Indicador estadual de ciência e tecnologia: uso da propriedade intelectual como uma proxy para inovação tecnológica

Autores

  • Bruno Gonçalves Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Laboratório de Administração Pública Aplicada (LAPA) https://orcid.org/0000-0002-3866-1870
  • Ricardo Universidade Federal de Sergipe - Laboratório de Economia Aplicada e Desenvolvimento Regional (LEADER)

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol37n111.7301

Palavras-chave:

Indicador, Ciência e Tecnologia, Espaço econômico, Região tecnológica

Resumo

O objetivo central deste artigo é propor a construção de um indicador estadual de Ciência e Tecnologia (C&T), que permita analisar a dinâmica regional da infraestrutura de C&T no período de 2000 a 2017. Foram utilizadas 10 variáveis para cada um dos 27 estados, buscando captar a capacidade de esforço dos setores público e privado em construir uma infraestrutura científica e tecnológica estadual capaz de gerar inovação. Para a construção do indicador, foi utilizada a técnica de estatística multivariada Análise dos Componentes Principais (ACP). A partir dos resultados encontrados, foi possível identificar dois estágios distintos de desenvolvimento dos estados quanto a suas capacidades de gerarem e assimilarem inovação tecnológica. Isso mostra que a concentração regional e inter-regional ainda é muito acentuada, apresentando elevados níveis de assimetria entre os estados e regiões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo, Universidade Federal de Sergipe - Laboratório de Economia Aplicada e Desenvolvimento Regional (LEADER)

Doutor em Economia de Empresas pela Fundação Getulio Vargas - SP (2004), mestre em Economia pela Universidade Federal do Ceará (1995) e bacharel em Economia pela Universidade Federal de Sergipe (1991). É professor associado da Universidade Federal de Sergipe (UFS), vinculado ao Departamento de Economia, ao Programa de Pós-Graduação em Economia e ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Propriedade Intelectual. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em crescimento econômico, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento regional, inovação e finanças. Foi chefe do Departamento de Economia (DEE/UFS), vice-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Economia (NUPEC/UFS) e coordenador do Centro de Inovação e Transferência de Tecnologia (CINTEC/UFS). Foi também presidente da Fundação de Apoio à Pesquisa e à Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (FAPITEC/SE) e vice-presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (CONFAP). Foi ainda Diretor de Cooperação Institucional do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Atualmente é Superintendente Executivo da Secretaria da Educação, do Esporte e da Cultura de Sergipe (SEDUC/SE).

Referências

ARROW, Kenneth J. The Economic Implications of Learning by Doing. The Review of Economic Studies, Vol. 29, No. 3 (Jun., 1962), pp. 155-173.

BAHIA, Domitila Santos e SAMPAIO, Armando Vaz. Diversificação e Especialização Produtiva na Geração de Inovação Tecnológica: Uma Aplicação para os Estados Brasileiros, Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v.12, n.3, p.109-134, jul/set 2015.

BOSCHMA, Ron. (2012). Evolutionary economic geography and its implications for regional innovation policy. Paper in Evolutionary Economic Geography. Urban and Regional Research Center. Utrecht University.

BRASIL, Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menu-servicos/patente/guia-basico-de-patente

________ Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada (IPEA). Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/Default.aspx

________ Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Disponível em: http://cnpq.br/indicadores1

_________ Ministério da Educação, Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni). Disponível em: http://reuni.mec.gov.br/o-que-e-o-reuni

COOKE, P. (2004). Regional innovation systems: an evolutionary approach. In: BARACZYK, H. P., COOKE, H. P.; HEIDENRIECH, R. (Ed.). Regional innovation systems. London, London University. CROW, Michael et al. Sistemas nacionais de inovação: em busca de um conceito viável. Technology in Society .Volume 15, Issue 2, 1993, p 207-227.

DIJKSTRA, Lewis. (2013). Why investing more in the capital can lead to less growth. Cambridge Journal of Regions, Economics and Society. Vol. 6, p. 251-268.

