EFEITO DO MATERIAL DE EMBALAGEM NA TEMPERATURA DE CONSUMO DE DIETAS HOSPITALARES EFFECT OF PACKING MATHERIAL TEMPERATURA AT THE HOSPITALS DIET FOODS

Késia Diego Quintaes, Eduardo Alves

Resumo


O objetivo deste trabalho é avaliar o comportamento da temperatura de dieta hospitalar ao longo do tempo,
em função do material do recipiente no qual ela é acondicionada e transportada ao paciente. Uma embalagem
de alumínio e outra de polipropileno foram testadas, recebendo cada uma a mesma quantidade de alimentos.
Dois termômetros digitais novos foram usados para mensurar simultaneamente a temperatura do feijão nos
seguintes tempos: na cuba de porcionamento, logo após o porcionamento, ao chegar ao leito e, a partir daí, a
cada cinco minutos. A leitura foi efetuada após um minuto de imersão do termômetro no centro geométrico
do alimento. Os dados foram avaliados estatisticamente por correlação linear simples, análise de variância
(ANOVA) e teste de Tukey. Foi notada forte tendência à redução na temperatura do feijão acondicionado em
ambos os materiais. O feijão contido na embalagem de alumínio apresentou sempre menor temperatura em
relação ao mantido na embalagem de polipropileno, sendo que a diferença na temperatura chegou a ser de
6,1ºC depois de 20 minutos de exposição ao ambiente da enfermaria. Ao final do experimento, a temperatura
do feijão era de 33,1ºC e 39ºC, na embalagem de alumínio e de polipropileno, respectivamente. O polipropileno
se mostrou mais adequado à manutenção da temperatura da dieta em relação ao alumínio. É mais indicado
que a dieta servida ao paciente seja acondicionada em embalagens de polipropileno, visando a manutenção da
temperatura da dieta durante seu consumo.

Palavras-chave


consumo alimentar, avaliação sensorial, nutrição, dietoterapia, gastronomia, administração hospitalar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13037/rbcs.vol4n8.429

Indexadores: