DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: UMA REVISAO INTEGRATIVA

CAMILA PAIVA MARTINS, MARIA Girlane Sousa Albuquerque Brandão, MARIA THAYANE JORGE FREIRE, KEILA MARIA DE AZEVEDO PONTE MARQUES

Resumo


Introdução: a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é caracterizada como um ambiente de internação para pacientes em estado crítico de saúde e que necessitam de atenção especializada e contínua. A identificação de um conjunto de Diagnósticos de Enfermagem pode direcionar a assistência de Enfermagem a pacientes internados em UTI, fornecendo subsídios para a elaboração do plano de cuidados individualizado. Objetivo: conhecer os Diagnósticos de Enfermagem presentes em pacientes hospitalizados em Unidades de Terapia Intensiva a partir da produção científica brasileira. Métodos: Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, de epistem qualitativa, do tipo revisão integrativa, considerando os materiais disponíveis nas bases de dados bibliográficos da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): LILACS, BDENF-Enfermagem e MEDLINE. Com base na pergunta norteadora “Quais Diagnósticos de Enfermagem podem ser evidenciados em Unidades de Terapia Intensiva?” foi efetivada a consulta no mês de setembro de 2017, a partir da palavra-chave unidades de terapia intensiva, no intervalo temporal de 2012 a 2016. Resultados: a pesquisa obteve como resultado 11 artigos, evidenciando que o Risco de Infecção foi o diagnóstico comum a todos os pacientes. Risco de Desequilíbrio do Volume de Líquido e Risco de Débito Cardíaco diminuído foram os diagnósticos que permaneceram durante um período maior de internação. Conclusões: A formação adequada do enfermeiro é necessária para que este possa reconhecer e planejar ações que possam abranger valores culturais, históricos e sociais, somados aos aspectos emocionais e espirituais que permeiam o indivíduo enfermo.

Palavras-chave


Unidades de Terapia Intensiva, Diagnóstico de Enfermagem, Cuidados de Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


Paes GO, Mesquita MGR, Moreira SO, Monteiro ABF. Fundamentação das práticas de cuidar frente ao paciente crítico. In: Silva RS, Bittencourt IS, Paixão GPN. Enfermagem avançada: um guia para a prática. Salvador: SANAR; 2016. P. 467- 85.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem (RJ). Resolução COFEN N. 358/2009, de 15 de outubro de 2009: Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem. Brasília: COFEN; 2009.

Bispo MM, Dantas ALM, Silva PKA, Fernandes MIC, Tinôco JDS, Lira ALBC. Diagnóstico de enfermagem risco de aspiração em pacientes críticos. Esc. Anna Nery. Vol.20 no.2 Rio de Janeiro Abr./Jun 2016

Ramos GS, Santana LC, Ferreira PHC, et al. Diagnósticos de enfermagem documentados em prontuários de pacientes em Unidade de Terapia Intensiva. R. Enferm. Cent. O. Min. 2013 mai/ago; 3(2):679-686.

Soares CB, Hoga LAK, Peduzzi M, Sangaleti C, Yonekura T, Silva DRAD. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Rev Esc Enferm USP 2014; 48(2):335-45.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Integrative review: what is it? how to do it? Einstein (São Paulo). Vol.8. nº1. Jan/Mar. 2010.

Sakano LM, Yoshitome AY. [Diagnosis and nursing interventions on elderly inpatients]. Acta Paul Enferm [Internet]. 2007[cited 2017 Dec 26];20(4):495-8. Available from: http://www.scielo.br/pdf/ape/v20n4/17.pdf

Schallom M, Dykeman B, Metheny N, Kirby J, Pierce J. Head-of-bed elevation and early outcomes of gastric reflux, aspiration and pressure ulcers: a feasibility study. Am. J. Crit. Care. 2015 Jan;24(1):57-65.

Guedes DMB, Rossato LM, Oliveira EA. Diagnósticos de enfermagem mais frequentes em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev Enferm UFSM. 2015;5(3):476-85. doi: 10.5902/2179769216471.

Chianca TCM, Lima AAPS, Salgado PO. Diagnósticos de enfermagem identificados em pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva Adulto. Rev. Esc. Enferm. USP. 2012 set/out; 46(5):1102-08.

Pivoto FL, Lunardi Filho WD, Santos SSC, Almeida MA, Silveira RS. Diagnósticos de enfermagem em pacientes no período pós-operatório de cirurgias cardíacas. Acta Paul Enferm [Internet]. 2010[cited 2017 Dec 26];23(5):665-70. Available from: http://www.scielo.br/pdf/ape/v23n5/13.pdf

Cavalcanti ACD, Pereira JMV, Santos ROM, Vieira GCA, Santana RF, Correia DMS et al. Estudio de observación de validación clínica del diagnóstico de enfermería ansiedad en pacientes con insuficiencia cardiaca crónica. Enferm Glob [Internet]. 2013.

Bertoncello KCG, Cavalcanti CDK, Ilha P. Diagnósticos reais e proposta de intervenções de enfermagem para os pacientes vítimas de múltiplos traumas. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2013 out/dez;15(4):905-14.

Ferreira AM, Rocha EN, Lopes CT, Bachion MM, Lopes JL, Barros ALBL. Nursing diagnoses in intensive care: cross-mapping and NANDA-I taxonomy. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016;69(2):285-93.

Bertuzzi D, Souza EN, Moraes MA, Mussi C, Rabelo ER. The knowledge of patients with heart failure in the homecare context: an experimental study. Online braz j nurs [periodic online]. 2012 Dec [cited 2017 dec 16]; 11 (3): 572-82. Available from: http://www.objnursing.uff.br/index.php/ nursing/article/view/3736.

Lucena AF, Gutiérrez MGR, Echer IC, Barros ALBL. Intervenções de enfermagem utilizadas na prática clínica de uma uni¬dade de terapia intensiva. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2010.

Truppel TC, et al. Prática assistencial de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva sustentada no referencial teórico de Horta. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, CE, v.9, n. 3, p. 116-24, 2008.

Dutra HE, Jesus MCP, Pinto LMC, Farah BF. Utilização do processo de enfermagem em unidade de terapia intensiva: revisão integrativa da literatura. HU Revista, Juiz de Fora, v. 42, n. 4, p. 245-252, nov./dez. 2016

Silva JÁ, Grossi ACM. Haddad MCL, Marcon SS. Avaliação da qualidade das anotações de enfermagem em unidade semiintensiva. Esc. Anna Nery. 2012; 16 (3): 576-581.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n57.5124