PROCESSO DE ORIENTAÇÃO PARA AMAMENTAR: A DESARTICULAÇÃO DA EDUCAÇÃO REALIZADA À BEIRA DO LEITO

Juliana da Silva Garcia Nascimento, Fabiana Cristina Pires, Larissa Andrade Pereira, Fernanda Cristina Moraes Borges, Thais Cristianne dos Santos Silva

Resumo


Introdução: O leite materno é o primeiro alimento da criança e, portanto, é imprescindível a orientação educacional à beira-leito nesse âmbito. Objetivo: Compreender o processo de orientação necessário para amamentação da perspectiva dos enfermeiros e das mães. Métodos: Estudo descritivo exploratório, com abordagem qualitativa, realizado por meio de entrevista semiestruturada gravada com quinze puérperas e quatro enfermeiros. Resultados: A percepção dos enfermeiros possibilitou identificar dois temas: o primeiro se refere às orientações realizadas para amamentar, a saber: o tempo em que o bebê deve permanecer mamando; a pega correta; o posicionamento correto; a necessidade de alternar a mama; o intervalo da mamada. As dificuldades envoltas nesse processo foram o segundo tema, configurando a falta de conhecimento e a insegurança da puérpera para amamentar; a necessidade de o enfermeiro apropriar-se da sua função de educador; a demanda de fortalecer o vínculo entre atenção primária e atenção terciária na saúde. A análise da percepção das puérperas também gerou dois temas: orientações recebidas beira-leito cujas referências corroboraram as realizadas pelos enfermeiros; contradições nas abordagens educacionais, evidenciando as diferentes formas de realizar as orientações pelos profissionais. Conclusões: Apesar de o processo de orientação realizado pelos enfermeiros configurar as mesmas instruções percebidas pelas puérperas, identificaram-se lacunas na educação realizada beira-leito quanto ao alinhamento da fala profissional, evidenciando a desarticulação do processo e dificultando a compreensão da puérpera, o que reforça ser necessária a adoção de protocolos.


Referências


Amitay EL, Keinan-Boker L. Breastfeeding and childhood leukemia incidence: a meta-analysis and systematic review. JAMA Pediatr. 2015;169(6):e151025. Erratum in: JAMA Pediatr. 2015;169(8):791; JAMA Pediatr. 2015;169(8):791; JAMA Pediatr. 2015;169(11):1072.

United Nations Children’s Fund (Unicef). Breastfeeding on the worldwide agenda. Findings from a landscape analysis on political commitment for programmes to protect, promote and support breastfeeding [Internet]. New York: Unicef; 2013 [citado em 2017 jun 5]. Disponível em: https://goo.gl/oBdQmy.

Brasil. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica: saúde da criança. Aleitamento materno e alimentação complementar [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2015 [citado em 2017 jun 5]. Disponível em: https://goo.gl/Me8TbV.

Brasil. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Brasil é referência mundial em amamentação [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2016 [citado em 2017 maio 29]. Disponível em: https://goo.gl/Kv8457.

Almeida JA, Luz SA, Ued FV. Apoio ao aleitamento materno pelos profissionais de saúde: revisão integrativa da literatura. Rev Paul Pediatr [Internet]. 2015 [citado em 2017 maio 29];33(3):355-62. Disponível em: https://goo.gl/q5Kog5.

Visintin AB, Primo CC, Amorim MHC, Leite FMC. Avaliação do conhecimento de puérperas acerca da amamentação. Enferm Foco [Internet]. 2015 [citado em 2017 jun 5]; 6(1/4): 12-6. Disponível em: https://goo.gl/QHrYor.

Duarte EF, Santos CSE, Couto MGC, Andrade VLFS, Matos RCP, Santos EI. Estratégias utilizadas por enfermeiros na promoção do aleitamento materno no puerpério imediato. Rev Cuid [Internet]. 2013 [citado em 2017 jun 5]; 4(1). Disponível em: https://goo.gl/MgUwQK.

Silva NM, Waterkemper R, Silva EF, Cordova FP, Bonilha ALL. Conhecimento de puérperas sobre amamentação exclusiva. Rev Bras Enferm [Internet]. 2014 [citado em 2017 jun 5]; 67(2):290-5. Disponível em: https://goo.gl/FWTvnW.

Marinho MS, Andrade EN, Abrão ACFV. A atuação do(a) enfermeiro(a) na promoção, inventivo e apoio ao aleitamento materno. Rev Rec. 2015;4(2):189-198.

