AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL DO SANEAMENTO AMBIENTAL NO BRASIL: reflexões para o futuro do licenciamento ambiental no contexto da privatização do saneamento

reflections for the future of environmental licensing in the context of sanitation privatization

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7562

Palavras-chave:

Abastecimento de água, Licenciamento ambiental, Água, Saneamento básico, Avaliação de impacto ambiental

Resumo

Um projeto de lei, recentemente aprovado no congresso federal e encaminhado ao Senado, pode modificar o licenciamento do saneamento ambiental. O objetivo deste trabalho é explorar a evolução das legislações de avaliação de impacto ambiental para sistemas de saneamento ambiental de modo a fornecer subsídios técnicos ao novo marco do licenciamento ambiental no contexto de privatização do saneamento. Este estudo bibliográfico e documental analisa normas e resoluções representativas do quadro legal aplicável às questões ambientais e hídricas. Os resultados indicam que o Brasil possui amplo escopo legal em matéria ambiental e de recursos hídricos fundamental para garantir diretrizes para licenciar projetos potencialmente degradadores, como são os sistemas de esgoto sanitário e abastecimento de água. Ainda que se vislumbre um cenário de aumento desses projetos pelo novo marco legal de saneamento básico, o novo marco do licenciamento surpreende negativamente ao exclui-los do rol de iniciativas submetidas à avaliação de impacto ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Izabel Freitas Brandão, Universidade de São Paulo - sÃO PAULO - SP

Mestre em Engenharia Hidráulica e Ambiental no programa de pós-graduação em Engenharia Civil da Universidade de São Paulo com foco em planejamento e gestão ambiental. Formada em Engenharia Ambiental pela Universidade de Brasília. Estudou Engenharia Civil e Ambiental na Cardiff University em Cardiff/ Reino Unido de setembro de 2015 a agosto de 2016 pelo programa Ciências sem Fronteiras.

Amarilis Lucia Casteli Figueiredo Gallardo, Universidade de São Paulo; Universidade Nove de Julho

Livre-docência em Planejamento Ambiental pela Escola Politécnica da USP, em 2019. Pós-doutora em Ciências Ambientais pela School of Environmental Sciences da University of East Anglia (UK), em 2009. Doutora em Engenharia pela Escola Politécnica da USP, em 2004. Mestre em Engenharia pela Escola de Engenharia de São Carlos da USP, em 1996. Graduada em Geologia pela Unesp, em 1991. Professora Doutora do Programa de Mestrado em Cidades Inteligentes e Sustentáveis da Universidade Nove de Julho, desde 2012. Professora Associada do Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, desde 2013. Pesquisadora do Instituto de Pesquisas Tecnológicas, entre 1993 e 2013. Bolsista de produtividade CNPq em Planejamento Urbano e Regional, desde 2018. É Editora Adjunta da Revista Ambiente & Sociedade. Atua como consultora Ad-Hoc do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e da Capes. Atua como pesquisadora e integra o Conselho Deliberativo do Núcleo de Apoio à Pesquisa (NAP) USP Cidades. Atualmente é diretora administrativa da Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica (FCTH). É supervisora de pós-doutorado no USP Cidades Globais do Instituto de Pesquisas Avançadas (IEA) da USP. Desenvolve e orienta pesquisas na área de planejamento e gestão ambiental, com ênfase nos instrumentos de avaliação de impacto (avaliação de impacto ambiental, avaliação ambiental estratégica e avaliação de impactos cumulativos) e de planejamento ambiental aplicado ao planejamento urbano, integrando a agenda de serviços ecossistêmicos na tomada de decisão.

Referências

ANTUNES, P. D. B. Direito Ambiental. 21. ed. São Paulo: Atlas, v. I, 2020.

ARAÚJO, S.; FELDMANN, F. A mãe de todas as boiadas. O Globo, 11 Maio 2021. Disponivel em: <https://blogs.oglobo.globo.com/opiniao/post/mae-de-todas-boiadas.html>.

BITTENCOURT, V.; PEREIRA, D. E. S. A Evolução Legislativa Brasileira Frente à Problemática da Água. Revista Brasileira de Direito, v. 10, n. 1, p. 95-105, 2014. Disponivel em: <https://doi.org/10.5335/rjd.v27i1.4564>. DOI: https://doi.org/10.18256/2238-0604/revistadedireito.v10n1p95-105

BRAGAGNOLO, C. E. A. Streamlining or sidestepping? Political pressure to revise environmental licensing and EIA in Brazil. Environmental Impact Assessment Review, v. 65, p. 86-90, 2017. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.eiar.2017.04.010>. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eiar.2017.04.010

BRASIL. Lei nº 6938, de 31 de Ago. de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências, Brasília, Ago 1981. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6938.htm>. Acesso em: 2 julho 2020.

BRASIL. Projeto de Lei 3729 de 8 de junho de 2004. Dispõe sobre o licenciamento ambiental, regulamenta o inciso IV do § 1º do art. 225 da Constituição Federal, e dá outras providências., Brasília, 2004. Disponivel em: <https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=257161>. Acesso em: 27 setembro 2019.

