Risco cardiovascular em praticantes de musculação em academias de São Luís – MA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n67.7449

Palavras-chave:

fatores de risco;, indicadores antropométricos, doenças cardiovasculares, musculação

Resumo

para identificar o risco de doença cardiovascular que é a principal causa de morte no mundo.
Objetivo: Verificar os fatores associados aos indicadores antropométricos de risco cardiovascular em praticantes de musculação em duas academias de São Luís – MA.
Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal realizado com 302 praticantes de musculação de duas academias em São Luís – MA. A coleta de dados foi realizada nos meses de agosto e setembro de 2019. Utilizou-se um questionário socioeconômico e demográfico. Foram aferidas as medidas antropométricas. A regressão de Poisson foi realizada no programa Stata® versão 14.0.
Resultados: Dos praticantes de musculação, 52,3% eram do sexo feminino e 86,7% tinham de 20 a 39 anos de idade. Para o desfecho CC, ser do sexo feminino (IRR=1,10; IC=1,02-1,18), morar com companheiro (IRR=1,17; IC=1,08-127), ter tempo de exercício físico de sete a doze meses (IRR=1,14; IC=1,01-1,30), ser diabético (IRR=1,06; IC=1,24-1,69) e ter histórico de DCV na família (IRR=1,07; IC=0,99-1,16) foram fatores de risco para DCV. Quanto ao desfecho RCEst, ser diabético (IRR=2,30; IC=1,34-3,93) foi fator de risco para DCV. Com relação ao desfecho CP, ter ensino superior completo (IRR=1,14; IC=1,02-1,27), fumar (IRR=1,12; IC=1,03-1,21), histórico de DCV na família (IRR=1,07; IC=1,00-1,15) foram fatores de risco a DCV. Quanto o indicador RCQ, ser diabético (IRR=9,47; IC= 1,21-2,00) foi fator de risco a DCV.
Conclusão: Observaram-se vários fatores de riscos associados aos indicadores antropométricos de risco cardiovascular (CC, RCEst, CP e RCQ) em praticantes de musculação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Sousa Rêgo

Possui graduação em Nutrição pela Faculdade Santa Terezinha - CEST (2010) e mestrado em Saúde do Adulto e da Criança pela Universidade Federal do Maranhão (2018). Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Ceuma (2016). Atualmente é doutoranda em Biotecnologia pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO/UFMA) e pesquisador da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e supervisor pedagógico da Universidade Aberta do SUS - UFMA

Lucian Matheus Nascimento Sousa

Possui graduação em Nutrição pela Universidade CEUMA (2019)

Francilene Alves da Silva

Possui graduação em Nutrição pela Universidade CEUMA (2019)

Gabriella Vieira da Silva Brasil

Possui graduação em Nutrição pela Faculdade Santa Terezinha - CEST (2010) e mestrado em Saúde do Adulto e da Criança pela Universidade Federal do Maranhão (2018). Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Ceuma (2016). Atualmente é doutoranda em Biotecnologia pela Rede Nordeste de Biotecnologia (RENORBIO/UFMA) e pesquisador da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e supervisor pedagógico da Universidade Aberta do SUS - UFMA.

Maylla Luanna Barbosa Martins Bragança

Nutricionista graduada pela Universidade Federal do Maranhão. Especialista em Terapia Nutricional Enteral e Parenteral. Especialista em Nutrição Clínica e Funcional. Mestrado e Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Maranhão. Professora do Curso de Nutrição da Universidade Federal do Tocantins.

