INFLUÊNCIA DO BIOFEEDBACK EM PACIENTES COM SEQUELA DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

Autores

  • Tatiana dos Anjos Pimentel Centro Universitário de Barra Mansa
  • Bruna Carla Pereira da Silva Centro Universitário de Barra Mansa
  • Cláudia Kelly Vieira Silva Centro Universitário de Barra Mansa
  • Juliana de Oliveira Souza Centro Universitário de Barra Mansa
  • Priscila de Oliveira Januário Centro Universitário de Barra Mansa
  • Ariela Torres Cruz Centro Universitário de Barra Mansa

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n53.4461

Palavras-chave:

Stroke, biofeedback, muscle spasticity, paresis

Resumo

Introdução: O acidente vascular cerebral (AVC) é considerado o principal comprometimento neurológico que causa incapacidade funcional em adultos. Várias técnicas de reabilitação, como o treinamento de Biofeedback, vêm sendo inseridas às modalidades terapêuticas para estimular as funções motoras desses pacientes. Objetivos: Avaliar o efeito do Biofeedback em pacientes com sequela de AVC. Materiais e métodos: Estudo clínico randomizado, duplo-cego com amostra de 16 indivíduos divididos em dois grupos: experimental (GE) e controle (GC). Os participantes do GE foram submetidos a 16 atendimentos, 2 vezes por semana, utilizando-se o Biofeedback e avaliados através da goniometria para mensurar a amplitude de movimento (ADM) de flexão e extensão de punho antes, depois e um mês após o término do tratamento. Os participantes do GC foram avaliados nos mesmos momentos. Resultados: Verificou-se que no GE houve um aumento da ADM de extensão de punho logo depois (p=0,0151) e um mês após o término do tratamento (p=0,0227), sendo que não houve resultado estatisticamente significativo para a análise do movimento de flexão do GE e GC. Ao comparar os grupos, observou-se que não houve diferença entre eles. Conclusões: O tratamento proposto se mostrou eficaz para o aumento da ADM de extensão de punho dos participantes do GE, porém, estatisticamente não houve diferença entre os grupos analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Correia ACZ, Silva JDS, Silva LVC, Oliveira DA, Cabral ED. Crioterapia e cinesioterapia no membro superior espástico no acidente vascular cerebral. Fisioter Mov. 2010;23(4):555-63.

Resende JSF, Brito JI, Sá ACAM. Medo de quedas em pacientes hemiparéticos pós-acidente vascular cerebral e o potencial para o risco de quedas [monografia]. Goiânia: Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada; 2010.

O’Sullivan SB. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 5ª ed. São Paulo: Manole; 2010. 1506 p.

Teixeira CP, Silva LD. As incapacidades físicas de pacientes com acidente vascular cerebral: ações de enfermagem. Enferm glob. 2009;15:1-12.

Benvegnu AB, Gomes LA, Souza CT, Cuadros TBB, Pavão LW, Ávila SN. Avaliação da medida de independência funcional de indivíduos com sequelas de acidente vascular encefálico (AVE). Ciência&Saúde. 2008;1(2):71-7.

Hüter-Becker A, Dölken M. Fisioterapia em neurologia. 1ª ed. São Paulo: Santos; 2008. 409 p.

Robertson V, Ward A, Low J, Reed A. Eletroterapia explicada: princípios e prática. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2011. 520 p.

Felice TD, Santana LR. Recursos fisioterapêuticos (crioterapia e

termoterapia) na espasticidade: revisão de literatura. Rev Neurocienc. 2009;17(1):57-62.

Armagan O, Tascioglu F, Oner C. Eletromyographic biofeedback in the treatment of the hemiplegic hand: a placebo-controlled study. Am J Phys Med Rehabil. 2003;82(11):856-61.

Goulart F, Vasconcelos KSS, Souza MRV, Pontes PB. A utilização do biofeedback no tratamento fisioterápico da paralisia facial periférica. Acta Fisiátrica. 2002;9(3):134-40.

Calomeni MR, Rocha JAMS, Silva APR, Ribeiro LHB, Marques L, Siza MAF, et al. Brain stimulation used as biofeedback training for recovery of motor functions deteriorated by stroke. Arq Neuropsiquiatr. 2013;71(3):159-64.

Domingos NAM, Miyazaki MCOS. Emprego do biofeedback no tratamento de doenças crônicas. Arq Ciênc Saúde. 2017;24(1):15-22.

Terra NL, Schwanke CHA, Crippa A. O desafio da gerontologia biomédica. 1ª ed. Porto Alegre: Edipucrs; 2016. 150 p.

Carvalho AC, Barbatto LM, Bofi TC, Silva FA. Estudo da mobilidade funcional de hemiparéticos crônicos tratados com fisioterapia no formato de circuito de treinamento. Revista Adapta. 2015;11(1):19-24.

Boni M, Welter MP. Neurociência cognitiva e plasticidade neural: um caminho e ser descoberto. Revista Saberes e Sabores Educacionais. 2016;(3):139-49.

Baccaro VM, Kanashiro MS, Batista BP, Beas ARV, Souza CM, Moraes AL. Uso do biofeedback na hidroterapia em pacientes com acidente vascular encefálico. Saúde Rev. 2016;16(42):47-56.

Januário PO. Estudo clínico randomizado no tratamento da paralisia facial periférica [dissertação]. São José dos Campos: Universidade do Vale do Paraíba; 2011.

Silva JDA, Padovani RC, Viana MB. O emprego do biofeedback como estratégia de manejo do estresse e da ansiedade em atletas: um ensaio clínico. Rev Bras de Ter Comp Cogn. 2016;18(3):17-29.

Fernandez-Cuadros ME, Diez-Ramos MF, Albaladejo-Florin MJ, Perez-Moro OS. Manometric biofeedback effectiveness on urinary incontinence and quality of life: a non-randomized control trial. Middle East J Rehabil Health Stud. 2017;4(2):e46201.

Martins M, Palmieri V, Oliveira C. Influência da eletroestimulação parassacral e do biofeedback manométrico na incontinência urinária por hiperatividade do detrusor como sequela de mielite transversa aguda. Fisioterapia Brasil. 2015;16(2):119-23.

Byl N, Zhang W, Coo S, Tomizuka M. Clinical impact of gait training enhanced with visual kinematic biofeedback: patients with Parkinson’s disease and patients stable post stroke. Neuropsychologia. 2015;79:332-43.

Loterio FA. Análise de ativação do padrão muscular de indivíduos hemiparéticos pós-AVC em marcha assistida em andador robótico [dissertação]. Vitória: Universidade Federal do Espírito Santo; 2015.

Silva ESM. Correlação do nível de comprometimento da hemiparesia com o uso do membro superior parético [dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2016.

Mesquita RL, Carbone ESM. Tratamento fisioterapêutico nas disfunções sexuais em mulheres após tratamento de câncer ginecológico e de câncer de mama: uma revisão de literatura. Rev Fisioter S Fun. 2015;4(2):32-40.

Melo LP, Bezerra VT, Costa VS, Souza FHM, Silveira JCC. Efeitos da terapia espelho na reabilitação do membro superior pós-acidente vascular cerebral. Saúde (St Maria). 2015;41(1):157-64.

Downloads

Publicado

2017-10-18

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)