PROCESSO DE TRABALHO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE EM TERRITÓRIOS DE VULNERABILIDADE

Working process of the community health workers

Autores

  • Vanda Nayara Costa da Silveira Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Especialização em Saúde da Família. Crato, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-3531-1426
  • Rayane Moreira de Alencar Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1989-3200
  • Jameson Moreira Belém Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0003-1903-3446
  • Camila de Araújo Carrilho Universidade Estadual do Ceará. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde. https://orcid.org/0000-0002-0335-9364
  • Evanira Rodrigues Maia Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil. https://orcid.org/0000-0001-9377-7430

DOI:

https://doi.org/10.13037/2359-4330.8456

Palavras-chave:

Estratégia Saúde da Família, Agentes Comunitários de Saúde, Vulnerabilidade em saúde

Resumo

Introdução: Os Agentes Comunitários de Saúde atuam promovendo a interlocução entre as necessidades de saúde da comunidade e a Estratégia Saúde da Família. Neste contexto, o processo de trabalho destes profissionais encontra-se diretamente relacionado às dimensões do território e suas vulnerabilidades. Objetivo: compreender o processo de trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde em territórios de vulnerabilidade adscritos à Estratégia Saúde da Família. Materiais e Métodos: Trata-se de estudo qualitativo, subsidiado pelo referencial teórico das vulnerabilidades em saúde, realizado com 11 Agentes Comunitários de Saúde, que atuavam em área vulnerável localizada no sertão central cearense, na Região Nordeste do Brasil. Os dados foram coletados por entrevista semiestruturada, contendo sobre o processo de trabalho. Resultados: Emergiram três categorias temáticas representativas das dimensões de vulnerabilidade em saúde, que abordam os principais tópicos discutidos pelos participantes: (1) “Somos o elo entre as pessoas e o posto de saúde”: a relação do Agente Comunitário de Saúde com a comunidade; (2) “Você se expõe”: o Agente Comunitário de Saúde e suas condições de trabalho; 3) “Cego, surdo e mudo”: o Agente Comunitário de Saúde frente à violência e ao tráfico de drogas na comunidade. Conclusão: O processo de trabalho do Agente Comunitário de Saúde em territórios de vulnerabilidade mostrou-se afetado nas dimensões individual, social e programática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanda Nayara Costa da Silveira, Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Especialização em Saúde da Família. Crato, Ceará, Brasil.

Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Especialização em Saúde da Família. Crato, Ceará, Brasil. E-mail: nayaracsilveira@hotmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3531-1426

Rayane Moreira de Alencar, Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil.

Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil. E-mail: rayanealencar@hotmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1989-3200

Jameson Moreira Belém, Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil.

Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil. E-mail: jam.ex@hotmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1903-3446

Camila de Araújo Carrilho, Universidade Estadual do Ceará. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde.

Universidade Estadual do Ceará. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde. Fortaleza, Ceará, Brasil. E-mail: milacarrilho@gmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0335-9364

Evanira Rodrigues Maia, Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil.

Universidade Regional do Cariri. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde. Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Crato, Ceará, Brasil. E-mail: evanira.maia@urca.br ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9377-7430

Referências

Filgueiras AS, Silva ALA. Agente Comunitário de Saúde: um novo ator no cenário da saúde do Brasil. Physis (Rio J.). 2011; 21(3): 899-903.

Lima EMFA, Yasui S. Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde debate. 2014; 38(102): 593-606.

Ayres JR de CM, Calazans GJ, Saletti Filho HC, Franca Junior I. Risco, vulnerabilidade e práticas de prevenção e promoção da saúde. In: Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec/ Fiocruz; 2009.

Neves, CAB. Manual de práticas da atenção básica: saúde ampliada e compartilhada. Cad. saúde pública. 2011; 27(4): 817-819.

Almeida MCS, Baptista PCP, Silva A. Workloads and strain process in Community Health Agents. Rev. Esc. Enferm. USP. 2016; 50(1): 93-100.

Simas PRP, Pinto ICM. Trabalho em saúde: retrato dos agentes comunitários de saúde da região Nordeste do Brasil. Ciênc. Saúde Colet. 2017; 22(6): 1865-1876.

Avila MMM. O programa de Agentes Comunitários de Saúde no Ceará: o caso de Uruburetama. Ciênc. Saúde Colet. 2011; 16(1):349-360.

Almeida JF, Peres MFT, Lima TF. A violência no território e a construção de vínculos entre os agentes comunitários de saúde e os usuários em um serviço de atenção primária. Rev. Epos. 2016; 7(1):92-109.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: Hucitec; 2010.

Souza CD, Baggio L, Wachs F. O trabalho do agente comunitário de saúde na perspectiva da educação popular em saúde: possibilidades e desafios. Ciênc. Saúde Colet. 2016; 21(5):1637-1646.

Maia ER, Pagliuca LMF, Almeida SB, Oliveira WR. Competências do agente comunitário de saúde junto à pessoa com deficiência: análise documental. Rev. enferm. UERJ. 2009; 17(4): 485-490.

Nascimento GM, David HMSL. Avaliação de riscos no trabalho dos agentes comunitários de saúde: um processo participativo. Rev. enferm. UERJ. 2008; 16(4):550-556.

Alonso CMC, Béguin PD, Duarte FJCM. Trabalho dos agentes comunitários de saúde na Estratégia Saúde da Família: metassíntese. Rev. saúde pública. 2018; 52:14.

Costa SM, Araújo FF, Martins LV, Nobre LLR, Araújo FM, Rodrigues CAQ. Agente Comunitário de Saúde: elemento nuclear das ações em saúde. Ciênc. Saúde Colet. 2013; 18(7):2147-2156.

Oliveira AR, Chaves AEP, Nogueira JA, Sá LDS, Collet N. Satisfação e limitação no cotidiano de trabalho do agente comunitário de saúde. Rev. eletrônica enferm. 2010; 12(1): 28-36.

Santana JCB, Vasconcelos AL, Martins CV, Barros JV, Soares JM, Dutra BS. Agente comunitário de saúde: percepções na estratégia saúde da família. Cogit. Enferm. (Online). 2009;14 (4):645-52.

Gomes MF, Lima ASR, Feitosa LS, Pontes VBN, Nascimento RD, Andrade MS. Riscos e agravos ocupacionais: percepções dos agentes comunitários de saúde. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). 2015; 7(4): 3574-3586.

Fonseca FF, Costa FM, Lima CA, Silva SSS, Alves JP, Carneiro JA. Caracterização do risco ocupacional entre trabalhadores da Estratégia Saúde da Família. Rev. bras. pesqui. saúde. 2015;17(2): 89-97.

Turci MA, Lima-Costa MF, Macinko J. Influência de fatores estruturais e organizacionais no desempenho da atenção primária à saúde em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, na avaliação de gestores e enfermeiros. Cad. saúde pública. 2015; 31(9): 1941-1952.

Malta DC, Minayo MCS, Soares Filho AM, Silva MMAS, Montenegro MMS, Ladeira RM et. al. Mortalidade e anos de vida perdidos por violências interpessoais e autoprovocadas no Brasil e Estados: análise das estimativas do Estudo Carga Global de Doença, 1990 e 2015. Rev. bras. epidemiol. 2017; 20(supl 1): 142-156.

Sawaya AL, Albuquerque MP, Domene SMA. Violência em favelas e saúde. Estud. av. 2018; 32(93):243-250.

Santos MS, Silva JG, Branco JGO. O enfrentamento à violência no âmbito da estratégia saúde da família: desafios para a atenção em saúde. Rev. bras. educ. méd. 2017; 30(2):229-238.

Benicio LFS, Barros JPP. Estratégia saúde da família e violência urbana: abordagens e práticas sociais em questão. Sanare (Sobral, Online). 2017; 16(supl 1):102-112.

Garbin CAS, Dias IA, Rovida TAS, Garbin AJI. Desafios do profissional de saúde na notificação da violência: obrigatoriedade, efetivação e encaminhamento. Ciênc. Saúde Colet. 2015; 20(6):1879-1890

Publicado

2023-01-27

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)