CARACTERIZAÇÃO DAS GESTANTES DE ALTO RISCO ATENDIDAS EM UM CENTRO DE ATENDIMENTO À MULHER E O PAPEL DO ENFERMEIRO NESSE PERÍODO

Dandara Maria de Oliveira e Sousa, Francielly Andresa Garahi Sales, Joelson Henrique Martins de Oliveira, Aucely Corrêa Fernandes Chagas

Resumo


Introdução: Não é raro o aparecimento de agravos gestacionais que, junto de diversos fatores, podem resultarem uma gestação de curso negativo, oferecendo riscos para mãe e para feto. Objetivo: Descrever as característicasde mulheres atendidas no pré-natal de alto risco de um Centro de Atenção à Mulher (Ceam), bem comodiscutir o papel do profissional de enfermagem nesse tipo de assistência. Métodos: Pesquisa exploratóriade abordagem descritiva e quantitativa, desenvolvida de forma prospectiva com questionário aplicado a 23gestantes entre abril e maio de 2015. Análise feita em números e frequências absolutas e relativas por meio doWindows Microsoft Excel, com disposição de dados em gráficos e tabelas de estatística simples. Resultados:Entre as gestantes entrevistadas, 47,8% tinham idade entre 31 e 40 anos, 69,5% delas estavam entre a 25ªe a 32ª semanas de gestação ou mais, 91,3% apresentaram menarca entre 10 e 15 anos, 56,5% referirammenstruação em quantidade média, 65,2% citaram entre 1 e 3 doenças importantes na história familiar, 78,3%apresentaram entre 1 e 3 fatores de risco em sua história clínica, 4% informaram ter comparecido a mais que9 consultas de pré-natal e 57% tiveram entre 1 e 2 gestações anteriores. Conclusão: O Ceam atende mulheresem sua maioria próximas ou já em idade considerada de risco gestacional, dependentes de seus cônjuges oufamiliares, com grau de instrução que não ultrapassa o ensino médio e com fatores de risco tanto na famíliaquanto na própria história clínica, o que pode contribuir imensamente para repercussões gestacionais negativas.

Referências


- RICCI, S.S. Enfermagem Materno-Neonatal e Saúde da Mulher, 1. ed. Guanabara Koogan, 2008.

- BRASIL. Manual Técnico da Gestação de Alto Risco. 5 ed. Brasília – DF. Ministério da Saúde, 2010.

- Caldeyro-Barcia, R et al. Freqüência Cardíaca y equilíbrio acido base Del feto. Montevideo: Centro Latinoamericano Perinatologia y Desarrollo Humano, 1973 (Publicacion Cientifica Del CLAP, n.519).

- BRASIL. Manual Técnico da Gestação de Alto Risco. 5. ed. Brasília – DF. Ministério da Saúde, 2012.

- BRANDEN, P. S. Enfermagem Materno Infantil. 2 ed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, 2000.

- BRASIL. Manual Técnico de Pré-Natal e Puerpério – Atenção Qualificada e Humanizada. 3 ed. Brasília – DF. Ministério da Saúde, 2006.

- Rowe T. Fertility and a woman’s age. J Reprod Med. 2006; 51(3):157-63.

- Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Ausência ou Irregularidade de Menstruação. Disponível em: http://www.endocrino.org.br/ausencia-ou-irregularidade-de-menstruacao/

- Santos, LMP, Pereira, MZ. Efeito da fortificação com ácido fólico na redução dos defeitos do tubo neural. Caderno de Súde Pública. 2007; 23(1):17-24.

- Costa, MC, Demarch, EB, Azulay, DR et al. Doenças Sexualmente Transmissíveis na gestação: uma síntese de particularidades. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2010. 86(6).

- Leopércio, W, Gigliotti, A. Tabagismo e suas peculiaridades durante a gestação: uma revisão crítica. Jornal Brasileiro de Pneumologia. 2004. Vol 3. N 8.

- Brasil. Manual Técnido de Assistência Pré-Natal. Brasília: Secretaria de Políticas de Saúde. Ministério da Saúde, 2000.

- Spindola, T, Penna, LHG, Progianti, JM. Perfil epidemiológico de mulheres atendidas na consulta do pré-natal de um hospital universitário. Revista Escola de Enfermagem USP. 2006; 40(3):381-8.

- Brasil. Manual Técnico de Gestação de Alto Risco. 3 ed. Brasília – DF. Ministério da Saúde, 2000.

- Nogueira, LCL. Gerenciamento pela qualidade total na saúde. Belo Horizonte – MG: Fundação Christiano Ottoni; 1996.

- Batista, CSD, Souza DF. Avaliação em enfermagem: uma análise dos registros dos cuidados prestados à gestante de alto risco. Associação Brasileira de Enfermagem Obstétrica. Belo Horizonte – MG, 2006.

- Zampieri, MFM. Vivenciando o processo educativo em enfermagem com gestantes de alto risco e seus acompanhantes. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2001; 22 (1):140-166.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .