(Re)significando o espaço como capital: contribuições de estudo junto à Rua Santa Juliana, Sete Lagoas, MG

Anderson De Souza Sant'Anna, Daniela Martins Diniz, FÁTIMA BAYMA DE OLIVEIRA

Resumo


Tomando como referência abordagens de Bourdieu (2010) e Jacobs (2011), este artigo visa a investigar de que forma diferentes agentes sociais – empreendedores locais, especialmente – se articulam e mobilizam distintos capitais (econômicos, sociais, culturais, simbólicos e espaciais) tendo em vista a produção de dinâmicas socioespaciais de diversidade e vitalidade. Para tal, foi conduzida pesquisa inspirada na TFD, em inglês Grounded Theory, envolvendo 41 entrevistas junto a atores inseridos na dinâmica de importante rua da periferia da cidade Sete Lagoas, MG. Como resultado da pesquisa empírica, verificou-se que os agentes sociais mobilizam o capital espacial como instrumento de diferenciação, além dos capitais econômico, social, cultural e simbólico já considerados em pesquisas anteriores (BOURDIEU, 2010). Outro achado deste estudo é que os sujeitos personificados nos diferentes tipos de empreendedores identificados – tradicionais, modernos e bricoleurs – não atuam em um vácuo socioespacial, nem são independentes uns dos outros.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13037/gr.vol33n98.4079

 

Indexadores de que a G&R faz parte:


   DOAJ OAIster OCLC Ulrich LiVre Redalyc  SUMARIOS.org LatindexProquest

 

A G&R utiliza o                software  iThenticate para detecção e  prevenção de plágio 
 

    
 
 
 
A G&R é signatária da Declaração        de São Francisco sobre Avaliação        de Pesquisa- Dora