FELIPE, Ednilson Silva e FILHO, Arlindo Villaschi. Schumpeter, os Meo-schumpeterianos e as instituições: Conceito e papel numa economia dinâmica e globalizada. In: RAPINI, Márcia Siqueira; SILVA, Leandro Alves; ALBUQUERQUE, Eduardo da Mota e. Economia da ciência, tecnologia e inovação: fundamentos teóricos e a economia global. 1ª ed. Curitiba: Editora Prismas, 2017.

GARRETSEN, Harry et al. (2013). The Future of Regional Policy. Cambridge Journal of Regions, Economics and Society, Vol. 6, p. 179-186.

HAIR, Jr., J.F, ANDERSON, R.E, TATHAM, R.L, BLACK, W.C; trad. Adonai Schlup Sant’Anna e Anselmo Chaves Neto. Análise Multivariada de Dados. 5.ed. – Porto Alegre: Bookman, 2007.

LESÁKOVÁ, L. (2011). The process of forming the Regional Innovation Strategy. Acta Polytechnica Hungarica. Vol. 11, No. 1. Slovak.

KETELS, Christian. (2013). Recent research on competitiveness and cluster: what are the implication for regional policy. Cambridge Journal of Regions, Economics and Society. Vol. 6, p. 269-284.

KOSCHATZKY, Knut. (2009). The uncertainty in regional innovation policy: some rationales and tools for learning in policymaking. Working Paper Firms and Regions. Fraunhofer Institute for Systems and Innovation Research.

MCCANN, Philip et al. (2015). Modern Regional innovation policy. Cambridge Journal of Regions, Economics and Society. Vol. 6, p. 187-216.

MEYER, Martin. Does science push technology? Patents citing scientific literature. Research Policy 29 _2000. 409–434.

METCALFE, Stan; ROMLONGAN, Ronnie. (2008). Innovation systems and the competitive process in developing countries. The Quarterly Review of Economics and Finance 48 (2008), p. 433-436.

MONTENEGRO, R.L.G, DINIZ, B.P.C, SIMÕES, R.F. Ciência e Tecnologia versus estruturas estaduais: uma analise em dados em painel (2000-2010). Anais do XLII Encontro Nacional de Economia da ANPEC, 2016. Disponível em: http://econopapers.repec.org/paper/anpen2014/133.htm

MOURA, Ana Maria Mielniczuk e CAREGNATO, Sônia Elisa. Co-autoria em artigos e patentes: um estudo da interação entre a produção científica e tecnológica. Perspectivas em Ciência da Informação, v.16, n.2, p.153-167, abr/jun. 2011.

NEGRI, João Alberto De e MORAIS, José Mauro de. Análise da Evolução das Ações e Programas da FINEP no Apoio à Inovação Empresarial (2003-2014). Em: TURCHI Lenita Maria e MORAIS, José Mauro de. Políticas de Apoio à novação Tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea, 2017. 165.

bNELSON, R.; WINTER, S. G. (1982). An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University.

OCDE. Manual de Oslo – Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre Inovação. 3ª ed., Tradução FINEP, 2007. Disponivel em: http://www.fienep.org.br

ROCHA, Elisa Maria Pinto da e DOUFLOTH, Simone Cristina. Análise comparativa regional de indicadores de inovação tecnológica empresarial: contribuição a partir dos dados da pesquisa industrial de inavação tecnológica. Perspectivas em Ciência da Informação, v.14, n.1, p.192-208, jan/abr. 2009.

SCHUMPETER, J. The theory of economic development. Massachusetts: Havard University, 1934.

UYARRA, Elvira et al. (2017). Understanding regional innovation policy dynamics: actors, agency and learning. Environment and Planning C. Politics and Space. Vol. 35(4), p. 559-568.

VELHO, Léa Maria Strini. Estratégias para um sistema de indicadores de C & T no Brasil. Parcerias Estratégicas, n. 13 - dezembro 2001. Disponível: http://www.cgee.org.br/parcerias/p13.php

WINTER, S. G. (1984). Schumpeterian competition in alternative technological regimes. Journal of Economic Behaviour and Organization, v. 5, p. 287-320.

Publicado

13-05-2021

Edição

Seção

Artigos