BRASIL. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007., Brasília, 2007. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm>. Acesso em: 20 junho 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988, Brasília, 2020. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 2 julho 2020.

BRITES, A. P. Z. Enquadramento dos Corpos de Água Através de Metas Progressivas: Probabilidade de Ocorrência e Custos de Despoluição Hídrica. Tese (Doutorado em Engenharia) - USP, São Paulo, 2010. Disponivel em: <https://doi.org/10.11606/T.3.2011.tde-19012011-100828>.

DE SOUZA ABESSA, D. M.; AMBROZEVICIUS, A. P. Government initiative and policies on water conservation and wastewater treatment in Brazil, p. 215-231, 2020. Disponivel em: <https://doi.org/10.1016/B978-0-12-818339-7.00010-2>. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-12-818339-7.00010-2

FONSECA, A. et al. Nota Técnica - Projeto de Lei Geral do Licenciamento Ambiental: análise crítica e propositiva do projeto de lei à luz das boas práticas internacionais e da literatura científica, 2019. Disponivel em: <https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/grupos-de-trabalho/56a-legislatura/licenciamento-ambiental/documentos/manifestacoes-recebidas/2019.08.02%20-%20ABAI%20-%20Nota%20Tecnica%20II.pdf>. Acesso em: 8 julho 2020.

FONSECA, A.; RODRIGUES, S. E. The attractive concept of simplicity in environmental impact assessment: Perceptions of outcomes in southeastern Brazil. Environmental Impact Assessment Review, v. 67, p. 101-107, Novembro 2017. Disponivel em: <https://doi.org/10.1016/j.eiar.2017.09.001>. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eiar.2017.09.001

FONSECA, A.; SÁNCHEZ, L. E.; RIBEIRO, J. C. J. Reforming EIA systems: A critical review of proposals in Brazil. Environmental Impact Assessment Review, v. 62, p. 90-97, 2017. Disponivel em: <https://doi.org/10.1016/j.eiar.2016.10.002>. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eiar.2016.10.002

FONSECA, I. F. D.; BURSZTYN, M.; MOURA, A. M. M. D. Conhecimentos técnicos, políticas públicas e participação: o caso do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Revista de Sociologia e Política, v. 20, n. 42, p. 183-198, 2012. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/S0104-44782012000200013>. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-44782012000200013

GASPAR, C.; SANTOS, S. M. D.; SOUZA, M. M. P. D. Boas práticas em estudos ambientais para processos simplificados de avaliação de impacto ambiental. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 53, p. 227-249, 2020. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.5380/dma.v53i0.62244>. DOI: https://doi.org/10.5380/dma.v53i0.62244

GRANGEIRO, E. L. D. A. Integração de políticas públicas no Brasil: o caso dos setores de recursos hídricos, urbano e saneamento. Cadernos Metrópole, São Paulo, v. 22, n. 48, p. 417-434, 2020. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/2236-9996.2020-4804>. DOI: https://doi.org/10.1590/2236-9996.2020-4804

HANNA, P. et al. Improving the effectiveness of impact assessment pertaining to Indigenous peoples in the Brazilian environmental licensing procedure. Environmental Impact Assessment Review, v. 46, p. 58-67, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eiar.2014.01.005

IAIA, I. A. F. I. A. Principles of Environmental Impact Assessment Best Practices, Fargo, 1999. Disponivel em: <https://www.iaia.org/best-practice.php>. Acesso em: 12 julho 2020.

KAYSER, G. L. . A. U. . D. F. . B. J. . B. M. E. Drinking water quality governance: A comparative case study of Brazil, Ecuador, and Malawi. Environmental science & policy, v. 48, p. 186-195, 2015. Disponivel em: <https://doi.org/10.1016/j.envsci.2014.12.019>. DOI: https://doi.org/10.1016/j.envsci.2014.12.019

KIRCHHOFF, D. et al. Limitations and drawbacks of using Preliminary Environmental Reports (PERs) as an input to Environmental Licensing in São Paulo State: a case study on natural gas pipeline routing. Environmental Impact Assessement Review, v. 27, n. 4, p. 301-318, 2007. Disponivel em: <https://doi.org/10.1016/j.eiar.2006.11.003>. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eiar.2006.11.003

MELLO, M. F. D. Privatização do setor de saneamento no Brasil: quatro experiências e muitas lições. Economia Aplicada, v. 9, n. 3, p. 495-517, 2005. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/S1413-80502005000300009 >. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-80502005000300009

MONTAÑO, M.; DE SOUZA, M. P. Impact assessment research in Brazil: achievements, gaps and future directions. Journal of Environmental Assessment Policy and Management, v. 17, p. 1550009-1, 2015. Disponivel em: <https://doi.org/10.1142/S146433321550009X>. DOI: https://doi.org/10.1142/S146433321550009X

MURTHA, N. A.; CASTRO, J. E.; HELLER, L. Uma perspectiva histórica das primeiras políticas públicas de saneamento e de recursos hídricos no Brasil. Ambiente & Sociedade, v. 18, n. 3, p. 193-210, 2015. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC1047V1832015.>. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422ASOC1047V1832015

