Centrais de Compras e de Serviços no Setor de Farmácias do Brasil: Alternativa para a Sobrevivência das Farmácias Independentes Face às Grandes Redes

Autores

  • Norival Mantovani USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul
  • Sergio Crispim USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol29n86.2145

Resumo

No setor de farmácias brasileiro, composto por mais de 55 mil unidades, observa-se uma polarização entre as grandes cadeias, caracterizadas por gestão profissionalizada e escala de compra, e os varejistas independentes. As farmácias independentes encontraram no associativismo, por meio das Centrais de Negócios, alternativa para competir com as grandes redes. Esta pesquisa, realizada junto a 426 gestores de farmácias que operam em associações, identificou por meio de análise fatorial exploratória as principais contribuições das associações para a competitividade face as redes: atendimento; imagem da rede; compras conjuntas; nível de informação; suporte operacional; e treinamento. O fator “compras conjuntas”, relacionado à escala de compra e que está na origem das associações em geral, já figura em terceiro plano, suplantado por outros serviços supridos, e caracterizando a evolução para o conceito de Centrais de Serviços. Os resultados evidenciaram que as associações possibilitam melhoria da competitividade das farmácias anteriormente independentes, segundo seus gestores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Norival Mantovani, USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Mestre em Administração pela USCS e professor de cursos de lato sensu

Sergio Crispim, USCS - Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Professor Livre Docente da USP; Professor do Programa de Mestrado e Doutorado da USCS - UNiversidade Municipal de São Caetano do Sul

Downloads

Publicado

10-10-2013