RESPOSTAS DA FREQUÊNCIA CARDÍACA AO EXERCÍCIO RESISTIDO E SUA RELAÇÃO COM A VARIABILIDADE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM INDIVÍDUOS COM FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Leonardo Cazelato, Pedro Henrique Rodrigues, Robison José Quitério

Resumo


Introdução: A ação dos ramos simpático e parassimpático do sistema nervoso autônomo (SNA) sobre o coração promove aumento e diminuição, respectivamente, da frequência cardíaca (FC). A variação da FC na transição repouso-exercício pode indicar como se comporta o sistema nervoso parassimpático nos segundos iniciais do esforço, já que ocorre inibição da modulação vagal como resposta inicial da FC no exercício. Uma variabilidade da frequência cardíaca (VFC) reduzida na condição basal pode indicar adaptação ineficaz do SNA. Em indivíduos portadores de fatores de risco para doenças cardiovasculares, as respostas da FC durante o exercício levam mais tempo para atingir valores ideais, o que pode ser atribuído à modulação parassimpática ineficaz no início do esforço, porém não há evidência de que a função vagal prejudicada esteja relacionada à menor resposta da FC no início do exercício resistido. Objetivo: Avaliar a magnitude das respostas da FC durante o esforço máximo através do teste de uma repetição máxima (1RM) e verificar sua relação com o comportamento da VFC na condição basal em treze indivíduos, com idades entre 50 e 71 anos e portadores de fatores de risco para doenças cardiovasculares. Métodos: Foram registrados os valores de FC e dos intervalos RR na condição basal e em protocolo de teste de 1RM antes e durante o esforço. A partir dos dados obtidos, foram calculados a variação da FC repouso-exercício e os índices SD1 e RMSSD da VFC na condição basal. Resultados: Foi encontrada uma forte correlação positiva entre variação da FC repouso-exercício e índices da VFC na condição basal. Conclusão: Indivíduos com melhor modulação vagal na condição basal apresentam maior variação da FC no exercício resistido máximo.


Referências


Williamson JW, Fadel PJ, Mitchell JH. New insights into central cardiovascular control during exercise in humans: a central command update. Exp Physiol. 2006;91(1):51-8.

Freeman JV, Dewey FE, Hadley DM, Myers J, Froelicher VF. Autonomic nervous system interaction with the cardiovascular system during exercise. Prog Cardiovasc Dis. 2006;48(5):342-62.

Guyton AC, Hall JE. Tratado de fisiologia médica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.

Aubert AE, Seps B, Beckers F. Heart rate variability in athletes. Sports Med. 2003;33(12):889-919.

Paschoal MA, Petrelluzzi KFS, Gonçalves NVO. Controle autonômico cardíaco durante a execução de atividade física dinâmica de baixa intensidade. Rev Soc Cardiol. 2003;13(5):1-11.

Rajendra Acharya U, Paul Joseph K, Kannathal N, Lim CM, Suri JS. Heart rate variability: a review. Med Biol Eng Comput. 2006;44(12):1031-51.

Rolim LCSP, Sá JR, Chacra AR, Dib SA. Neuropatia autonômica cardiovascular diabética: fatores de risco, impacto clínico e diagnóstico precoce. Arq Bras Cardiol. 2008;90(4):24-32.

Takahashi AC, Melo RC, Quitério RJ, Silva E, Catai AM. The effect of eccentric strength training on heart rate and on its variability during isometric exercise in healthy older men. Eur J Appl Physiol. 2009;105(2):315-23.

Almeida MB, Ricardo DR, Araújo CGS. Variabilidade da frequência cardíaca em um teste de exercício verdadeiramente máximo. Rev Socerj. 2005;18(6):534-41.

Da Paschoa DC, Coutinho JFS, Almeida MB. Análise da variabilidade da frequência cardíaca no exercício de força. Rev Socerj. 2006;19(5):385-90.

Mitchell JH. Neural control of the circulation during exercise: insights from the 1970-1971 Oxford studies. Exp Physiol. 2012;97(1):14-9.

Task Force of the European Society of Cardiology and the North American Society of Pacing Electrophysiology. Heart rate variability: standards of measurement, physiological interpretation and clinical use. Circulation. 1996;93(5):1043-65.

Vanderlei LCM, Pastre CM, Hoshi RA, Carvalho TD, Godoy MF. Noções básicas de variabilidade da frequência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Rev Bras Circ Cardiovasc. 2009;24(2):205-17.

Thayer JF, Yamamoto SS, Brosschot JF. The relationship of autonomic imbalance, heart rate variability and cardiovascular disease risk factors. Int J Cardiol. 2010;141(2):122-31.

Michelini LC. Regulação momento a momento da pressão arterial na normotensão e hipertensão: implicações fisiopatológicas. Hipertensão. 2000;3(3):90-8.

Barbosa Filho J, Barbosa PRB, Cordovil I. Modulação autonômica do coração na hipertensão arterial sistêmica. Arq Bras Cardiol. 2002;78(2):181-8.

Vinik AI, Maser RE, Mitchell BD, Freeman R. Diabetic autonomic neuropathy. Diabetes Care. 2003;26(5):1553-79.

Rissanen P, Franssila-Kallunki A, Rissanen A. Cardiac parasympathetic activity is increased by weight loss in health obese women. Obes Res. 2001;9(10):637-43.

Laederach-Hofmann K, Mussgay L, Rúddel H. Autonomic cardiovascular regulation in obesity. J Endocrinol. 2000;164(1):59-66.

Lopes HF, Egan BM. Desequilíbrio autonômico e síndrome metabólica: parceiros patológicos em uma pandemia global emergente. Arq Bras Cardiol. 2006;87(4):538-47.

Liao D, Sloan RP, Cascio WE, Folsom AR, Liese AD, Evans GW, et al. Multiple metabolic syndrome is associated with lower heart rate variability. Diabetes Care. 1998;21(12):2116-28.

Kimura T, Matsumoto T, Akiyoshi M, Owa Y, Miyasaka N, Aso T, et al. Body fat and blood lipids in postmenopausal women are relating to reting autonomic nervous system activity. Eur J Appl Physiol. 2006;97(5):542-7.

Lopes FL, Pereira FM, Reboredo MM, Castro TM, Vianna JM, Novo Júnior JM, et al. Redução da variabilidade da frequência cardíaca em indivíduos de meia-idade e o efeito do treinamento de força. Rev Bras Fisioter. 2007;11(2):113-9.

De Meersman RE, Stein PK. Vagal modulation and aging. Biol Psychol. 2007;74(2):165-73.

Moreira SR, Simões GC, Hyane WC, Campbell CSG, Simões HG. Identificação do limiar anaeróbio em indivíduos com diabetes tipo-2 sedentários e fisicamente ativos. Rev Bras Fisioter. 2007;11(4):289-96.

Tibana RA, Boullosa DA, Leicht AS, Prestes J. Women with metabolic syndrome present different autonomic modulation and blood pressure response to an acute resistance exercise session compared with women without metabolic syndrome. Clin Physiol Funct Imaging. 2013;33(5):364-72.

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: WHO; 2000.

Matsudo S, Araújo T., Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6(2):5-18.

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. 3ª ed. Itapevi: A. Araújo Silva Farmacêutica; 2009.

Xavier H. T., Izar M. C., Faria Neto J. R., Assad M. H., Rocha V. Z., Sposito A. C., et al. V Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção a Aterosclerose. Arq Bras Cardiol. 2013;101(4 Supl 1):1-2.

Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2010;95(1 Supl 1):1-51.

Loimaala A, Sievänen H, Laukkanen R, Pärkkä J, Vuori I, Huikuri H. Accuracy of a novel real-time microprocessor QRS detector for heart rate variability assessment. Clin Physiol. 1999;19(1):84-8.

Gamelin FX, Berthoin S, Bosquet L. Validity of the polar S810 heart rate monitor to measure R-R intervals at rest. Med Sci Sports Exerc. 2006;38(5):887-93.

Rezende Barbosa MPC, Silva NT, Azevedo FM, Pastre CM, Vanderlei LC. Comparison of Polar RS800G3 heart rate monitor with Polar S810i and electrocardiogram to obtain the series of RR intervals and analysis of heart rate variability at rest. Clin Physiol Funct Imaging. 2016;36(2):112-7.

Brennan M, Palaniswami M, Kamen P. Do existing measures of Poincaré plot geometry reflect nonlinear features of heart rate variability. IEEE Trans Biomed Eng. 2001;48(11):1342-7.

American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.

Farinatti PTV, Assis BFCB. Estudo da frequência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto em exercícios contra-resistência e aeróbio contínuo. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2000;5(2):5-16.

Beltrame T, Karsten M, Chacon-Mikahil MPT, Madruga VA, Silva E, Borghi-Silva A, et al. Influência da idade no comportamento da frequência cardíaca na transição repouso-exercício: uma análise por deltas e regressão linear. Rev Bras Med Esporte. 2012;18(5):300-4.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre análise e emissão de laudos eletrocardiográficos (2009). Arq Bras Cardiol. 2009;93(3 Supl 2):1-19.

Sevre K, Lefrandt JD, Nordby G, Os I, Mulder M, Gans RO, et al. Autonomic function in hypertensive and normotensive subjects: the importance of gender. Hypertension. 2001;37(6):1351-6.

Quitério RJ, Moraes FR, Oliveira L, Teixeira LC, Gallo Junior L, Catai AM, et al. Influences of torque and joint angle on heart rate responses during isometric exercise in young men. Rev Bras Fisioter. 2007;11(3):185-90.

Quitério RJ, Melo RC, Takahashi ACM, Aniceto IAV, Silva E. Catai AM. Torque, myoeletric sygnal and heart rate responses during concentric and eccentric exercises in older men. Rev Bras Fisioter. 2011;15(1):8-14.

Ricardo DR, Almeida MB, Franklin BA, Araújo CG. Initial and final exercise heart rate transients: influence of gender, aerobic fitness and clinical status. Chest. 2005;127(1):318-27.

Miguel FM, Grings LA, Pereira GB, Leite RD, Vieira A, Sousa NMF, et al. Different cardiovascular responses to a resistance training session in hypertensive women receiving propanolol compared with normotensive controls. Sci World J. 2012;2012:913271.

Ichihara Y, Ohno J. Suzuki M, Anno T, Sugino M, Nagata K. Blunt circulatory response to exercise in coronary high-risk subjects among apparently healthy Japanese. Circ J. 2004;68(4):286-93.

Ferreira CCC, Peixoto MRG, Barbosa MA, Silveira ÉA. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em idosos usuários do Sistema Único de Saúde de Goiânia. Arq Bras Cardiol. 2010;95(5):621-8.

Petersen LC, Chinazzo H., Saldanha C, Basso M, Garcia P, Bartholomay, et al. Fatores de risco cardiovasculares e comorbidades em ambulatórios de cardiologia da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Rev Amrigs. 2011;55(3):217-23.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .