Fatores que influenciam a não utilização das Academias ao Ar Livre na cidade de Apucarana-PR

Autores

  • Josimar Florêncio de Morais 1. Departamento de Ensino e Pesquisa, Autarquia Municipal de Saúde, Apucarana-PR, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9194-7379
  • Lucio Marques Vieira-Souza 2. Faculdade de Educação Física, Universidade do Estado de Minas Gerais-UEMG, Campus Passos - MG, Brasil. / 3.Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF), Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil.  https://orcid.org/0000-0002-5721-0725
  • Jymmys Lopes Dos Santos Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF), Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil.  https://orcid.org/0000-0003-1433-2041
  • Cássio Murilo Almeida Lima Júnior 4. Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente, Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil.  / 5. Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH), Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil.  https://orcid.org/0000-0002-1603-7225
  • Frederico Barros Costa 5. Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH), Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-7117-4185
  • Fábio José Antônio Da Silva 6. Programa de Residência em Atenção Básica/Saúde da Família da Autarquia Municipal de Saúde de Apucarana-PR, Brasil.  https://orcid.org/0000-0002-5881-6438

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol19n68.7578

Palavras-chave:

Espaço Público, População, Atividade Física

Resumo

Introdução: As Academias ao Ar Livre são espaços públicos que objetivam promover atividade física de forma gratuita à população, tendo sido instaladas no Brasil desde o ano de 2005, baseado no modelo chinês. Já na cidade de Apucarana, seu início é datado de 2006, havendo, atualmente, 42 delas. Objetivo: O presente trabalho objetiva conhecer os fatores pelos quais a população de Apucarana utiliza as Academias ao Ar Livre. Materiais e Métodos: Foi utilizada uma abordagem do tipo quantitativa, cuja coleta dos dados foi realizada através da utilização de questionário semiestruturado contendo perguntas fechadas aplicado a 384 pessoas da localidade onde as Academias ao Ar Livre estão instaladas. A análise e os gráficos foram elaborados através do Software Epi Info™ 7.2. Resultados: Os motivos que levaram a população a utilizar a Academias ao Ar Livre foram: Promoção à saúde (38,31%), Lazer (25,87%), Qualidade de vida (20,40%), Estética (7,46%), Prazer (4,48%), Outros (2,49%), Interação Social (1%). Conclusão: É necessário o poder público manter as Academias ao Ar Livre em funcionamento, pois este tipo de política se estabelece em longo prazo, haja vista um número significativo de usuários, assim como aqueles que não usam, mas tem intenção de utilizar futuramente.
Palavras-chave: espaço público; população; atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josimar Florêncio de Morais, 1. Departamento de Ensino e Pesquisa, Autarquia Municipal de Saúde, Apucarana-PR, Brasil.

Residente em Atenção Básica/Saúde da Família da Autarquia Municipal de Saúde de Apucarana-PR, Brasil

Lucio Marques Vieira-Souza, 2. Faculdade de Educação Física, Universidade do Estado de Minas Gerais-UEMG, Campus Passos - MG, Brasil. / 3.Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF), Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil. 

  1. Docente da Faculdade de Educação Física, Universidade do Estado de Minas Gerais-UEMG, Campus Passos - MG, Brasil. 
  2. Pesquisador Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF), Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil. 

Jymmys Lopes Dos Santos, Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF), Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil. 

  1. Pesquisador Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF), Universidade Federal de Sergipe-UFS, São Cristóvão-SE, Brasil. 

Cássio Murilo Almeida Lima Júnior, 4. Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente, Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil.  / 5. Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH), Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil. 

  1. Discente do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente, Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil. 
  2. Pesquisador Colaborador do Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH), Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil. 

Frederico Barros Costa, 5. Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH), Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil.

  1. Pesquisador Colaborador do Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (LABIMH), Universidade Tiradentes-UNIT, Aracaju-SE, Brasil. 

Fábio José Antônio Da Silva, 6. Programa de Residência em Atenção Básica/Saúde da Família da Autarquia Municipal de Saúde de Apucarana-PR, Brasil. 

  1. Docente do Programa de Residência em Atenção Básica/Saúde da Família da Autarquia Municipal de Saúde de Apucarana-PR, Brasil. 

Referências

Silva CL, Souza MF, Filho SR, Silva, LF, Rigoni ACC. Atividade física de lazer e saúde: uma revisão sistemática. Mudanças – Psicologia da Saúde. 2017; 25(1): 54-67.

Carvalho RBC, Madruga VA. Envelhecimento e prática de atividade física: a influência do gênero. Motriz, Rio Claro. 2011; 17(2): 328-337.

Silva LS, Santos Ribeiro, DSS. Treinamento funcional: contribuições para a qualidade de vida de moradores da área rural de Paripiranga/BA. Ciência em Movimento - Reabilitação e Saúde. 2020; 43(22): 123-137.

Mari FR, Alves GG, Aerts DRG, Camara S. O processo de envelhecimento e a saúde: o que pensam as pessoas de meia-idade sobre o tema. Rev bras geriatr gerontol. 2016;19(1): 35-44.

Camboim FEF, Nóbrega MO, Davim RMB, Camboim JCA, Nunes RMV, Oliveira SX. Benefícios da atividade física na terceira idade para a qualidade de vida. Rev enferm UFPE [online]. 2017; 11(6): 2415-22.

Silva AT, Firmino RC, Albérico CO, Reis RS. Fatores associados à ocorrência de lesões durante a prática de atividade física em academias ao ar livre. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2016; 22(4): 267-271.

Esteves, JVDC, Andreato LV, Pastório JJ, Versuti JKB, Almeida HDC, de Moraes SMF. O uso de academias da terceira idade por idosos modifica parâmetros morfofuncionais? Acta Scientiarum. 2012; 34(1): 31–38.

Costa B, Freitas C, Silva K. Atividade física e uso de equipamentos entre usuários de duas Academias ao Ar Livre. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2016; 21(1): 29–38.

Sanches SM, Rubio K. Prática esportiva como ferramenta educacional: trabalhando valores e a resiliência. Educação e Pesquisa. 2011; 37(4): 825-842.

Iepsen A, Silva M. Perfil dos frequentadores das academias ao ar livre da cidade de Pelotas - RS. Rev Bra Atividade Física & Saúde. 2015; 20(4): 413-424.

Azevedo ED, Pelicioni MCF, Westphal MF. Práticas intersetoriais nas políticas públicas de promoção de saúde. Physis: Rev de Saúde Coletiva. 2012; 22 (4): 1333-1356.

Becker L, Gonçalves P, Reis R. Programas de promoção da atividade física no Sistema Único de Saúde brasileiro: revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2016; 21(2):110-122.

Costa B, Freitas C, Silva K. Atividade física e uso de equipamentos entre usuários de duas Academias ao Ar Livre. Rev Bra de Atividade Física e Saúde. 2016; 21(1): 29-38.

Malta DC, Castro AMD, Gosch CS, Cruz DKA, Bressan A, Nogueira JD, et al. Política Nacional de Promoção da Saúde e a agenda da atividade física no contexto do SUS National. Epidemiol. Serv. Saúde. 2009; 18(1): 79–86.

Hallal PC, Tenório MCM, Tassitano RM, Reis RS, Carvalho YM, Cruz DKA, et al. Avaliação do programa de promoção da atividade física Academia da Cidade de Recife, Pernambuco, Brasil : percepções de usuários e não usuários. Cad. Saúde Pública. 2010; 26(1): 70-78.

Veríssimo, LCG. O processo de construção em rede de políticas públicas na perspectiva da promoção da saúde: a experiência do município de Maringá-PR. [Dissertação de Mestrado] Campinas: Faculdade de Ciências Médicas/Departamento de Medicina Preventiva e Social – Unicamp; 2011.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico: Apucarana – Brasil; 2017

WHO. Carta de Ottawa. In Ministério da Saúde/FIOCRUZ. Ponto Promoção da Saúde. Cartas de Ottawa, Adelaide, Sundsvall, Santa Fé de Bogotá. Ministério da Saúde/IEC; 1986. 11-18

Ribeiro RM, Tribess S, Santos ASD, Pinto LLT, Ribeiro MDCL, Roza LB, et al. Barreira no engajamento de idosos em serviços públicos promoção de atividade física. Ciência & Saúde Coletiva. 2015; 20(3): 739-749.

Brasil, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): Senado Federal; 1988.

Pereira EF, Teixeira CS, Santos A. Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte. 2012; 26(2): 241-50.

Hammami A, Harrabi B, Mohr M, Krustrup P. Physical activity and coronavirus disease 2019 (COVID-19): specific recommendations for home-based physical training. Manag Sport Leis. 2020; 20(0):1–6

Freitas CMSM, Santiago MDS, Viana AT, Leão, A. C., & Freyre, C. Aspectos motivacionais que influenciam a adesão e manutenção de idosos em programas de exercícios físicos. Rev. Bras. Cineantropm Desempenho Hum. 2007; 9(1): 92-100.

Ribeiro JAB, Cavall AS, Cavalli MO, Pogorzelski LV, Prestes MR, Ricardo LIC. Adesão de Idosos a Programas de Atividade Física: Motivação e Significância. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2012; 34(4) 969-984.

Zamai CA, Bavoso D, Rodrigues AA, Barbosa JAS. Motivos de adesão, manutenção e resultados alcançados através da prática de atividades físicas em academias. Revista Saúde e Meio Ambiente. 2016; 3(2): 13-22.

Ribeiro AF. Taylorismo, fordismo e Toyotismo. Lutas Sociais. 2015; 19(35): 65-79.

Publicado

30-06-2021