Cunha EC, Siqueira HCH. Aleitamento materno: contribuições da enfermagem. Ensaios Cienc, Cienc Biol Agrar Saúde [Internet]. 2016 [citado em 2017 jun. 5];20(2):86-92. Disponível em: https://goo.gl/qRWg8m.

Cavalcante RB, Calixto P, Pinheiro MMK. Content analysis: general considerations, relations with the research question, the possibilities and limitations of the method. Inf & Soc: Est [Internet]. 2014 [citado em 2017 jun 5];24(1):13-8. Disponível em: https://goo.gl/u4sX27.

Costa PB, Chagas ACMA, Joventino ES, Dodt RCM, Oría MOB, Ximenes LB. Development and validation of educational manual for the promotion of breastfeeding. Rev Rene. 2013;14(6):1160-7.

Cordeiro EL, Santana I, Coelho M, Souza RM, Cassilha AP. Preparo das gestantes na técnica de amamentação em uma unidade de saúde da família no município de Olinda – PE. Revista Universo [Internet]. 2013 [citado em 2017 jun 5];7:1-18. Disponível em: https://goo.gl/bawByQ.

Azevedo ARR, Alves VH, Souza RMP, Rodrigues DP, Branco MBLR, Cruz AFN. Clinical management of breastfeeding: knowledge of nurses. Esc Anna Nery [Internet]. 2015 [citado em 2017 maio 29];19(3):439-45. Disponível em: https://goo.gl/7SnSef.

Soares JPO, Novaes LFG, Araújo CMT, Vieira ACC. Amamentação natural de recém-nascidos pré-termo sob a ótica materna: uma revisão integrativa. Rev CEFAC [Internet]. 2016 [citado em 2017 maio 29];18(1):232-41. Disponível em: https://goo.gl/xcg9aN.

Franco SC, Silva ACA, Tamesawa CS, Ferreira GM, Feijó JMY, Macaris T, et al. Escolaridade e conhecimento sobre duração recomendada para o aleitamento materno exclusivo entre gestantes na estratégia de saúde da família. Arq Catarin Med [Internet]. 2015 [citado em 2017 jun 5];44(3):66-77. Disponível em: https://goo.gl/FDFYVn.

Silva NM, Warterkemper R, Silva EF, Cordova FP, Bonilha ALL. Conhecimento de puérperas sobre amamentação exclusiva. Rev Bras Enferm. 2014;67(2):290-5.

Vargas GS, Alves VH, Rodrigues DP, Branco MBLR, Souza RMP, Guerra JVV. Atuação dos profissionais de saúde da estratégia saúde da família: promoção da prática do aleitamento materno. Rev Baiana Enferm [Internet]. 2016 [citado em 2017 maio 29];30(2):1-9. Disponível em: https://goo.gl/tHwChw.

Brasil. Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências [Internet]. Brasília, DF; 1986 [citado em 2017 maio 29]. Disponível em: https://goo.gl/o1dyu9.

Oliveira MR, Leonel AR, Montezeli JH, Gastaldi AB, Martins EA, Caveião C. Conception of undergraduate nursing students on the practice of health education on first aid. Rev Rene. 2015;16(2):150-8.

Erdmann AL, Andrade SR, Mello ALSF, Drago LC. A atenção secundária em saúde: melhores práticas na rede de serviços. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2013 [citado em 2017 maio 29];21(Esp):[8 telas]. Disponível em: https://goo.gl/e1ogAq.

Werneck MAF, Faria HP, Campos KFC. Protocolo de cuidados à saúde e de organização do serviço. Belo Horizonte: Nescon/UFMG; Coopmed, 2009.

Gubert FA, Santos DAS, Pinheiro MTM, Brito LLMS, Pinheiro SRCS, Martins MC. Protocolo de Enfermagem para consulta de puericultura. Rev Rene. 2015;16(1):81-9.

Alves KYA, Salvador PTCO, Santos VEP, Martins CCF, Costa TD. Cuidar-curar transpessoal e os protocolos de enfermagem: “cuidado com a vida”. Rev Enferm UFSM [Internet]. 2014 [citado em 2017 jun 5];4(4):858-64. Disponível em https://goo.gl/ZSaBH7.

Moura LK, Lima CH, Sousa FD, Honorato DZ, Neta AS, Costa KR. The professional nurse as educator: a look to primary health care and the NASF. Revista Interdisciplinar. 2015;8(1):211-9.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .