EVENTOS ADVERSOS E QUEIXAS TÉCNICAS NOTIFICADOS A UM NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol17n62.6184

Palavras-chave:

SAÚDE COLETIVA

Resumo

Introdução: As notificações de eventos adversos (EA) e queixas técnicas (QT) são importantes ferramentas na garantia da qualidade assistencial. Objetivo: Avaliar as notificações de EA e QT realizadas ao núcleo de segurança do paciente (NSP) de um hospital público de ensino. Materiais e Métodos: Estudo transversal, realizado em um hospital de ensino, referência regional para 26 municípios do Sudoeste da Bahia. Foram coletadas todas as notificações de EA e QT recebidas pelo NSP referentes aos anos 2016 e 2017. A tabulação e análise dos dados foi realizada com auxílio do software EpiData (3.1) e SPSS (25.0). Foi adotado um nível de significância estatística de p < 0.05. Resultados: Observou-se que 91,8% das notificações corresponderam a EA e 8,2% a QT. Pacientes do sexo masculino estiveram mais envolvidos em EA (60,8%). Dentre os EA a lesão por pressão foi o mais notificado (38,2%). A Unidade de Terapia Intensiva e os profissionais de enfermagem foram a unidade e categoria profissional que mais notificaram (37,4 e 61,4%, respectivamente). O tempo gasto entre o incidente ou EA e a sua notificação estiveram estatisticamente associados ao tipo de EA e evolução do paciente. Conclusão: A avaliação das notificações encaminhadas ao NSP no período estudado reforçaram a necessidade de se empreender medidas que melhorem a cultura e os cuidados referentes a segurança do paciente na instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

MARISTELA ANJOS RIBAS, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA

Ensino Médio (2o grau) pelo Colégio Estadual Nercy Antônio Duarte, Brasil(2011)

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS. ÁREA DE FARMÁCIA.

PAULO HENRIQUE RIBEIRO FERNANDES ALMEIDA, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Mestrado em Medicamentos e Assistência Farmacêutica pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil(2017)
Doutorando da Universidade Federal de Minas Gerais , Brasil

FACULDADE DE FARMÁCIA. DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA SOCIAL.

GILMARA ARAÚJO CHAVES, SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JEQUIÉ

Especialização em Saúde Pública pelo Instituto Brasileiro de Pós Graduação e Extensão, Brasil(2005)
Sanitarista do DIRETORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL , BrasilSECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE JEQUIÉ

Gisele da Silveira Lemos, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA

Doutorado em Pós Graduação Medicamentos e Assistência Farmacêut pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil(2019)
Coordenadora Grupo PET Interprofissionalidade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia , Brasil

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS. ÁREA DE FARMÁCIA.

Referências

Makary MA, Daniel M. Medical error-the third leading cause of death in the US. British Medical Journal. 2016; 3(353): i2139.

Couto RC, Pedrosa TMG, Roberto BAD, Daibert PB. Anuário da segurança assistencial hospitalar no Brasil. Instituto de Estudos de Saúde Suplementar. Belo Horizonte: UFMG; 2017.

Hamilton JD, Gibberd RW, Harrison BT. After the Quality in Australian Health Care Study, what happened? The Medical Journal of Australia. 2014; 201(1): 22-26.

Oliveira CG, Rodas ACD. Tecnovigilância no Brasil: panorama das notificações de eventos adversos e queixas técnicas de cateteres vasculares. Ciência e Saúde Coletiva. 2017; 22(10): 3247-3257.

Siman AG, Cunha SGS, Brito MJM. A prática de notificação de eventos adversos em um hospital de ensino. Revista da Escola de Enfermagem da USP. 2017; 51: e03243.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Gestão de riscos e investigação de eventos adversos relacionados à assistência à saúde. 1º Ed. Brasília (DF); 2017.

Ministério da Saúde (BR). Resolução de Diretoria Colegiada – RDC nº 36, de 25 de Jul. de 2013. Institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências. Brasília (DF); 2013.

Maia CS, Freitas DRC, Gallo LG, Araújo WN. Notificações de eventos adversos relacionados com a assistência à saúde que levaram a óbitos no Brasil, 2014-2016. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2018; 27(2): e2017320.

Lanzillotti LS, Andrade CLT, Mendes W, Seta MH. Eventos adversos e incidentes sem dano em recém-nascidos notificados no Brasil, nos anos 2007 a 2013. Cadernos de Saúde Pública. 2016; 32(9): e00100415.

Marinho MM, Radünz V, Rosa LM, Tourinho FSV, Ilha P, Misiak M. Resultados de intervenções educativas sobre segurança do paciente na notificação de erros e eventos adversos. Revista Baiana de Enfermagem. 2018; 32: e25510.

Duarte SCM, Stipp MAC, Silva MM, Oliveira FT. Eventos adversos e segurança na assistência de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem. 2015; 68(1):144-154.

Gil RB, Chaves LDP, Laus AM. Gerenciamento de recursos materiais com enfoque na queixa técnica. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2015; 17(1):100-7.

Gonçalves SS, Rodrigues HMS, De Jesus IS, Carneiro JAO, Lemos GS. Ocorrência clínica de interações medicamentosas em prescrições de pacientes com suspeita de reação adversa internados em um hospital no interior da Bahia. Rev Aten Saúde. 2016;14(48):32-39.

Serafim CTR, Dell’Aqua MCQ, Castro MCN, Spiri WC, Nunes HRC. Gravidade e carga de trabalho relacionadas a eventos adversos em UTI. Revista Brasileira de Enfermagem 2017; 70(5):993-9.

Silva-Batalha EMS, Melleiro MM. Cultura de segurança do paciente em um hospital de ensino: diferenças de percepção existentes nos diferentes cenários dessa instituição. Texto Contexto - Enfermagem. 2015; 24(2): 432-441.

Paranaguá TTB, Bezerra QP, Queiroz AL, Silva BC, Azevedo AEF, Sousa FMG et al. Incidentes: instrumento de gerenciamento da assistência para a segurança do paciente em pronto socorro. Revista Enfermeria Global. 2014; (34):219-229.

Nascimento DC, Ferreira GAS, Silva JML, Pioli MT, Decio MRM. Registro de lesão por pressão: O que é abordado? Revista do Hospital Universitário Pedro Ernesto. 2017; 15(4): 343-348.

Vasconcelos JMB, Caliri MHL. Ações de enfermagem antes e após um protocolo de prevenção de lesões por pressão em terapia intensiva. Escola Anna Nery. 2017; 21(1): e20170001.

Teixeira AKS, Nascimento TS, Sousa ITL, Sampaio LRL, Pinheiro ARM. Incidência de lesões por pressão em Unidade de Terapia Intensiva em hospital com acreditação. Revista Estima. 2017; 15(3): 152-160.

Tirgari B, Mirshekari L, Forouzi MA. Pressure Injury Prevention: Knowledge and Attitudes of Iranian Intensive Care Nurses. Advances in Skin & Wound Care. 2018; 31(4): 01-08.

Raimundo EA, Dias CN, Guerra M. Logística de medicamentos e materiais em um hospital público do Distrito Federal. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde. 2015; 12(2): 61-69.

Magarinos-Torres R, Pagnoncelli D, Cruz Filho AD, Osorio-de-Castro CGS. Vivenciando a seleção de medicamentos em hospital de ensino. Revista Brasileira de Educação Médica. 2011; 35(1), 77-85.

Pal SN, Duncombe C, Falzon D, Olsson S. WHO strategy for collecting safety data in public health programmes: complementing spontaneous reporting systems. Drug safety. 2013; 36(2): 75-81.

Martins M, Travassos C, Mendes W, Pavão AL. Hospital deaths and adverse events in Brazil. BMC Health Services Research. 2011; 19(11): 01-08.

Porto S, Martins M, Mendes W, Travassos C. A magnitude financeira dos eventos adversos em hospitais no Brasil. Revista Portuguesa de Saúde Pública. 2010; temat(10): 74-80.

Roque KE, Tonini T, Melo ECP. Eventos adversos na unidade de terapia intensiva: impacto na mortalidade e no tempo de internação em um estudo prospectivo. Cadernos de Saúde Pública. 2016; 32(10): e00081815.

Capucho HC; Arnas ER, Cassiani SHB. Segurança do paciente: comparação entre notificações voluntárias manuscritas e informatizadas sobre incidentes em saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2013; 34(1): 164-172.

Ferezin TPM, Ramos D, Caldana G, Gabriel CS, Bernardes A. Análise da notificação de eventos adversos em hospitais acreditados. Cogitare Enfermagem. 2017; 22(2): e49644.

Souza VS, Kawamoto AM, Oliveira LC, Tonini NS, Fernandes LM, Nicola AL. Erros e eventos adversos: a interface com a cultura de segurança dos profissionais de saúde. Cogitare Enfermagem. 2015; 20(3): 475-482.

Moreira IA, Bezerra ALQ, Paranaguá TTB, Silva AEBC, Azevedo FMF. Conhecimento dos profissionais de saúde sobre eventos adversos em unidade de terapia intensiva. Revista de Enfermagem da UERJ. 2015; 23(4):461-467.

Oliveira APB, Oliveira ECS, Oliveira RC. Notificações da Gerência de Risco e sua contribuição para a Segurança do Paciente. Cogitare Enfermagem. 2016; 21(4): 01-08.

Downloads

Publicado

21-01-2020

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)