ESTRATÉGIAS UTILIZADAS POR ENFERMEIROS PARA MINIMIZAR A ASSIMETRIA NA COMUNICAÇÃO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Fernanda da Mata Vasconcelos Silva, Laís Bezerra da Silva, Josa Conegundes de Oliveira Júnior, Adriana dos Santos Alves, Talitha Micaella Lino de Oliveira

Resumo


Objetivo: Investigar como a comunicação acontece em UTI e as estratégias utilizadas para minimizar as assimetrias na terapêutica. Método: Revisão integrativa da literatura realizada em julho de 2017 nas bases de dados da LILACS, MEDLINE e BDEnf por meio dos cruzamentos dos descritores “Comunicação”, “Relações Enfermeiro-Paciente”, “Unidade de Terapia Intensiva” e “Enfermagem” para responder a questão norteadora: “Quais as estratégias utilizadas na unidade de terapia intensiva para minimizar as assimetrias na comunicação terapêutica?”. Definiram-se os critérios de inclusão: ser artigo original, nos idiomas inglês, português e espanhol e estar disponível na íntegra. Foram utilizados os critérios de exclusão: teses, dissertações, monografias, editoriais e artigos de revisão. Resultados: A amostra final foi constituída de cinco artigos. Emergiu da análise de conteúdo a modalidade temática "Comunicação Terapêutica em UTI ", e dois tópicos articulados com o tema central: I – Assimetrias na Comunicação Terapêutica em UTI; e II – Estratégias para minimizar as assimetrias no processo de comunicação; Conclusão: Os enfermeiros muitas vezes se sentiram limitados em sua capacidade de se comunicar com pacientes e famílias.


Palavras-chave


Comunicação; Relações Enfermeiro-Paciente; Unidade de Terapia Intensiva; Enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. World alliance for patient safety: forward programme 2006-2007.Geneva; 2006 [acesso em 11 jul 2017]. Disponível em: http://www.who.int/patientsafety/en.

Silva GF, Sanches PG. Refletindo sobre o cuidado de enfermagem em unidade de terapia intensiva. 2007; 11(1): 94-98

Paula VG, Santiago LC. Conflitos nos relacionamentos interpessoais decorrentes de fatores que dificultam a comunicação enfermeiro. Rev. pesq. cuid. fundam.2012; 4(3): 2312-2317.

McCullough J, Schell-Chaple H.Maintaining patients' privacy and confidentiality with family communications in the intensive care unit. Crit Care Nurse.2013; 33(5): 77-79.

Reis LS, Silva et al. Percepção da equipe de enfermagem sobre humanização em unidade de tratamento intensivo neonatal e pediátrica. Rev. Gaúcha Enferm. 2013; 34 (2): 118-124.

Rosa CMR, Fontana RT. A percepção de técnicos em enfermagem de uma unidade de terapia intensiva sobre a humanização no seu trabalho. Ciênc Cuid Saúde. 2010;9(4):752-9

Fittipaldi A, Silva C. Percepções e enfrentamentos do graduando de enfermagem no cuidado ao cliente necessitado de tecnologias duras e em processo de morte e morrer em uti. Rev PesquiCuid Fundam.2009; 1(1): 1-25.

Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto contexto - enferm. 2008; 17(4):758-764.

Slatore CG et al. Communication by nurses in the intensive care unit: qualitative analysis of domains of patient-centered care. Am J Crit Care.2012; 21(6): 410-8.

Gutierrez KM. Experiences and needs of families regarding prognostic communication in an intensive care unit: supporting families at the end of life. Crit Care Nurs Q.2012; 35(3): 299-313.

Carmo AFS et al. O cuidado e a comunicação: interação entre enfermeiros e familiares de usuários em uma unidade de terapia intensiva adulto. Rev. pesqui. cuid. fundam.2012; 4(3): 2730-2743.

Brasil. Ministério da Saúde. ANVISA. Portaria n.º 529, de 1 de abril de 2013. Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Diário Oficial da União 02 abr 2013;Seção1.

Maestri E, Nascimento ERP, Bertoncello KCG, Martins JJ. Avaliação das estratégias de acolhimento na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. esc. enferm. USP. 2012; 46( 1 ): 75-81.




DOI: http://dx.doi.org/10.13037/ras.vol16n57.5258