Comportamento alimentar e avaliação nutricional em população trans de um Ambulatório LGBT de Recife

Aspectos nutricionais em população trans no Recife

Autores

Palavras-chave:

Pessoas transgênero, Serviços de Saúde para Pessoas Transgênero, Nutrição de Grupos Vulneráveis, Estado Nutricional, Transtornos da Alimentação e da Ingestão de Alimentos

Resumo

Introdução: Ser transexual ou travesti é ser divergente das normas de gênero estabelecidas pela sociedade e batalhar pela igualdade de seus direitos cotidianamente. Após muita luta por equidade, essa população hoje tem acesso ao processo transexualizador no Sistema Único de Saúde. Contudo, pouco se discute sobre os aspectos alimentares e nutricionais presentes na saúde do(a) trans. Objetivo: A proposta deste trabalho foi conhecer o perfil sociodemográfico, o estado nutricional e o comportamento alimentar de pessoas transexuais e travestis de um ambulatório LGBT do município de Recife. Materiais e Métodos: Trata-se do recorte descritivo e quantitativo de um estudo exploratório, transversal, analitico-descritivo, de abordagem mista. Resultados: A partir de uma amostra de 15 participantes, identificou-se um perfil jovem, com escolaridade média/alta e empregados de maneira formal ou informal, com menor vulnerabilidade social quando comparado a outros estudos. Já em relação à situação nutricional, o excesso de peso e o risco cardiovascular prevaleceram, assim como na população brasileira. Por fim, a satisfação corporal encontrada foi regular e houve poucas pessoas com indicativo de distúrbio de comportamento alimentar. A literatura científica aponta os riscos dessa população para transtornos de imagem e alimentar, além da necessidade de mais estudos nesta temática, principalmente diante das mudanças metabólicas geradas pelo processo transexualizador através da hormonioterapia, por exemplo. Conclusão: O trabalho ressalta a importância do acompanhamento clínico com olhar integral incluindo o aspecto nutricional para as pessoas trans, e o fortalecimento da rede de atenção à saúde para assegurar a integralidade do cuidado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Gonçalves Machado, Autora autônoma

Nutricionista formada pela Universidade Federal de Pernambuco e Especialista em Saúde da Família pela Secretaria de Saúde do Recife

Juciany Medeiros Araújo, Secretaria de Saúde, Prefeitura da Cidade do Recife – SESAU/PCR, Pernambuco, Brasil

Nutricionista do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB), Recife-PE; Doutoranda em Agroecologia e Desenvolvimento Territorial pela Universidade Federal Rural de Pernambuco

Carla Caroline Silva dos Santos, Secretaria de Saúde, Prefeitura da Cidade do Recife – SESAU/PCR, Pernambuco, Brasil

Nutricionista do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF-AB), Recife-PE; Doutoranda em Saúde Pública pelo Instituto Aggeu Magalhães/FIOCRUZ.

Referências

Butler J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2015.

Bento BAM. O que é transsexualidade. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2008.

Nardi HC, Machado PS, Silveira RS. Diversidade sexual e relações de gênero nas políticas públicas: o que a laicidade tem a ver com isso? 1ª ed. Porto Alegre: Deriva/ Abrapso; 2015.

Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília, DF, 2013.

Popadiuk GS, Oliveira DC, Signorelli MC. A Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros (LGBT) e o acesso ao Processo Transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS): avanços e desafios. Ciênc. saúde coletiva. 2017; 22( 5 ): 1509-1520.

Rocon Pablo Cardozo, Rodrigues Alexsandro, Zamboni Jésio, Pedrini Mateus Dias. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciênc. saúde coletiva ; 21( 8 ): 2517-2526.

Krüger A, Sperandei S, Bermudez XPCD, Merchán-Hamann E. Characteristics of hormone use by travestis and transgender women of the Brazilian Federal District. Rev. bras. epidemiol. 2019 ; 22 (Suppl 1): e190004.

Monteiro S, Brigeiro M. Experiências de acesso de mulheres trans/travestis aos serviços de saúde: avanços, limites e tensões. Cad. Saúde Pública. 2019; 35( 4 ): e00111318.

Rocon PC, Sodré F, Zamboni J, Rodrigues A, Roseiro MCFB. O que esperam pessoas trans do Sistema Único de Saúde?. Interface (Botucatu). 2018; 22( 64 ): 43-53.

Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicol. cienc. prof. 2012; 32, (3): 552-563.

Rocon PC, Zamboni J, Sodré F, Rodrigues A, Roseiro MCFB. (Trans)formações corporais: reflexões sobre saúde e beleza. Saude soc. 2017; 26( 2 ): 521-532.

Barros LO, Lemos CRB, Ambiel RAM. Qualidade de vida e satisfação com a imagem corporal de transexuais. Arq. bras. psicol. 2019; 71( 1 ): 184-195.

Jones BA, Haycraft E, Murjan S,, Arcelus J. Body dissatisfaction and disordered eating in trans people: A systematic review of the literature. Int Rev Psychiatry. 2016; 28(1), 81-94.

Alvarenga M, Figueiredo M, Timerman F, Antonaccio C. Nutrição comportamental. 2ª ed. Barueri: Manole, 2019.

Bosi MLM, Nogueira JAD, Uchimura KY, Luiz RR, Godoy MGC. Comportamento alimentar e imagem corporal entre estudantes de medicina. Rev. bras. educ. med. 2014; 38(2), 243-252.