Flor de Maria Araújo Mendonça Silva

Graduada em Psicologia pela Universidade - Brasília - DF (1976). Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Maranhão (2014); Mestre em Saúde Materno Infantil (2009) Universidade Federal do Maranhão; Docente da Universidade CEUMA nos cursos de Psicologia, Medicina e Enfermagem. ; Professora Permanente do Mestrado em Gestão de Programas e Serviços de Saúde da Universidade CEUMA; Consultora ad hoc FAPEMA/MA. Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Gestão em Saúde (NEGESA/UNICEUMA); Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Saúde Coletiva do Maranhão (NUPESCMA/UNICEUMA); Pesquisadora e Líder do Grupo de Pesquisa em Saúde Coletiva e Políticas Públicas (NIEPP/UNICEUMA).

Janaina Maiana Abreu Barbosa

Nutricionista (Faculdade Santa Terezinha - CEST). Doutoranda em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Maranhão. Mestre em Saúde Coletiva pelo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Maranhão. Especialista em Saúde da Família pelo Universidade Estácio de Sá. Especialista em Nutrição Clínica com ênfase em Terapia Nutricional pelo GANEP Educação Continuada.

Referências

WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Geneva: World Health Organization, 2014.

Organização Pan-Americana de Saúde. Organização Mundial da Saúde. Doenças cardiovasculares. Brasilia, DF, Brasil: OPAS/OMS; 2017. [Internet] Disponível em:https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5253:doencas-cardiovasculares&Itemid=1096. Acesso em: 27 abril 2020.

Fábio Massalli. Mais de 289 mil pessoas morreram de doenças cardiovasculares em 2019. Agência Brasil, Brasília/DF, 24 set 2019. [Internet]. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2019-09/mais-de-289-mil-pessoas-morreram-de-doencas-cardiovasculares-em-2019. Acesso em: 27 abril 2020

Magalhães FJ, Mendonça LBA, Rebouças CBA, Lima FET, Custódio IL, Oliveira SC. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em profissionais de enfermagem: estratégias de promoção da saúde. Rev. Bras. Enferm. 2014;67(3): 394-400.

Précoma DB, Oliveira GMM, Simão AF, Dutra OP, Coelho OR et al. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2019;113(4):787-891.

Bensenor IM, Goulart AC, Santos IS, Lotufo PA. Prevalência de fatores de risco cardiovascular no mundo e no Brasil. Rev Soc Cardiol. 2019;29(1):18-24.

Cordovil YF, Almeida SS. Variáveis antropométricas e fatores de risco cardiovascular associados em Quilombolas Marajoaras. RBONE. 2018;12(71):406-15.

Caetano KA, Flores IA, Vilarinhos PAP, Fonseca DC, Martins ERT; Brandão HP et al. Indicadores Antropométricos e Risco Cardiovascular em Universitários: Um Mapeamento da Produção. Rev Cereus. 2018;10(1):111-29.

Pitanga FJG. Antropometria na avaliação da obesidade abdominal e risco coronariano. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. 2011;13(3):238-41.

Carvalho CA, Fonseca PCA, Barbosa JB, Machado SP, Santos AM, Silva AAM. Associação entre fatores de risco cardiovascular e indicadores antropométricos de obesidade em universitários de São Luís, Maranhão, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2015;20(2):479-90.

Pohl HH, Arnold EF, Dummel KL, Cerentini TM, Reute EM, Reckziegel MB. Indicadores antropométricos e fatores de risco cardiovascular em trabalhadores rurais. Rev Bras Med Esporte. 2018;24(1):64-8.

Preis SR, Massaro JM, Hoffmann U, D'Agostino RB Sr, Levy D, Robins SJ, et al. Neck circumference as a novel measure of cardiometabolic risk: the Framingham.

IHRSA. The 2019 IHRSA Global Report: The state of the health club industry. Boston: IHRSA; 2019. [Internet]. Disponível em: https://www.ihrsa.org/publications/the-2019-ihrsa-global-report/ Acesso em: 27 abril 2020.

Hilgenberg FE. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em cadetes da academia da força aérea brasileira. 97F. [Dissertação Mestrado Nutrição e Saúde] - Programa de Pós-Graduação em Nutrição e Saúde, da Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Goiás, 2013.

