O PERFIL DO EMPREENDEDOR E AS PRÁTICAS EMPRESARIAIS ASSOCIADAS À OFERTA DE CRÉDITO COMERCIAL INFORMAL

Autores

Palavras-chave:

Crédito Informal, Percepção de Risco, Micro e Pequenas Empresas.

Resumo

A economia informal é importante para as economias emergentes e, mesmo assim, é negligenciada pela literatura financeira, especialmente pesquisas que analisam operações de crédito feitas informalmente no mercado varejista, prática essa bastante utilizada pelas micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras. Assim, esse estudo tem como objetivo analisar a gestão da oferta de crédito comercial informal (CCI) em MPEs, com destaque para o perfil do empresário e as práticas empresariais associadas à sua adoção. Os resultados mostraram que a oferta de CCI é utilizado por quase 80% das empresas pesquisadas; que 43,5% delas não conseguiriam sobreviver sem sua adoção; e que, em mais de 60% das empresas que o utiliza, pelo menos, 20% do seu faturamento é obtido por meio da oferta de CCI. Observou-se também que a escolaridade do empresário, o faturamento da empresa e os custos relacionados às ações de cobranças estão associados à concessão do CCI e ao risco percebido pelo empresário na operação.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dany Rogers, Universidade Federal de Uberlândia

Professor de Finanças no curso de Administração da FACES na Universidade Federal de Uberlândia.

Pablo Rogers, Universidade Federal de Uberlândia

Professor de Finanças na FAGEN da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

ALLEN, L.; DeLONG, G.; SAUNDERS, A. Issues in the credit risk modeling of retail markets. Journal of Banking Finance, v. 28, n. 4, p. 727-752, 2004.

ALVARENGA, R. A. Estudos dos Fatores Contribuintes para a Mortalidade das Micro e Pequenas Empresas do Estado do Maranhão. International Journal of Innovation, v. 4, n. 2, p. 106-118, 2016.

ANDERLONI, L. et al. New frontiers in banking services: emerging needs and tailored products for untapped markets. New York: Springer, 2006.

BECKMAN, T. N.; OTTESON, S. F. Cases in credits and collections. LLC: New York, 1949.

BRASIL. Lei Complementar nº 123/2006, de 14 de dezembro 2006. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília: Poder Executivo, p. 1, 2006.

CROCCO, M. A.; SANTOS, F.; FIGUEIREDO, A. Exclusão financeira no Brasil: uma análises regional exploratória. Revista de Economia Política, v. 33, n. 3, p. 505-526, julho-setembro/2013.

IBGE. Brasil: censos demográficos. 2017. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/ituiutaba/panorama>. Acesso em: 11 de abril de 2019.

CAOUETTE, J. B.; ALTMAN, E.; NARAYANAN, P. Gesta?o de risco de cre?dito: o grande desafio dos mercados financeiros globais. Rio de Janeiro: Qualitymark SERASA, 2009.

DOUETTE, A.; LESAFFRE, D.; SIEBEKE, R. SMEs` credit guarantee schemes in developing and emerging economies: reflections, setting-up principles, quality standards. Deutsche Gesellschaft fur

Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH, 2012.

DOW, S. C. The Treatment of Money in Regional Economics. In: DOW, S. C. (ed.), Money and the Economic Process. Aldershot: Eglar, 1987.

GONZALEZ, L. et al. Inclusão financeira e correspondentes bancários no Brasil. Centro de Estudos em Microfinanças, São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, 2013.

GUIMARÃES, I.; NETO, A. Reconhecimento de padrões: metodologias estatísticas em crédito ao consumidor. Revista de Administração de Empresas, v. 1, n. 2, p. 01-14, Jul/Dez 2012.

KUMAR, A. (Coord.). BRASIL: acesso a serviços financeiros. Rio de Janeiro: Ipea, 2004. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/BrasilAcessoAosServicosFinanceiros.pdf. Acesso em: 17 de junho de 2020.

MINUSSI, J. A.; DAMACENA, C.; NESS JR.; W. L. Um modelo de previsão de solvência utilizando regressão logística. Revista de Administração Contemporânea, v. 6, n. 3, p. 109-128, 2002.

SANTOS, J. O. dos. Análise de crédito: empresa, pessoas físicas, agronegócio e pecuária. 6º ed. São Paulo: Atlas, 2015.

SANTOS, D. B.; MENDES-DA-SILVA, W; GONZALEZ, L. Deficit de alfabetização financeira induz ao uso de empréstimos em mercados informais. Revista de Administração de Empresas, v. 58, n. 1, p. 44-59, jan-fev 2018.

SCHNEIDER, F.; BUEHN, A.; MONTENEGRO, C. E. New estimates for the shadow economies all over the word. International Economic Journal, v. 24, n. 4, p. 443-461, 2010.

SEBRAE. Critérios e conceitos para classificação de empresas. 2013. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/uf/goias/indicadores-das-mpe/classificacao-empresarial> Acesso em: 23 de agosto de 2013.

SEBRAE (org). Anuário do trabalho nos pequenos negócios 2015. 8º ed. São Paulo, 2017. Disponível em: https://www.dieese.org.br/anuario/2017/anuarioDosTrabalhadoresPequenosNegocios.pdf. Acesso em: 11 de abril de 2019.

SEBRAE. Perfil das microempresas e empresas de pequeno porte. 2018. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/ro/artigos/perfil-das-microempresas-e-empresas-de-pequeno-porte-2018,a2fb479851b33610VgnVCM1000004c00210aRCRD. Acesso em: 28 de outubro de 2019.

SILVA, M. G. V.; FONSECA, Z. F.; BITARAIS, A. E. Um estudo sobre a administração do capital de giro nas micro e pequenas indústrias de fundição de Divinópolis, MG. Research, Society and Development, v. 7, n. 3, p. 01-14, 2018.

SMITH, P. Assessing the size of the underground economy: the statistics Canada Perspectives. Canadian Economic Observer, v. 7, n. 3, p. 16-33, 1994.

TORRE, A.; PERÍA, M.; SCHUMUKLER, S. Bank involvement with SMEs: Beyond relationship lending. Journal of Banking & Finance, v. 34, n. 9, p. 2280-2293, 2010.

Publicado

13-01-2021