RELAÇÃO ENTRE TAXA DE FALÊNCIAS DE EMPRESAS BRASILEIRAS E VARIÁVEIS MACROECONÔMICAS NO PERÍODO DE 2010 a 2020: um estudo econométrico utilizando vetores autorregressivos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol38n113.7022

Palavras-chave:

Falência, Variáveis macroeconômicas, Vetor auto regressivo, Porte.

Resumo

O objetivo do artigo é investigar como a taxa de falência de empresas brasileiras, segregadas por porte (pequenas, médias e grandes), se comporta frente a mudanças em variáveis macroeconômicas como PIB, câmbio, oferta de moeda, taxa de juros, comportamento do mercado acionário, abertura de novas empresas e taxa de inflação. Utilizando modelos de vetores auto regressivos (VAR) para uma amostra de janeiro de 2010 a dezembro de 2015, encontram-se evidências de que, para empresas médias e grandes, as medidas que promovem uma melhor saúde econômica, com crescimento do PIB e baixas taxas de câmbio, estão associadas a uma menor taxa de falência. Por outro lado, a taxa de falência das firmas de pequeno porte não possui sinergia com os demais portes, sugerindo uma dinâmica própria. Ainda, a falência das empresas brasileiras apenas passa a depender de fatores macroeconômicos depois que a firma superou uma barreira de tamanho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Bruscato Bortoluzzo, Insper Instituto de Ensino e Pesquisa

Doutora em Estatística - USP

Rodrigo Zalli Rodriguez, Insper -Instituto de Ensino e Pesquisa

Mestre em Economia – Insper

 

Maurício Mesquita Bortoluzzo, Saint Paul Escola de Negócios

Doutor em Administração – Mackenzie

Publicado

2022-01-10