Pandemia da violência contra mulheres: análise de redes semânticas de comentários do Twiter

Analysis of Semantic Networks of Twitter comments

Autores

Palavras-chave:

Covid-19 e isolamento social. Comentários do Twitter. Violência contra a mulher. Análise de Redes Semânticas.

Resumo

Este artigo investiga o debate sobre o machismo e a violência contra a mulher no Twitter em período de isolamento social provocado pela Covid-19.  Para tanto, realizamos uma Análise de Redes Semânticas, por meio do WORDLINK, do corpus selecionado. Como resultado, identificamos três temas centrais: machismo e violência contra a mulher; quarentena e isolamento social; crise na saúde pública e o papel do estado, com linhas discursivas que se conectam em nós e que revelam o caráter panfletário da rede. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Barreto Malta, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

Professora efetiva do Departamento de Comunicação Social da UFS (Universidade Federal do Sergipe). Professora Permanente do Programa de Pós Graduação em Comunicação Social (PPGCOM) da UFS. Doutora em Comunicação Social e Pós-doutorado pela Universidad de Sevilla. São Cristóvão-SE, Brasil. 

Aianne Amado, Universidade Federal de Sergipe

Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Sergipe. Membro dos grupos de Pesquisa OBSCOM/CEPOS (UFS) e GENI: Gênero e Interseccionalidades na Comunicação (UFS). São Cristóvão, Sergipe, Brasil

Pedro Meirelles, Universidade Federal Fluminense

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Territorialidades, Instituto de Arte e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói / RJ / Brasil. 

Referências

ALSHAABI, T. et al. How the world’s collective attention is being paid to a pandemic:COVID-19 related 1-gram time series for 24 languages on Twitter. [online]. 2020. Disponível em: pdodds.w3.uvm.edu/permanent-share/covid19-ngrams-revtex4.pd. Acesso em: 10 ago. 2020.

ÁLVARES, C. Pós-feminismo, Misoginia online e a despolitização do privado. Media&Jornalismo, Lisboa, v. 17, n. 30, p. 99-110, 2017.

ALVES, M. Abordagens da coleta de dados nas mídias sociais. In: SILVA, T.; STABILE, M. (Orgs.). Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. São Paulo: Uva Limão, 2016. p. 67- 83.

ANGELUCI, A.; SILVA, M.. Disseminação de Informações no Twitter: uma análise sobre o debate eleitoral dos presidenciáveis de 2018 no Brasil. Comunicação & Inovação, v. 20, n. 43, p..45-72, mai./ago. 2019.

ATTEVELDT, W. V. Semantic network analysis: Techniques for Extracting, Representing,and Querying Media Content. Charleston: BookSurge Publishers, 2008.

BADINTER, E. XY: sobre a Identidade Masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BANDEIRA, R. Sinal vermelho: CNJ lança campanha de ajuda a vítimas de violência doméstica na pandemia. CNJ, [S.l.], 10 jun. 2020. Disponível em: cnj.jus.br/sinal-vermelho-cnj-lanca-campanha-de-ajuda-a-vitimas-de-violencia-domestica-na-pandemia/. Acesso em: 14 ago, 2020.

BASTIAN, M.; HEYMANN, S.; JACOMY, M. et al. Gephi: an open source software for exploring and manipulating networks. [online]. 2009.

Disponível em: gephi.org/publications/gephi-bastian-feb09.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

BOBBIO, N. Direita e esquerda. Razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995.

FRENTE A LA PANDEMIA: Más Estado y con rostro humano. CLACSO, [S.l.], 18 de julho, 2020. Disponível em: clacso.org/mas-estado-y-con-rostro-humano. Acesso em: 7 ago, 2020.

DANOWSKI, J. A. Network analysis of message content. In: RICHARS, W. D. BARNETT, G.A. (Orgs.). Progress in communication sciences, v. XII. Nova Jersey: Ablex Publishing Corporation, 1993. p. 198-221.

DANOWSKI, J. A. Inferences from word networks in messages. In: KRIPPENDORFF e BOCK, M. (Orgs.). The content analysis reader. Thousand Oaks: SAGE Publications, 2010. p. 421-430.

FLEURY-TEIXEIRA, E.; MENEGHEL, S. Dicionário feminino da infâmia: acolhimento e diagnóstico de mulheres em situação de violência. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2015.

FRASER, N. Unruly Practices: power, discourse and gender in contemporary social theory. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1989

FREELON, D. Computational research in the post-API age. Political Communication, v. 35, n. 4, p. 665-668, 2018.

FREYRE, G. Casa-Grande & Senzala: Formação da Família Brasileira sob o Regime de Economia Patriarcal. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1954.

LUTTERBACH M. Mapa da Violência de Gênero. Gênero e Número. [online]. 2018. Disponível em: https://mapadaviolenciadegenero.com.br/. Acesso em: 01 ago. 2020.

MADUREIRA, A. et al. Perfil de homens autores de violência contra mulheres detidos em flagrante: contribuições para o enfrentamento. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, vol.18, n.4, p. 600-606. out-dez, 2014.

MALINI, Fábio. Quando tudo parecia ser tão distante daqui: a eclosão das narrativas sobre covid-19. [online]. 27 jul. 2020. Disponível em: medium.com/@fabiomalini/quando-tudo-parecia-ser-t%C3%A3o-distante-daqui-a-eclos%C3%A3o-das-narrativas-sobre-covid-19-23ef531b1be1. Acesso em: 29 jul. 2020.

MARADEI, A.; SANTOS, M. Violência contra as mulheres: o caso do estupro coletivo na esfera pública digital. Intercom. São Paulo, v.40, n.2, p.143-168, maio/ago, 2017.

MARTINEZ, M.; LAGO, C. & LAGO, M. C. de S. Estudos de gênero na pesquisa em jornalismo no Brasil: uma tênue relação. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p.ID22464, 21 mar./ago, 2016.

MARTYNOWSKYJ, E. Locos, psicópatas, anormales… o de las estrategias discursivas para invisibilizar el carácter estructural de la violencia de género. Temas y debates. Ano 19, n. 30, p. 161-174, 2015.

MUNIZ, M. Governo Bolsonaro e Twitter se unem no combate à violência doméstica. Veja, [S.l.], 27 jul., 2020. Disponível em: veja.abril.com.br/blog/radar/governo-bolsonaro-e-twitter-se-unem-no-combate-a-violencia-domestica. Acesso em: 29 jul. 2020.

RECUERO, R. O twitter como esfera pública: como foram descritos os candidatos durante os debates presidenciais do 2º turno de 2014?. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 16, n. 1, p. 157 - 180, 2016.

RECUERO, R. Introdução à análise de redes sociais. Salvador: EDUFBA, 2017.

RECUERO, R.; SOARES, P. Violência simbólica e redes sociais no facebook: o caso da fanpage “Diva Depressão”. Galaxia (São Paulo, Online), n. 26, p. 239-254, dez. 2013.

RECUERO, R.; BASTOS, M.; ZAGO, G.. Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina, 2015.

RODRIGUES, C. A quarta onda do feminismo. Revista CulT, N. 219, p. 30-47, 2016.

SAFFIOTI, H. I. B. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Expressão Popular, 2015

SÁNCHEZ, L. Big Brother Brasil faz história e bate recorde mundial. Guinnes World Records, 25 abr., 2020. Disponível em: www.guinnessworldrecords.com.br/news/2020/4/big-brother-brasil-faz-historia-e-bate- recorde-mundia. Acesso em: 20 jul. 2020.

SCOTT, J.; OLIVEIRA, I. Perfil de Homens Autores de Violência Contra a Mulher: Uma Análise Documental. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo, vol. 10, n. 2, p. 71- 88, jul./dez., 2018.

STOCKER, P.; DALMASO, S. Uma questão de gênero: ofensas de leitores à Dilma Rousseff no Facebook da Folha. Estudos Feministas, Florianópolis, vol. 24(3), n. 398, p. 679- 690, set./dez, 2016.

UCKUS, Fabiana. Consumo de mídia durante a pandemia de coronavirus no Brasil. Comscore. Comscore. [online]. 14 abr., 2020. Disponível em: www.comscore.com/por/Insights/Blog/Consumo-de-midia-durante-a-pandemia-de-coronavirus-no-Brasil. Acesso em: 29 jul. 2020.

VIEIRA, P. R.; GARCIA, L. P. & MACIEL, E. L. N. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Revista Brasileira de Epidemiologia, Rio de Janeiro, v. 23, e200033, 2020.

Downloads

Publicado

03-11-2020

Edição

Seção

Dossiê Comunicação & Inovação em Tempos de Pandemia