OFICINAS PROBLEMATIZADORAS PARA O CUIDADO DE DIABÉTICOS INSULINODEPENDENTES NA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE

Daniela Goncalves Godoy Moutinho, Maria Fernanda Petroli Frutuoso

Resumo


Introdução: A atenção primária à saúde é lócus de estratégias de cuidado aos diabéticos insulinodependentes, incluindo os grupos de educação em saúde, com vistas a fortalecer o autocuidado. Objetivo: Descrever e analisar oficinas problematizadoras para diabéticos insulinodependentes atendidos em uma Unidade Básica de Saúde inserida em território vulnerável. Materiais e método: Trata-se de pesquisa-intervenção com 14 diabéticos com média de idade de 62,5 anos. Foram organizados quatro encontros em formato de oficinas que se desdobraram a partir de temas geradores elencados nos primeiros encontros sobre as dificuldades do autocuidado. As transcrições dos encontros foram analisadas segundo técnica de análise de conteúdo. Resultados: As principais dificuldades no cuidado relatadas pelos diabéticos foram: a alimentação restritiva, a relação com os profissionais de saúde, a insulinoterapia e as questões socioeconômicas. As estratégias utilizadas foram roda de conversa e degustação de alimentos. As oficinas proporcionaram abertura à experimentação de sabores, como os edulcorantes, e aos diversos saberes, de modo que surgiram, no próprio grupo, formas de manejo para as dificuldades a partir do repertório dos participantes, do saber popular e do compartilhamento de estratégias de cuidado relacionadas ao território. Conclusões: A utilização de oficinas para o cuidado de indivíduos diabéticos pode tornar o processo educativo mais horizontalizado, usando da troca de saberes e do manejo do cuidado a partir dos contextos do grupo e dos problemas enfrentados no cotidiano do indivíduo, da família, da comunidade e do território. Acredita-se que a intervenção que utiliza o compartilhamento de saberes torna-se potencializadora do autocuidado.


Palavras-chave


Educação em saúde; diabetes mellitus; atenção primária à saúde; autocuidado; alimentação

Texto completo:

PDF

Referências


GBD 2015 Disease and Injury Incidence and Prevalece Collaborators. Global, regional and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 310 diseases and injures, 1990-2015: a systemic analisys for the Global Burden and Disease study 2015. The Lancet. 2016;388:1545-602.

GBD 2015 Mortality and Causes of Death Collaborators. Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980-2015: a systemic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015. The Lancet. 2016;388:1459-544.

Malta DC, Oliveira TP, Santos MAS, Andrade SSCA, Silva MMA. Avanços do Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil, 2011-2015. Epidemiol Serv Saude. 2016;25(2):373-90.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes mellitus. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2006 [citado em 2017 jul 24]. 56 p. Disponível em: https://goo.gl/aSgiWM

Sociedade Brasileira de Diabetes. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2013-2014 [Internet]. São Paulo: AC Farmacêutica; 2014 [citado em 2015 ago 20]. 382 p. Disponível em: https://goo.gl/jfjgo5

Freire P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 39ª ed. São Paulo: Paz e Terra; 2009. 146 p.

Freire P. Pedagogia do oprimido. 58ª ed. São Paulo: Paz e Terra; 2014. 253 p.

Gomes LB, Merhy EE. Compreendendo a educação popular em saúde : um estudo na literatura brasileira. Cad Saúde Pública. 2011;27(1):7-18.

Rocha ML; Aguiar KF. Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicol Ciênc Prof. 2003;23(4):64-73.

Passos E, Barros RB. A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. Psic Teor e Pesq [Internet]. 2000;16(1):71-9.

Novartis. Conhecendo o diabetes mellitus com o “Dr. Legalvus” [Internet]. São Paulo: Novartis; 2014 [citado em 2014 jul 29]. Vídeo: 9 min, 28 seg. Disponível em: https://youtu.be/IW4R9I6AG4Q

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Silva TR, Feldmam C, Lima MHA, Nobre MRC, Domingues RZL. Controle de diabetes mellitus e hipertensão arterial com grupos de intervenção educacional e terapêutica em seguimento ambulatorial de uma Unidade Básica de Saúde. Saúde e Soc. 2006;15(3): 180-9.

Ribeiro AG, Cotta RMM, Ribeiro SMR, Dias CMGC, Araújo RMA. Representações sociais de mulheres portadoras de hipertensão arterial sobre sua enfermidade: desatando os nós da lacuna da adesão ao tratamento na agenda da saúde da família. Physis. 2011;21(1):87-112.

Souza AC. Cartografias do cuidado de indivíduos com diabetes mellitus em situação de pobreza [Tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011.

Carbone ET, Rosal MC, Torres MI, Goins KV, Bermudez OI. Diabetes self-management: perspectives of Latino patients and their health care providers. Patient Educ Couns. 2007;66(2):202-10.

Zamzam S, Anoosheh M, Ahmadi F. Barriers to diabetes control from Syrian women’s perspectives. Jpn J Nurs Sci. 2013;10(1):121-9.

Souza CR, Zanetti ML. Administração de insulina: uma abordagem fundamental na educação em diabetes. Rev Esc Enferm USP. 2000;34(3):264-70.

Hayes RP, Bowman L, Monahan PO, Marrero DG, McHorney CA. Understanding diabetes medications from the perspective of patients with type 2 diabetes: prerequisite to medication concordance. Diabetes Educ. 2006;32(3):404-14.

Khan H, Lasker SS, Chowdhury TA. Prevalence and reasons for insulin refusal in Bangladeshi patients with poorly controlled type 2 diabetes in East London. Diabet Med. 2008;25(9):1108-11.

Sociedade Brasileira de Diabetes [Internet]. São Paulo: SBD; c2017 [atualizado em 2014 abr 29; citado em 2015 ago 20]. O teste de hemoglobina glicada (A1C): O que é e para que serve. Disponível em: https://goo.gl/nF8ugT

Ribas CRP, Santos MA, Zanetti ACG, Zanetti ML. Representações sociais de pacientes com diabetes mellitus sobre o atendimento por profissionais de saúde. Psico PUCRS. 2013;44(1):139-49.

Moreno DMFC, Visani I, Ruiz MRAR, Muller L, Bittencourt JC, Pelicioni AF. Avaliação das ações de promoção de saúde em hipertensão e diabetes em três unidades básicas de saúde no município de São Paulo. In: Caderno técnico CAEPS-DANT: capacitação em avaliação da efetividade das ações de promoção da saúde em doenças e agravos não transmissíveis. São Paulo: Prefeitura do Município de São Paulo; 2009. p. 23-5.

Adolfsson ET, Starrin B, Smide B, Wikblad K. Type 2 diabetic patients’ experiences of two different educational approaches – a qualitative study. Int J Nurs Stud. 2008;45(7):986-94.

Dias VP, Silveira DT, Witt RR. Educação em saúde: o trabalho de grupos em atenção primária. Rev APS. 2009;12(2):221-7.

Pimentel VRM, Sousa MF, Hamann EM, Mendonça AVM. Food and nutrition in the Family Health Strategy in five Brazilian cities. Cien Saude Colet. 2014;19(1):49-57.

Faria HX, Araujo MD. Uma perspectiva de análise sobre o processo de trabalho em saúde: produção do cuidado e produção de sujeitos. Saúde Soc. 2010;19(2):429-39.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol15n54.4830