Ocorrência clínica de interações medicamentosas em prescrições de pacientes com suspeita de reação adversa internados em um hospital no interior da Bahia

Suéllyn dos Santos Gonçalves, Hosana Maria Santos Rodrigues, Inocêncio Silva de Jesus, Jose Ailton Oliveira Carneiro, Gisele da Silveira Lemos

Resumo


As interações medicamentosas constituem um dos graves problemas de saúde pública e estão relacionadas a internações hospitalares e aumento de gastos com médicos. O objetivo deste trabalho foi avaliar a ocorrência clínica de interações medicamentosas em pacientes com suspeita de reações adversas internados em um hospital. Realizou-se um estudo de segmento com acompanhamento prospectivo não concorrente de 31 prontuários. Para análise, foram utilizados o banco de dados Micromedex® e as classificações ATC e CID10. Observou-se que 61,3% dos pacientes eram do sexo masculino com média de idade de 56±23,8 anos. Foram analisadas 858 prescrições, sendo encontradas 1507 interações medicamentosas, das quais 35% de gravidade maior e 33% de gravidade moderada. Do total de interações medicamentosas, 53% puderam ser observadas clinicamente – dessas, 11,08% causaram reações adversas. Para verificar a associação entre ocorrência de interações medicamentosas e os fatores sexo, idade e número de medicamentos prescritos, foi utilizada técnica de regressão logística binária e calculado odds ratio, com intervalos de confiança de 95% (IC 95%). Pela análise dos resultados, pôde-se concluir que o número de medicamentos, a idade e o sexo estão diretamente associados à ocorrência de interações medicamentosas; conhecendo essas variáveis, podem-se minimizar os danos e riscos à saúde.

 


Palavras-chave


prescrições; interações de medicamentos; pacientes internados

Texto completo:

PDF

Referências


Rosholm JU, Bjerrum L, Hallas J, Worm J, Gram LF. Polypharmacy and the risk of drug-drug interactions among danish elderly: a prescription database study. Dan Med Bull. 1998;45(2):210-3.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário terapêutico nacional. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

Jankel CA, Speedie SM. Detecting drug interactions: a review of the literature. DICP. 1990;24(10):982-9.

Moura C, Acurcio F, Belo N. Drug-drug interactions associated with length of stay and cost of hospitalization. J Pharm Pharm Sci. 2009;31(5):309-16.

Raschetti R, Morgutti M, Menniti-Ippolito F, Belisari A, Rossignoli A, Longhini P, La Guidara C. Suspected adverse drug events requiring emergency department visits or hospital admissions. Eur J Clin Pharmacol. 1999;54(12):959-63.

Köhler GI, Bode-Böger SM, Busse R, Hoopmann M, Welte T, Böger RH. Drug-drug interactions in medical patients: effects of in-hospital treatment and relation to multiple drug use. Int J Clin Pharmacol Ther. 2000;38(11):504-13.

Gholami K, Shalviri G. Factors associated with preventability, predictability and severity of adverse drug reactions. Ann Pharmacother. 1999;33(2):236-40.

Secoli SR. Interações medicamentosas: fundamentos para a prática clínica da enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2001;35(1):28-34.

Nies AS. Princípios da terapêutica. In: Hardman JG, Limbird LE, editores. Goodman & Gilman: as bases farmacológicas da terapêutica. 10ª ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill; 2003. p. 31-44.

Domínguez A. Errores en la medicación: función del farmacêutico. Rev Farm Cuba. 2005;39(2):1-10.

Lyra Júnior DP, Kheir N, Abriata JP, Rocha CE, Santos CB, Pelá IR. Impact of pharmaceutical care interventions in the identification and resolution of drug-related problems and on quality of life in a group of elderly outpatients in Ribeirão Preto (SP), Brazil. Ther Clin Risk Manag. 2007;3(6):989-98.

Néri E. Determinação do perfil dos erros de prescrição de medicamentos em um hospital universitário [dissertação de mestrado]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2004.

Micromedex® Healthcare Series 2.0 [base de dados na internet]. Greenwood Village: Thomson Healthcare. Atualizado periodicamente.

Organização Mundial da Saúde. CID-10: classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde. 9ª ed. rev. São Paulo: Edusp; 2003.

World Health Organization. Collaborating Centre for Drug Statistics Methodology, Guidelines for ATC classification and DDD assignment 2013. Oslo: WHO; 2012.

Malone DC, Abarca J, Hansten PD, Grizze AJ, Armstrong EP, Van Bergen RC et al. Identifications of serious drug-drug interactions: results of the partnership to prevent drug-drug interactions. J Am Pharm Assoc. 2004;44(2):142-51.

Araujo TG, Rieder MM, Kutchak FM, Franco Filho JW. Readmissões e óbitos após a alta da UTI: um desafio da terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2013;25(1):32-8.

Melo DO. Avaliação das interações potenciais para pacientes internados na clínica médica do hospital universitário da USP visando à elaboração de instrumento para identificação de eventos adversos a medicamentos evitáveis [tese de doutorado]. São Paulo: Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo; 2010.

Silva MCM, Sousa RMC, Padilha KG. Fatores associados ao óbito e à readmissão em unidade de terapia intensiva. Rev Lat Am Enfermagem. jul-ago 2011;19(4):[9telas].

Rossignoli OS, Guarido CF, Cestari IM. Ocorrência de interações medicamentosas em unidade de terapia intensiva: avaliação de prescrições médicas. Rev Bras Farm. 2006;87(4): 104-7.

Hammes JA, Pfuetzenreiter F, Silveira F, Koenig A, Westpha GA. Prevalência de potenciais interações medicamentosas droga-droga em unidades de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2008;20(4):349-54.

Lima REF. Interações medicamentosas potenciais em pacientes de unidade de terapia intensiva de um hospital universitário do Ceará [dissertação de mestrado]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2007.

Pincelli MP, Grumann ACB, Fernandes C, Cavalheiro AGC, Haussen DAP, Maia IS. Características de pacientes com DPOC internados em UTI de um hospital de referência para doenças respiratórias no Brasil. J Bras Pneumol. 2011;37(2):217-22.

Rama M, Viswanathan G, Acharya LD, Attur RP, Reddy PN, Raghavan SV. Assessment of drug-drug interactions among renal failure patients of nephrology ward in a south indian tertiary care hospital. Indian J Pharm Sci. 2012;74(1):63-8.

Reis AM, Cassiani SH. Adverse drug events in an intensive care unit of a university hospital. Eur J Clin Pharmacol. 2011;67(6):625-32.

Marquito AB, Fernandes NMS, Colugnatiz FAB, Paula RB. Interações medicamentosas potenciais em pacientes com doença renal crônica. J Bras Nefrol. 2014;36(1):26-34.

Devlin JW, Roberts RJ. Pharmacology of commonly used analgesics and sedatives in the ICU: benzodiazepines, propofol, and opioids. Crit Care Clin. 2009;25(3):431-49.

Reis AMM. Fatores associados às interações medicamentosas potenciais e aos eventos adversos a medicamentos em uma unidade de terapia intensiva [tese]. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo; 2009.

Lopez RF, Couce PM, Calvo FJ, Castro-Gaco M. Drug-induced extra-pyramidal syndrome. Q J Med. 1986;59(230):549-56.

Goldberg RM, Mabee J, Chan L, Wong S. Drug-drug and drug-disease interactions in the ED: analysis of a high-risk population. Am J Emerg Med. 1996;14(5):447-50.

Locatelli J. Interações medicamentosas em idosos hospitalizados. Einstein. 2007;5(4):343-6.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol14n48.3088

Indexadores: