PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE CASOS DE HANSENÍASE EM UM ESTADO DO NORDESTE BRASILEIRO

Mísia Joyner de Sousa Dias Monteiro, Gleyson Moura dos Santos, Maryanna Tallyta Silva Barreto, Renata Vieira de Sousa Silva, Ruan Luiz Rodrigues de Jesus, Higo José Neri da Silva

Resumo


Introdução: A hanseníase é uma doença infecciosa crônica, causada pelo Mycobacterium leprae, sendo considerada um grande problema de saúde pública nos países em desenvolvimento. Objetivo: Apresentar as características epidemiológicas, clínicas e a distribuição espacial de casos de hanseníase no estado do Piauí entre os anos de 2011 a 2015. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo descritivo de base populacional, utilizando dados secundários de hanseníase registrados no Sistema de Informações de Agravos de Notificação e disponibilizados no site do Departamento de Informático do Sistema Único de Saúde. Resultados e conclusões: Foram notificados 6.378 casos, com incidência média de 0,63 casos/100.000 habitantes. Os casos por faixa etária variaram entre 35 e 49 anos para o sexo feminino e entre 50 e 64 anos para o sexo masculino. O modo de detecção foi feito em 43,5% dos casos através de encaminhamento. 69,3% dos pacientes obtiveram cura. A classificação operacional multibacilar prevaleceu para o sexo masculino e paucibacilar para o sexo feminino. 67,1% dos pacientes não apresentavam nenhum grau de incapacidade física e apresentavam de 2 a 5 lesões. 38,5% fazia uso de esquema terapêutico com PQT/PB/6doses e 60,3% faziam com PQT/MB/12doses. A maior ocorrência dos casos no ano de 2011 foi observada no município Pedro Laurentino; em 2012 no município de Passagem Franca do Piauí; 2013 no município de Flores do Piauí; 2014 no município de Cristino Castro e em 2015 no município de Santa Rosa do Piauí. Conclui-se que a hanseníase é uma doença grave, muitas vezes negligenciada, e que requer atenção especial por parte das autoridades de saúde pública.


Referências


Lastória JC, Abreu MAMM. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagn Tratamento. 2012;17(4):173-9.

Rodrigues LC, Lockwood DN. Leprosy now: epidemiology, progress, challenges, and research gaps. Lancet Infect Dis. 2011;11(6):464-70.

Martins MVPS, Silva TS. Saúde pública e hanseníase na cidade de Uberlândia. OBSERVATORIUM: Rev Eletr Geogr. 2011;3(7):38-52.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase. Diário Oficial da União. Brasília, DF; 15 out 2010. Seção 1, p. 55.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o controle de hanseníase. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2002.

Brasil. Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Em 10 anos, o número de casos novos da doença caiu 34%. [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2017. [citado em 2017 maio 27]. Disponível em: https://goo.gl/1zS5i2.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2016.

Pan American Health Organization; World Health Organization. 49th Directing Council: 61st Session of the Regional Committee. Washington, DC; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília, DF; 13 jun 2013. Seção 1, p. 59-62.

Barbosa DRM, Araújo AA, Damaceno JCF, Almeida MG, Santos AG. Perfil epidemiológico da hanseníase em cidade hiperendêmica do Maranhão, 2005-2012. Rev Acad Rede Cuid Saúde. 2014;8(1):1-13.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hanseníase: atividades de controle e manual de procedimentos. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2001.

Lima HM, Sauaia N, Costa VRL, Coelho Neto GT, Figueiredo PMS. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase atendidos em Centro de Saúde em São Luís, MA. Rev Bras Clin Med. 2010;8(4):323-7.

Miranzi SSC, Pereira LHMP, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(1):62-7.

Silva AR, Matos WB, Silva CCB, Gonçalves EGR. Hanseníase no município de Buriticupu, estado do Maranhão: busca ativa de casos na população adulta. Rev Soc Bras Med Trop. 2010;43(6):691-4.

Melão S, Blanco LFO, Mounzer N, Veronezi CCD, Simões PWTA. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase no extremo sul de Santa Catarina, no período de 2001 a 2007. Rev Soc Bras Med Trop. 2011;44(1):79-84.

Norman G, Joseph GA, Udayasuriyan P, Samuel P, Venugopal M. Leprosy case detec¬tion using schoolchildren. Lepr Rev. 2004;75(1):34-9.

Sarmento APA, Pereirão AM, Ribeiro F, Castro JL, Almeida MB, Ramos NM. Perfil epidemiológico da hanseníase no período de 2009 a 2013 no município de Montes Claros (MG), Rev Soc Bras Clin Med. 2015;13(3):180-4.

Brito KKG, Araújo DAL, Uchôa REMN, Ferreira JDL, Soares MJGO, Lima JO. Epidemiologia da hanseníase em um estado do Nordeste Brasileiro. Rev Enferm UFPE on line. 2014;8(8):2686-93.

Ribeiro Júnior AF, Vieira MA, Caldeira AP. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais, Rev Bras Clin Med. 2012;10(4):272-7.

Pereira EVE, Nogueira LT, Machado HAS, Lima LANL, Ramos CHM. Perfil epidemiológico da hanseníase no município de Teresina, no período de 2001 a 2008. An Bras Dermatol. 2011;86(2):235-40.

Pereira SVM, Bachion MM, Souza AGC, Vieira SMS. Avaliação da hanseníase: relato de experiência de acadêmicos de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2008;61(Esp):774-80.

Barcellos C, Bastos FI. Geoprocessamento, ambiente e saúde: uma união possível? Cad Saúde Públ. 1996;12(3):389-97.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .