise [Internet]. Joinville: Fundação Pró Rim. 2011 [citado em 2017 set 22]. Disponível em: https://goo.gl/5RQfbr

Pessuto J, Carvalho EC. Fatores de risco em indivíduos com hipertensão arterial. Rev Lat Am Enfermagem. 1998;6(1):33-9.

Moura RMF, Silva FCR, Ribeiro GM, Sousa LA. Efeitos do exercício físico durante a hemodiálise em indiví¬duos com insuficiência renal crônica: uma revisão. Fisioter Pesqui. 2008;15(1):86-91.

Paula RB, Fernandes NC, Carmo VMP, Andrade LCF, Bastos MG. Obesidade e doença renal crônica. J Bras Nefrol. 2006;28(3):158-64.

Menezes WN. Cidadania feminina: um longo e tortuoso caminho. Emancipação. 2005;5(1):53-69.

Cesarino CB, Borges PP, Ribeiro RCHM, Ribeiro DF, Kusumota L. Avaliação do risco cardiovascular de pacientes renais crônicos segundo critérios de Framingham. Acta Paul Enferm. 2013;26(1):101-7.

Silva AS, Silveira RS, Fernandes GFM, Lunardi VL, Backes VMS. Percepções e mudanças na qualidade de vida de pacientes submetidos à hemodiálise. Rev Bras Enferm. 2011;64(5):839-44.

Nascimento CD, Marques IR. Intervenções de enfermagem nas complicações mais frequentes durante a sessão de hemodiálise: revisão da literatura. Rev Bras Enferm. 2005;58(6):719-22.

Gullo ABM, Lima AFC, Silva MJP. Reflexões sobre comunicação na assistência de enfermagem ao paciente renal crônico. Rev Esc Enferm USP. 2000;34(2):209-12.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol15n53.4582