NASCIMENTO, T.; ABREU, E. L.; FONSECA, A. Descentralização do Licenciamento e da Avaliação de Impacto Ambiental no Brasil: Regulação e Estudos Empíricos. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 23, 2020. ISSN 1809-4422. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc20180266r2vu2020l1ao >. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc20180266r2vu2020l1ao

NASCIMENTO, T.; FONSECA, A. A descentralização do licenciamento ambiental na percepção de partes interessadas de 84 municípios brasileiros. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 43, 2017. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.5380/dma.v43i0.54177>. DOI: https://doi.org/10.5380/dma.v43i0.54177

OIT, O. I. D. T. Convenção 169 da OIT sobre povos indígenas e tribais, Genebra, 7 junho 1989. Disponivel em: <https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_236247/lang--pt/index.htm>. Acesso em: 28 junho 2020.

OLIVEIRA, F. S. D. . P. F. J. F. . R. C. F. F. Licenciamento ambiental simplificado na região sudestes brasileira: conceitos, procedimentos e implicações. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 38, p. 461-479, 2016. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.5380/dma.v38i0.42297>. DOI: https://doi.org/10.5380/dma.v38i0.42297

OLIVEIRA, J. L. D. M.; AL, E. Os desafios do saneamento como promoção da saúde da população brasileira, 2020. 4-5. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042019s300

PORTO, M. F. A.; PORTO, R. L. L. Gestão de bacias hidrográficas. Estudos avançados, v. 22, n. 63, p. 43-60, 2008. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/S0103-40142008000200004 >. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142008000200004

RAVENA, N. Trajetórias Virtuosas na Regulação da Água no Brasil: os Pressupostos Inovadores do Código da Águas. Papers do NAEA (UFPA), 2008.

ROSSONI, H. A. V. et al. Aspectos socioeconômicos e de desenvolvimento humano municipal determinantes na ausência de prestadores de serviços de esgotamento sanitário no Brasil. Engenharia Sanitaria e Ambiental, v. 25, n. 2, p. 393-402, 2020. Disponivel em: <https://doi.org/10.1590/s1413-41522020183887>. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-41522020183887

RUARO, R.; FERRANTE, L.; FEARNSIDE, P. M. Brazil's doomed environmental licensing. Science, 372, n. 6546, 2021. 1049-1050. DOI: https://doi.org/10.1126/science.abj4924

SÁNCHEZ, L. E. Development os Environmental Impact Assessment inBrazil. UVP Report, v. 27, p. 193-200, 2013.

SÁNCHEZ, L. E. Por que não avança a avaliação ambiental estratégica no Brasil? Estudos Avançados, 31, n. 89, 2017. 167-183. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890015

SÁNCHEZ, L. E.; FONSECA, A.; MONTAÑO, M. Nota Técnica - Proposta de Lei Geral do Licenciamento Ambiental: análise crítica e propositiva da terceira versão do projeto à luz das boas práticas internacionais e da literatura científica. School of Environment, Resources and Sustainability/University of Waterloo, Waaterloo (Canadá), 2019. Disponivel em: <https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/grupos-de-trabalho/56a-legislatura/licenciamento-ambiental/documentos/manifestacoes-recebidas/2019-08-02-abai-nota-tecnica-3a-versao>.

SOUSA, A. C. A. D. O que esperar do novo marco do saneamento. Cadernos de Saúde Pública, 36, n. 12, 2020. e00224020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00224020

SOUSA, A. C. A. D.; COSTA, N. D. R. Política de saneamento básico no Brasil: discussão de uma trajetória. História, Ciências, Saúde- Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 615-634, 2016. Disponivel em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702016000300002>. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702016000300002

TAMBELLINI, A. T. Environmental Licensing in Brazil-an emerging country and power. Ciencia & saude coletiva, v. 17, n. 6, p. 1399-1403, 2012. Disponivel em: <10.1590/S1413-81232012000600003>. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000600003

TUCCI, C. E. M. Desenvolvimento institucional dos recursos hídricos no Brasil. Revista de Gestão de Água da América Latina (REGA), v. 2, n. 2, p. 81-93, 2005.

TURCO, L. E. G.; GALLARDO, A. L. C. F. Avaliação de Impacto Ambiental e Avaliação Ambiental Estratégica: há evidências de tiering no planejamento de transportes paulista? Gestão & Regionalidade, 34, n. 101, 2018. DOI: https://doi.org/10.13037/gr.vol34n101.3878

WORLD BANK. Environmental Licensing for Hydroelectric Projects in Brazil : A Contribution to the Debate. Relatório Síntese, Washington, DC, 2008. Disponivel em: <https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/7854>. Acesso em: 12 junho 2020.

Publicado

2023-01-09

Como Citar

Freitas Brandão, I., & Lucia Casteli Figueiredo Gallardo, A. (2023). AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL DO SANEAMENTO AMBIENTAL NO BRASIL: reflexões para o futuro do licenciamento ambiental no contexto da privatização do saneamento: reflections for the future of environmental licensing in the context of sanitation privatization. Gestão & Regionalidade, 39(116). https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7562