O impacto da auditoria médica na redução de custos no cuidado à saúde: Revisão integrativa

Autores

  • Racquel dos Reis Carvalho Marreiros Curso de especialização em gestão, auditoria e perícia em saúde, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, Ceará, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5650-4062
  • Patrícia Freire de Vasconcelos Instituto de Ciências da Saúde, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), Redenção, Ceará, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6158-9221
  • Vitória Talya dos Santos Sousa Instituto de Ciências da Saúde, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), Redenção, Ceará, Brasil https://orcid.org/0000-0002-5403-2820
  • José Maria Ximenes Guimarães Programa de Pós-graduação em Saúde da Família, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, Ceará, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-5682-6106
  • José Iran Oliveira das Chagas Júnior Graduação em Enfermagem, Centro Universitário Terra Nordeste (UNINORDESTE), Caucaia, Ceará Brasil. https://orcid.org/0000-0002-1796-3335

Palavras-chave:

Auditoria Médica, Redução de custos, Assistência à saúde

Resumo

Introdução: O surgimento de novas tecnologias em saúde, aliado ao envelhecimento da população, levou à elevação progressiva dos custos assistenciais e ao regulatório das operadoras de saúde.  Nesse contexto, a auditoria médica tem como principais objetivos o controle e a avaliação dos recursos e dos procedimentos adotados, visando adequação e economicidade dos serviços prestados. Objetivo: analisar o impacto da auditoria médica na melhoria da qualidade no cuidado e na redução de custos. Materiais e métodos: Foi realizada revisão integrativa da literatura para identificar a produção científica relacionada à auditoria médica, considerando a qualidade do cuidado e a redução de custos entre 1994 e 2018 nas bases de dados Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e MEDLINE. O corpus de análise consistiu em dez trabalhos. Resultados: Os artigos foram sistematizados em três categorias empíricas: auditoria médica em condições cirúrgicas, que abordou estratégias cirúrgicas para redução de custos e melhores resultados terapêuticos; auditoria médica em tratamentos clínico/medicamentosos, que mostrou como a auditoria médica pode fazer a análise detalhada de contas hospitalares visando à redução de custos; e auditoria médica em estratégias de diagnóstico/assistência, que evidenciou a ação da auditoria na criação de programas multidisciplinares. Conclusões: Concluiu-se que auditoria médica robusta e medidas de controle nas mais diversas áreas de atuação de qualidade são fundamentais para estabelecer a eficácia na prestação de serviço e a oferta de uma boa assistência médico-hospitalar aliada à redução de custos e à sustentabilidade dos sistemas de saúde. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ludmer M, Ludmer G. Gestão intergrada da auditoria médica e sistemas de informação: um estudo de caso de uma cooperativa de trabalho médico. Revista de Gestão em sistemas de Saúde - RGSS. Janeiro a Julho de 2013; 2(1): 116-39.

Organização Mundial da Saúde [Internet]. Prevenção de doenças crônicas: um investimento vital; c2005 [acesso em 29 mar. 2019]. Disponível em: http://www.who.int/chp/chronic_disease_report/part1_port.pdf.

Resolução 1614/2001, de 2001. Conselho Federal de Medicina, Diário Oficial da União (DF). Disponível em: http://www.cfm.org.br.

Brasil. Ministério da Saúde. Gestão municipal da saúde, textos básicos. Rio de Janeiro: Brasília; 2001.

Gamarra TPN. Auditoria na saúde suplementar: uma revisão integrativa. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde (RGSS). Setembro a dezembro de 2018; 7(3): 221-37.

Bolek V, Filanová J, Ondrásová I, Martinková J. Process modeling of internal audit in healthcare center. Kontakt. 2015; 17(3): 154-62.

Siewert MC. Importância da redução de custos em operadoras privadas de plano de saúde por meio da auditoria médica prévia. Revista Especialize On-line IPOG [Internet]. 2013 [citado em 21 de março de 2019]; 1(6). Disponível em: https://www.ipog.edu.br/download-arquivo-site.sp?arquivo=importancia-da-reducao-de-custos-em-operadoras-privadas-de-plano-de-saude-por-meio-da-auditoria-medica-previa-174131918.pdf

Fernandes MC. O papel do médico auditor frente aos desafios da saúde suplementar. Revista Especialize On-line IPOG [Internet]. 2014 Dez [citado em 21 de março de 2019]; 1(9). Disponível em: https://www.ipog.edu.br/revista-especialize-online/edicao-n8-2014/o-papel-do-medico-auditor-frente-aos-desafios-da-saude-suplementar/.

Dias TCL, Santos JLG, Cordenuzzi OCP, Prochnow AG. Auditoria em enfermagem: revisão sistemática da literatura. Rev Bras Enf [Internet]. 2001 Set-Out [citado em 22 de junho de 2019]; 64(5). Disponível em: https://www.redalyc.org/html/2670/267022214019/.

Garuzi M., Achitti MCO, Sato CA, Rocha SA, Spagnuolo RS. Acolhimento na estratégia Saúde da Família: revisão integrativa. Rev Pan Salud Publ. 2014; 35(2): 144-49.

Ursi, ES. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura [dissertação]. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo; 2005.

Barker SG, Sachs R, Louden C, Linnard D, Abu-Own A, Buckland J, et al. Integrated care pathways for vascular surgery. Eur J Vasc Endovasc Surg. September 1999; 18 (3): 207-15.

Pietzik P, Qureshi I, Langdon J, Molloy S, Solan M. Cost Benefit with Early Operative Fixation of Unstable Ankle Fractures. Ann R Coll Surg Engl. July 2006; 88(4): 405–7.

Hasselman CT, Vogt MT, Pedra KL, Cauley JA, Conti SF. Foot and ankle fractures in elderly white women. Incidence and risk factors. J Bone Joint Surg Am. May 2003; 85: 820–4.

James LA, Sookhan N, Subar D. Timing of operative intervention in the management of acutely fractured ankles and the cost implications. Injury. July 2001; 32: 469-727.

Johri M, Ng ESW, Bermudez-Tamayo C, Hoch JS, Ducruet T, ChailletN. A cluster-randomized trial to reduce caesarean delivery rates in Quebec: cost-effectiveness analysis. BMC Medicine. May 2017; 15(1): 96.

Ranasinghe P, Perera YS, Makarim MFM, Wijesinghe A, Wanigasuriya K. The costs in provision of haemodialysis in a developing country: A multi-centered study. BMC Nephrol. 2011; 12-42.

Karlberg I. Cost analysis of alternative treatments in end-stage renal disease. Transplant Proc. Frebruary 1992; 24(1): 335.

Karlberg I, Nilberg G. Cost-effectiveness studies of renal transplantation. Int J of Technol Assess Health Care. February 1995; 11(3): 611-22.

Campbell HE, Stokes EA, Bargo DN, Caril N, Lecky FE, Edwards A, et al. Quantifying the healthcare costs of treating severely bleeding major trauma patients: a national study for England. Crit Care. July 2015; 19(1): 276.

Curry N, Foley C, Wong H, Mora A, Curnow E, Zarankaite A, et al. Early fibrinogen concentrate therapy for major haemorrhage in trauma (E-FIT 1): results from a UK multi-centre, randomised, double blind, placebo-controlled pilot trial. Crit Care. 2016; 15(R92).

Allen KD. Cost control of out-of-hours laboratory services in district general hospitals. J Clin Pathol. September 1994; 47 (9): 782-86.

Ball S, Haddad FS. The impact of an Acute Knee Clinic. Ann R Coll Surg Engl. November 2010; 92(8): 685–88.

Robling MR, Pill RM, Hood K, Butler CC. Time to talk? Patient experiences of waiting for clinical management of knee injuries. Qual Saf Health Care. 2011; 18: 141–46.

Manville M, Klein MC, Bainbridge L. Improved outcomes for elderly patients who received care on a transitional care unit. Can Fam Physician. May 2014; 60(5): 263-71.

Costa ESM, Hyeda A. Chronic case management: Clinical governance with cost reductions. Rev Assoc Med Bras. Maio a Junho de 2016; 62(3): 321-235.

Uzun O, Kennedy J, Davies C, Goodwin A, Thomas N, Rich D et al. Training: improving antenatal detection and outcomes of congenital heart disease. BMJ Open Qual. 2018; 7(4).

Publicado

27-01-2021