Witcomb GL, Bouman WP, Brewin N, Richards C, Fernandez-Aranda F, Arcelus J. Body Image Dissatisfaction and Eating-Related Psychopathology in Trans Individuals: A Matched Control Study. Eur Eat Disord Rev. 2015; 23(4), 287–293.

Silva RO, Ribeiro Neto A, Santos ARO. Peraí bicha! A experiência do ambulatório LGBT na cidade do Recife. In: Anais do 15º Congresso Brasileiro de Medicina da Família e Comunidade; Cuiabá, Mato Grosso. Campinas: Galoá; 2019. Disponível em: https://proceedings.science/cbmfc-2019/papers/perai-bicha--a-experiencia-do-ambulatorio-lgbt-na-cidade-do-recife-2?lang=pt-br

Minayo MCS. Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista Pesquisa Qualitativa. 2017; 5 (7), 01-12.

Ministério da Saúde. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional: SISVAN. Brasília; 2011.

Rezende FAC, Rosado LFPL, Ribeiro RCL, Vidigal FC, Vasques ACJ, Bonard IS et al. Índice de massa corporal e circunferência abdominal: associação com fatores de risco cardiovascular. Arq. Bras. Cardiol. 2006; 87( 6 ): 728-734.

Alvarenga MS, Scagliusi FB, Philippi ST. Development and validity of the Disordered eating Attitude Scale (DEAS). Percept Mot Skills. 2010; 110(2):379-95.

Cash TF. The Multidimensional Body-Self Relations Questionnaire Users’ Manual (Fourth Revision), 2018. Disponível pelo autor em: http://www.body-images.com

Laus MF. Investimento psicológico disfuncional na aparência: seriam os relacionamentos amorosos fatores de proteção? 2017. 105 f. Relatório Científico (Pós-Doutorado). Ribeirão Preto: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. 01 de dezembro de 2017. Processo No. 2013/04357-0.

Fernandez JD, Tannock LR. Metabolic effects of hormone therapy in transgender patients. Endocr Pract. 2016; 22 (4): 383-8.

Benevides BG, Nogueira SNB, organizadoras. Dossiê dos assassinatos e da violência contra travestis e transexuais brasileiras em 2019. São Paulo: Expressão Popular, ANTRA, IBTE; 2020.

Bento B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Rev. Estud. Fem. 2011; 19 (2), 549-559.

Silva MA, Luppi CG, Veras MMSM. Trabalho e saúde na população transexual: Fatores associados à inserção no mercado de trabalho no estado de São Paulo. Cien Saude Colet. 2020; 25 (5): 1723-1734. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020000501723&lng=en.

Secretaria de Saúde do Recife. Perfil dos (as) usuários (as) atendidos(as) no ambulatório LGBT– PATRÍCIA GOMES no primeiro ano de funcionamento. Recife: Secretaria de Saúde do Recife; 2018.

Carvalho Pereira LB, Chazan ACS. O Acesso das Pessoas Transexuais e Travestis à Atenção Primária à Saúde: uma revisão integrativa. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2019; 14 (41): 1795.

Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

Tavares TB, Nunes SM, Santos MD. Obesidade e qualidade de vida: revisão da literatura. Rev Med Minas Gerais. 2010; 20(3):359-66.

Weinand JD, Safer JD. Hormone therapy in transgender adults is safe with provider supervision: A review of hormone therapy sequelae for transgender individuals. J Clin Transl Endocrinol. 2015; 2(2): 55–60.

Deutsch MB, Bhakri V, Kubicek K. Effects of cross-sex hormone treatment on transgender women and men. Obstetrics and gynecology. 2015; 125 (3): 605.

Vilas MV, Rubalcava G, Becerra A, Para MC. Nutritional status and obesity prevalence in people with gender dysphoria. AIMS public health. 2014; 1 (3): 137.

Santos, CR, Hirota VB, Cunha MR, Pletsch-Assunção R, Verardi CEL, França E, Rodrigues LH. Imagem corporal e distúrbios alimentares: análise das opiniões de alunos do ensino médio. Rev Mult da Saúde. 2019; 1 (1): 28-42.

McClain Z, Peebles R. Body image and eating disorders among lesbian, gay, bisexual, and transgender youth. Pediatr Clin North Am. 2016; 63(6): 1079-1090.

Watson RJ, Veale JF, Saewyc EM. Disordered eating behaviors among transgender youth: probability profiles from risk and protective factors. International journal of eating disorders. 2017; 50 (5): 515-22.

Diemer EW, White Hughto JM, Gordon AR, Guss C, Austin SB, Reisner SL. Beyond the binary: differences in eating disorder prevalence by gender identity in a transgender sample. Transgend Health. 2018; 3(1): 17–23.

Ålgars M, Alanko K, Santtila P, Sandnabba NK. Disordered eating and gender identity disorder: a qualitative study. Eat Disord. 2012; 20 (4): 300-11.

Scagliusi FB, Nakagawa KA, Campos RM, Kotait M, Fabbri A, Sato P, Cordás TA. Nutritional knowledge, eating attitudes and chronic dietary restraint among men with eating disorders. Appetite. 2009; 53 (3): 446-9.

Alvarenga MD, Koritar P, Pisciolaro F, Mancini M, Cordás TA, Scagliusi FB. Eating attitudes of anorexia nervosa, bulimia nervosa, binge eating disorder and obesity without eating disorder female patients: differences and similarities. Physiol Behav. 2014; 131: 99-104.

Testa RJ, Rider GN, Haug NA, Balsam KF. Gender confirming medical interventions and eating disorder symptoms among transgender individuals. Health Psychol. 2017; 36 (10): 927-936.

Publicado

27-01-2021