A SÍNDROME DE BURNOUT ESTÁ ASSOCIADA AO TRABALHO DOS AUDITORES INTERNOS?

Autores

  • Daniele Cristina Bernd Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
  • Ilse Maria Beuren Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol33n99.3408

Resumo

Este estudo objetiva mensurar os níveis de Burnout que auditores internos enfrentam em seu ambiente de trabalho. Trata-se de um estudo descritivo, realizado por meio de uma survey em uma amostra de 124 profissionais da área de auditoria interna no Brasil. O instrumento utilizado para a coleta de dados é o Maslach Burnout Inventory – General Survey (MBI-GS), com o intuito de estimar os níveis de incidência de sintomas de Burnout. Na análise dos dados utilizaram-se estatísticas descritivas, análises fatoriais, testes de confiabilidade e correlações, além do teste t. Os resultados da pesquisa evidenciaram a existência de níveis de Burnout nas dimensões “exaustão emocional”, “despersonalização” e “baixa realização pessoal”, nos níveis baixo, moderado e alto, mas com predominância de níveis baixos. Conclui-se que há necessidade de maiores cuidados com situações que propiciem a exaustão emocional, fator que mais apresentou tendências ao Burnout no ambiente de trabalho dos auditores internos pesquisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Cristina Bernd, Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina

Ilse Maria Beuren, Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Doutora em Controladoria e Contabilidade pela FEA/USP. Professora do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina

Downloads

Publicado

29-08-2017