FORÇA, FLEXIBILIDADE E ESPASTICIDADE DOS EXTENSORES DO JOELHO EM PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO

Amanda Gilvani Cordeiro Matias, Ana Lúcia Silva Correia, Felix Meira Tavares

Resumo


Introdução: Exercícios de força, flexibilidade e resistência, compilados na prática de musculação, têm a finalidade de manter e melhorar o condicionamento físico e também a estética corporal. Objetivo: Avaliar a relação da força e flexibilidade dos extensores de joelho em mulheres praticantes de musculação. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo transversal analítico, realizado em uma academia de ginástica em Vitória da Conquista, na Bahia. Utilizou-se um questionário sociodemográfico com perguntas pré-estruturadas sobre a temática do estudo. Foi aplicado o teste de força máxima-1-RM com as participantes na cadeira extensora, foi feita a mensuração da flexibilidade de quadríceps femoral através do flexímetro e aplicado o teste de Ely. Resultados: Participaram do estudo 30 mulheres, com idade de 20-35 anos, sendo que 50% delas era estudante. Foi encontrada correlação positiva, porém não significativa entre força e flexibilidade de quadríceps femoral no grupo avaliado. A avaliação da espasticidade do reto femoral, medido pelo teste de Ely, demonstrou-se positivo em (20) 66,67% das mulheres, sendo que 70% delas relataram não realizarem alongamento de quadríceps femoral. Conclusão: A espasticidade do reto femoral sinaliza possível relação com a ausência de alongamento de quadríceps pré-treino. Entretanto, não houve correlação significativa entre força e flexibilidade dos extensores de joelho nos praticantes de musculação nesta amostra. A prática de musculação não se apresentou significativa com flexibilidade e força de quadríceps femoral isoladamente nas mulheres avaliadas.


Referências


Shiromoto CE, Oliveira Filho A, Bertolini SMMG. Implicações da prática de exercícios resistidos sobre a flexibilidade. Rev Educ Fís. 2002;13(1):55-62.

Paulo AC, Ugrinowitsch C, Leite GS, Arsa G, Marchetti PH, Tricoli V. Efeito agudo dos exercícios de flexibilidade no desempenho de força máxima e resistência de força de membros inferiores e superiores. Motriz Rev Educ Fís. 2012;18(2):345-55.

Oliveira LV, Saad MC, Felício LR, Grossi DB. Análise da força muscular dos estabilizadores do quadril e joelho em indivíduos com Síndrome da Dor Femoropatelar. Fisioter Pesq. 2014;21(4):327-32.

Batista JS, Martins AD, Wibelinger LM. Avaliação da força muscular (torque muscular) de flexores e extensores de joelho de indivíduos jovens. EFDeportes.com. 2012;17(168):81-93.

Araújo CGS. Correlação entre métodos lineares e adimensionais de avaliação da mobilidade articular. Rev Bras Ciên e Mov. 2000;8(2):25-32.

Lima MA, Silva VF. Correlação entre a resistência de força e flexibilidade dos músculos posteriores de coxa de desportistas amadores de futebol de campo. Fit Perf J. 2006;5(6):376-82.

Cortes AA, Montenegro A, Agra AC, Ernesto C, Andrade Júnior MS. A influência do treinamento de força na flexibilidade. Rev Vida e Saúde. 2002;1(2):19-26.

Achour Junior A. Exercícios de alongamento: anatomia e fisiologia. 4. ed. São Paulo: Manole; 2002.

Di Alencar TAM, Matias KFS. Princípios fisiológicos do aquecimento e alongamento muscular na atividade esportiva. Rev Bras Med Esporte. 2010;16(3):230-4.

Badaro AFV, Silva AH, Beche D. Flexibilidade versus alongamento: esclarecendo as diferenças. Rev Cent Ciênc Saúde. 2007;33(1):32-6.

Cyrino ES, Oliveira AR, Leite JC. Porto DB, Dias RMR, Segatin AQ, et al. Comportamento da flexibilidade após 10 semanas de treinamento com pesos. Rev Bras Med Esporte. 2004;10(4):23-33.

Rodrigues CEC, Dantas EHM. Efeito do treinamento de força sobre a flexibilidade. Fit Perf J. 2002;1(2):29-41.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2013: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2014. [citado em 2017 out. 31]. Disponível em: https://goo.gl/JmUiAi

Raimundo AKS, Moreira D, Santana LA. Manual fotográfico de goniometria e fleximetria: incluindo teste de retração muscular. 2 ed rev e atualizada. Brasília, DF: Thesaurus; 2010.

Higajo N, Andrade DRE, Pereira MHN. Relação entre a flexibilidade e a força dos membros inferiores em voleibolistas de alto nível. Rev Bras Ciên e Mov. 1991;5(3):7-12.

Carvalho ACG, Paula KC, Azeredo TMC, Nóbrega ACL. Relação entre flexibilidade e força muscular em adultos jovens de ambos os sexos. Rev Bras Med Esporte. 1998;4(1):9-20.

Silva PH, Souza NTA, Muniz V, Dutra DSG. Influência do treinamento de força muscular na flexibilidade de alunos de uma academia de ginástica de Muriaé-MG. Revista Inspirar. 2009;1(3):34-45.

Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf; 2006.

McArdle WD, Katch FI, Katch VL. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 6 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.

Melegario SM, Simão R, Vale RGS, Batista LA, Novaes JS. A influência do ciclo menstrual na flexibilidade em praticantes de ginástica de academia. Rev Bras Med Esporte. 2006;12(3):18-31.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .