O vírus do morcego: fake news e estereotipagem dos hábitos alimentares chineses no contexto da Covid-19

The bat virus: fake news and stereotyping of Chinese eating habits in the context of Covid-19

Autores

Palavras-chave:

Estereótipo, Covid-19, Fake News

Resumo

Este artigo analisa a representação dos hábitos alimentares chineses no contexto da Covid-19 a partir das checagens do Saúde Sem Fake News. Realizando uma análise de discurso crítica, argumentamos que o conflito de alteridade entre ocidentais e orientais cria o estereótipo do chinês “maluco”, que come animais silvestres, e que é, por isso, responsável pelo novo coronavírus. Concluímos que é feita por meio das fake news a construção da ideia de um “vírus chinês”, sendo este uma estratégia de guerrilha biológica promovida pela China para uma possível conquista do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Igor Sacramento, Universidade Federal do Rio de Janeiro/Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura e Fundação Oswaldo Cruz/Programa de Pós-graduação em Informação e Comunicação em Saúde

Doutor em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura, da UFRJ, e em Informação e Comunicação em Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-1509-4778. E-mail: igorsacramento@gmail.com.

Ana Carolina Pontalti Monari, Fundação Oswaldo Cruz/Programa de Pós-Graduação em Informação e Comunicação em Saúde

Doutoranda em Informação e Comunicação em Saúde pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Jornalista e mestre em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Bolsista de doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7474-7903. E-mail: capmonari@gmail.com.

Xuewu Chen, Universidade Federal do Rio de Janeiro/Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura

Pesquisador chinês e tradutor mandarim-português. Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com estudos voltados para imagem e representação cultural da China no Brasil, orientado pelo Prof. Dr. Igor Sacramento. Graduado em Língua e Cultura portuguesa pela Universidade de Estudos Internacionais de Xi'an (西安外国语大学), China. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7595-072X. E-mail: 79636979@qq.com.

Referências

ALBUQUERQUE, Afonso de; QUINAN, Rodrigo. Crise epistemológica e teorias da conspiração: o discurso anti-ciência do canal “professor terra plana”. Revista Mídia e Cotidiano, v. 13, n. 3, dez. 2019, p. 83-104.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BECK, Ulrich. Sociedade do risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2010.

CAJAIBA, Reinaldo Lucas; SILVA, Wully Barreto da; PIOVESAN, Paulo Ricardo R. Animais silvestres utilizados como recurso alimentar em assentamentos rurais no município de Uruará, Pará, Brasil. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 34, ago. 2015, p. 157-168.

DYER, Richard. The matter of images: essays on representation. Londres: Routledge, 1993.

GARCIA, Marcelo. Disseram por aí: deu zika na rede! Boatos e produção de sentidos sobre a epidemia de zika e microcefalia nas redes sociais. 2017. 237 f. Dissertação (Mestrado em Informação Científica e Tecnológica em Saúde), Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Brasil, 2017.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. São Paulo: Editora Unesp, 1991.

GUO, Xiduo (???). ???????????????. ????, v.17, n.3, 2003

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Apicuri/PUC-Rio, 2016.

_____. Quem precisa de identidade? In: SOUZA, Thomaz Tadeu de (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

MACPHAIL, Theresa. The Predictable Unpredictability of Viruses and the Concept of “Strategic Uncertainty”. In: MACPHAIL, Theresa. The Viral Network: a pathography of the H1N1 influenza pandemic. Ithaca, New York, The United States: Cornell University Press, 2014, p. 132-151.

MASON, Katherine M. H1N1 is not a Chinese virus: the racialization of people and viruses in post-SARS China. Studies in Comparative International Development, v. 50, 2015, p. 500-518.

MONARI, Ana Carolina Pontalti; BERTOLLI FILHO, Claudio. Saúde sem Fake News: estudo e caracterização das informações falsas divulgadas no Canal de Informação e Checagem de Fake News do Ministério da Saúde. Revista Mídia e Cotidiano, v. 13, n. 1, 2019, p. 160-186.

PENNYCOOK, Gordon; RAND, David G. Fighting Misinformation on Social Media Using Crowdsourced Judgments of News Source Quality. Proceedings of the National Academy of Sciences, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.3118471. Acesso em: 23 ago. 2020.

PICKERING, Michael. Stereotyping: politics of representation. Londres: Palgrave Macmillan, 2001.

RIBEIRO, Vânia Maria França; CARVALHO, Yuri Karaccas de; PERUQUETTI, Rui Carlos; MEDEIROS, Luciana dos Santos; FREITAS, Henrique Jorge de. Consumo e comercialização de carnes silvestres: potencial econômico para a Amazônia Ocidental. Journal of Amazon Health Science, v. 2, n. 1, 2016. Disponível em: https://bit.ly/31mqT88. Acesso em: 23 ago. 2020.

ROBERTO, Katherine J.; JOHNSON, Andrew F.; RAUHAUS, Beth M. Stigmatization and prejudice during the COVID-19 pandemic. Administrative Theory & Praxis, 2020. Disponível em: https://bit.ly/3j9Zixb. Acesso em: 23 ago. 2020.

ROSELLO, Marine. Declining the stereotype: ethnicity and representation in French cultures. Hanover: University Press of New England, 1998.

SACRAMENTO, Igor; MACHADO, Izamara Bastos. A imigração como risco para a saúde: uma análise das representações do imigrante africano na cobertura da Folha de S. Paulo sobre o ébola. Comunicação & Sociedade, n. 28, 2015, p. 25-47.

__________________; PAIVA, Raquel. Fake news, WhatsApp e a vacinação contra febre amarela no Brasil. MATRIZes, v. 14, n. 1, jan-abri. 2020, p. 79-106.

SILVA, Sandra. Teorias da conspiração: Sedução e Resistência a partir da Literacia Midiática. 2010. 87 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação), Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2010.

SAÚDE SEM FAKE NEWS. “Dados sobre coronavírus não divulgados e os hábitos alimentares chineses”. Disponível em: https://bit.ly/3aP2Hi2. Acesso em: 12 ago. 2020.

______________________. “Sopa de morcego”. Disponível em: https://bit.ly/3lcMisr. Acesso em: 12 ago. 2020.

VAN DIJK, Teun. Discurso e poder. São Paulo: Editora Contexto, 2008.

WAISBORD, Silvio. Truth is what happens to news: on journalism, fake news, and post-truth. Journalism Studies, v. 9, n. 13, 2018, p. 1866-1878.

________________. Fake health news in the new regime of truth and (mis)information. Reciis – Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, v. 14, n. 1, jan-mar. 2020, p. 6-11.

Downloads

Publicado

03-11-2020

Edição

Seção

Dossiê Comunicação & Inovação em Tempos de Pandemia