Guedes DP. Recursos antropométricos para análise da composição corporal. Rev Bras Educ Fís Esp. 2006;20:115-19.

WHO, World Health Organization. Obesity. Preventing and Managing the Global Epidemic. Report of a WHO Consultation on Obesity, Geneva: World Health Organization, p. 107-158, 1997.

WHO, World Health Organization. Waist circumference and waist-hip ratio. Report of a WHO Expert Consultation. Geneva: World Health Organization, 2008.

Ben-Noun L, Sohar E, Laor A. Neck circumference as a simple screening measure for identifying overweight and obese patients. Obes Res. 2001;9(8):470-7.

Pitanga FJG, Lessa I. Razão cintura-estatura como discriminador do risco coronariano de adultos. Rev Assoc Med Bras. 2006;52(3):157-61.

World Health Organization. Physical status: The use and interpretation of anthropometry. WHO Technical Report Series, n. 854, 1995.

Dinardi RR, Dinardi LR, Soares DD. Análise de parâmetros de risco coronariano em adultos praticantes de atividade física em uma academia de ginástica localizada em um bairro de alto padrão socioeconômico na cidade de Belo Horizonte, MG. Revista Digital. Buenos Aires. 2009. [Internet]. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd139/risco-coronariano-em-adultos-praticantes-de-atividade-fisica.htm

Barroso TA, Marins LB, Alves R, Gonçalves CS, Barroso SG, Rocha GS. Associação Entre a Obesidade Central e a Incidência de Doenças e Fatores de Risco Cardiovascular. Int J Cardiovasc Sci. 2017;30(5)416-24.

Sabóia RS, Araújo AP, Barbosa JMA, Galvão CRP, Cruvel JMS, Ferreira SCN. Obesidade abdominal e fatores associados em adultos atendidos em uma clínica escola. Rev Bras Promoç Saúde. 2016;29(2):259-67.

Santiago JCS, Moreira TMM, Florêncio RS. Associação entre excesso de peso e características de adultos jovens escolares: subsídio ao cuidado de enfermagem. Rev Latino Am Enfermagem. 2015;23(2):250-58.

Trapé AA, Lizzi EASS, Jacomini AM, Hott SC, Júnior CRB, Zago AS. Aptidão física e nível habitual de atividade física associados à saúde cardiovascular em adultos e idosos. Medicina. 2015;48(5):457-66.

Silva VC. Análise dos fatores de risco para doença cardiovascular em crianças escolares de 5 a 9 anos procedentes de escolas públicas da região central da cidade de Fortaleza-Ceará-Brasil. 2017.182F. [Tese Doutorado em Ciências] - Programa de Pediatria, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

Rosa TS, Leite MO. Risco de infarto agudo do miocárdio em praticantes de musculação de uma academia da cidade de Itatiaia-RJ. RBNE. 2014;8(44): 92-102.

Vieira IP, Machado JHJO, Schmidt A. Perfil antropométrico de iniciantes de musculação de uma academia de ginástica em Goiânia. Rev Digital Buenos Aires. 2013. [Internet]. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd176/perfil-antropometrico-de-iniciantes-de-musculacao.htm

Barbosa PS, Santos RP, Mendonça JLS, Rocha VS. Circunferência do pescoço e sua associação com parâmetros antropométricos de adiposidade corporal em adultos. Brasben J. 2017;32(4):315-20.

Ulguim F, Renner JDP, Pohl HH. Risco para doenças cardiovasculares, em trabalhadores de um hospital de ensino do RS: Análise a partir da circunferência de cintura e relação cintura-quadril. Anais do Seminário Científico do Programa de Pós-Graduação em Promoção da Saúde da UNISC. 2015;1(1).

Moraes KDM, Araújo AP, Santos AF, Barbosa JMA, Martins MLB. Correlação entre o índice de massa corporal e indicadores antropométricos de risco cardiovascular em mulheres. Rev Pesq Saúde. 2015;16(3):175-81.

Melo MA, Tassitano RM, Petribú MMV, Santos EMC, Santana RA, Campos FAZ. Proteína C-reativa como biomarcador inflamatório e fatores associados em diabéticos tipo 2 atendidos na rede pública de saúde. Nutr Clín Diet Hosp. 2016;36(2):83-95.

Selvan C, Dutta D, Thukral A, Nargis T, Kumar M, Mukhopadhyay S, Chowdhury S. Neck height ratio is an important predictor of metabolic syndrome among Asian Indians. Indian J Endocrinol Metab. 2016;20(6):831-37.

Santiago ERC, Dourado KF, Petribú MMV, Andrade MIS, Barbosa LS, Santos CM. Circunferência do pescoço como indicador de risco cardiovascular em pacientes renais crônicos em hemodiálise. Nutr Clin Diet Hosp. 2017;37(1):41-8.

Lima RN. Associação da escolaridade com a prevalência de doenças crônicas e a limitação das atividades diárias causadas por doenças crônicas: estudo de base populacional no Brasil, 2013.2016.125F. [Dissertação Mestrado em Saúde Coletiva] - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

Teston EF, Cecilio HPM, Santos AL, Arruda GO, Radovanovic CAT, Marcon SS. Fatores associados às doenças cardiovasculares em adultos. Medicina. 2016;49(2):95-102.

Rezende IFB, Toledo DVC, Silva LR. Distribuição de gordura corporal da região superior do corpo e dos fatores sociais de risco cardiovascular em estudantes do curso de nutrição em Salvador/BA. Rev Ciênc Med Biol. 2015;14(3):355-59.

Pardo IMC, Cabral EB, Haddad JR. Circunferência do pescoço: nova medida antropométrica para rastreamento da síndrome metabólica em adolescentes. Arq Catarin Med. 2019;48(2):21-33.

Silva AF, Reis FKR, Rodrigues VD. Perfil nutricional de funcionários do Hospital Público de Montes Claros/MG. Rev Multitexto. 2016;4(1):82-8.

Mendonça LS, Moreira JAR. A influência dos hormônios leptina e insulina na gordura localizada. Rev Científica FHO. 2015;3(2):47-56.

Silva JP, Souza FS, Assis IB, Pereira LP. Ultracavitação para gordura localizada - Revisão de literatura. Rev Saúde em Foco. 2018; 10:702-10.

Montalvão DMA, Sá AC, Paixão PLR, Machado ALA, Navarro ACA. Correlação do risco de doenças cardiovascular e relação cintura quadril (RCQ) em mulheres praticantes de atividade física. RBONE - Revista Brasileira De Obesidade, Nutrição E Emagrecimento. 2008;2(10):324-27.

Maduro PA, Nascimento MM, Araújo IS, Barbosa LF, Pereira LGD. Análise do estado nutricional e nível de atividade física dos servidores do hospital universitário de Petrolina-PE. RBNE. 2017;11(67) (Suppl1):856-67.

Oliveira RAR, Amorim PRS, Moreira OC, Amorim W, Costa EG, Marins JCB. Relação de indicadores antropométricos com glicemia entre servidores universitários. Rev Ciênc Méd. 2015;24(1):19-28.

Silva LCJ, Pereira EAA, Machado GJ. Efeito de um suplemento termogênico na composição corporal de praticantes de musculação. RBNE. 2019;13(80):534-42.

Peçanha AMM, Friferi R, Filho JNS. Suplementos termogênicos: evidências sobre a sua eficácia na redução da gordura corporal. RBNE. 2017;11(65):544-53.

Muraro CR, Saldanha RP. Uma revisão de literatura sobre o uso de termogênicos e seus efeitos no organismo. Rev Perspect Ci Saúde. 2016;1(1):85-96.

Publicado

19-04-2021

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS