ANÁLISE DA INOVAÇÃO NO SEGMENTO DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA: Uma aplicação do radar da inovação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol38n115.7568

Palavras-chave:

Inovação, Radar da Inovação, Indústria de cerâmica vermelha

Resumo

O objetivo desse artigo é analisar o grau de inovação organizacional das indústrias de cerâmica da cidade de Itajá/RN. A pesquisa se configurou como uma abordagem exploratória e descritiva, no qual, por meio da realização de entrevistas semiestruturadas com os gestores de oito empresas do segmento, estas foram analisadas quanto as treze dimensões do Radar da Inovação. Os resultados obtidos apontam para a inexistência da realização de grandes inovações nessas empresas nos últimos anos; sendo as medidas adotadas de caráter pontual e não sistemáticas, visando apenas a correção e otimização de funções administrativas e operacionais. Apesar disso, as conclusões indicam que é possível verificar o quanto as indústrias de cerâmica estão aplicando algumas ações necessárias para se manterem competitivas no mercado, por meio das poucas medidas implantadas por cada uma delas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanderson Breno Cabral da Silva, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA)

Técnico em Meio Ambiente pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Ipanguaçu/RN (2017). Atualmente é discente da Universidade Federal Rural do Semi Árido, Mossoró/RN, no curso de Administração.

Ana Maria Magalhães Correia, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutora em Administração pela PUC/PR

Professora de Administração da Universidade Federal da Paraíba - UFPB Campus IV Litoral Norte

Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas - CCAE

Departamento de Ciências Sociais Aplicadas - DCSA

Referências

ABCERAM – Associação Brasileira de Cerâmica. Cerâmica no Brasil: considerações gerais. 2011. Disponível em:<https://abceram.org.br/consideracoes-gerais//>. Acesso em: 10 jun. 2020.

ALMEIDA, L.; MIGUEL, P. C.; DA SILVA, M. T. Uma revisão da literatura sobre “servilizarão”: bases para a proposição de um modelo conceitual de decisão. Exacta, v. 9, n. 3, p. 339-354, 2011. DOI: https://doi.org/10.5585/exacta.v9i3.3115

ANDERSON, J.; NARUS, J. Business Market Management: understanding, creating and delivering value. New Jersey: Prentice-Hall, 1999. DOI: https://doi.org/10.1108/08858629910272265

ANICER – Associação Nacional da Indústria Cerâmica. Relatório Anual. ANICER, 2015. 39 p. Disponível em: <https://www.anicer.com.br/wp-content/uploads/2016/11/relatorio_2015.pdf>. Acesso em: 20 mai. 2020.

ANICER - Associação Nacional da Indústria Cerâmica. A cerâmica vermelha do Brasil.

ANICER, 2014. 2p. Disponível em: <https://www.anicer.com.br/wp-content/uploads/2014/08/Release_Setor.pdf>. Acesso em: 23 abr. 2020.

ARAÚJO, A. K.; ARAÚJO, R. M. A inovação de processos: um estudo no segmento de restaurante. CULTUR: Revista de Cultura e Turismo, v. 7, n. 3, p. 176-196, 2013.

ARAÚJO, J. B. Uso de redes sociais virtuais por empresas sob a ótica do modelo de adoção de inovação. 2013. 171 f. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação da Universidade Nove de Julho – UNINOVE, 2013.

BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H. Metodologia para estimar o grau das inovações nas MPE. Curitiba, 2008. Disponível em: <http://www.bachmann.com.br/website/documents/ArtigoGraudeInovacaonasMPE.pdf.> Acesso em: 12 abr. 2020.

BARBOSA, J. D.; TEIXEIRA, R. M. Gestão estratégica nas empresas de pequeno e médio porte. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 31-42, julho/setembro, 2003.

BRAX, S. A manufactures becoming service provider: challenges and a paradox. Management Service Quality, v. 15, n. 2, p. 142-155, 2005. DOI: https://doi.org/10.1108/09604520510585334

CARVALHO, G. D. G., et al. Radar da inovação como ferramenta para o alcance de vantagem competitiva para micro e pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, v. 12, n. 4, p. 162-186, 2015. DOI: https://doi.org/10.11606/rai.v12i4.101898

CAVALCANTI FILHO, A. M.; OLIVEIRA, M. R. G.; CAVALCANTI, A. M. Análise do desempenho em inovação das micro e pequenas empresas de TIC em Pernambuco. Revista Brasileira de Administração Científica, v. 3, n. 2, p. 41-56, 2012. DOI: https://doi.org/10.6008/ESS2179-684X.2012.002.0003

COELHO, M. I. B. A. Gestão da inovação para pequenas empresas: um estudo no setor de alimentos do estado das Amazonas. 2012. 128 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia de Produção, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

CUNHA, N. C. V.; CARVALHO, M. S. C.; BARTONE, A. L. C. Estudo do radar da inovação em três empresas do segmento de autopeças de Sorocaba. Pensamento & Realidade, v. 30, n. 1, p. 3-20, 2015.

CTGAS-ER. Diagnóstico da indústria de cerâmica vermelha do estado do Rio Grande do Norte. 2011. Disponível em: https://slideplayer.com.br/slide/10241739/. Acesso em: 3 mar. 2020.

AGORA RN. Empresários da cerâmica vermelha se reúnem para discutir prioridades até o fim do ano. 2018. Disponível em:<https://agorarn.com.br/economia/empresarios-da-ceramica-vermelha-se-reunem-para-discutir-prioridades-ate-o-fim-do-ano/>. Acesso em: 5 mai. 2020.

ENSSLIN, L., et al. Identificação das necessidades do consumidor no processo de desenvolvimento de produtos: uma proposta de inovação ilustrada para o segmento automotivo. Produção. São Paulo. Impresso, v. 21, n. 4, p. 555-569, 2011. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-65132011005000052

ETENE - Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste. Informe setorial cerâmica vermelha. 2010. Elaborada pelo Banco do Nordeste. Disponível em: <http://www.banconordeste.gov.br/documents/88765/89729/ano4_n21_informe_setorial_ceramica_vermelha.pdf/66eb35dc-dd49-420d-a921-26e9efc320d9>. Acesso em: 03 jun. 2020.

FARIAS, C. J. L., et al. Metodologia para mensurar o impacto da inovação nas atividades empresariais. In: ANPROTEC - XXIII Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Anais... XXIII – Seminário da ANPROTEC, Recife/PE, p. 22, 2014.

FELDENS, M. A.; MACCARI, E. A.; GARCEZ, M. P. Barriers for production innovation in small and medium technology-based firms in Brazil. Brazilian Business Review, v. 9, n. 3, p. 1-22, 2012. DOI: https://doi.org/10.15728/bbr.2012.9.3.1

HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. Administração estratégica: competitividade e globalização. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 442 p.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de Marketing. 14. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

MATESCO, V. R. Inovação tecnológica nas empresas brasileiras: a diferenciação competitiva e a motivação para inovar. 1993. 384 f. Tese (Doutorado) - Universidade federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1993.

MENDONÇA, B. M. O. Grau de inovação e a maturidade da gestão de inovação: estudo de caso: empresa de pesquisa Research company. 2014. 47 f. Monografia (Especialização) - Curso de Marketing, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2014.

MME – MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA. Análise-síntese da transformação mineral no Brasil. Relatório nº 79. Brasília: SGM, 2009. Disponível em: http://www.mme.gov.br/documents/36108/449811/Relat%C3%B3rio+N%C2%B079+An%C3%A1lise+S%C3%ADntese+da+Transforma%C3%A7%C3%A3o.pdf/23ba3965-b544-c1d9-8ff0-18c741057c02. Acesso em 20 de mai. 2020.

NASCIMENTO, J. A. O circuito espacial da indústria de cerâmica vermelha no Seridó Potiguar. 2011. Dissertação (Mestrado) - Mestrado em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, 2011.

NÉTO, A. T.S.; TEIXEIRA, R. M. Mensuração do grau de inovação de Micro e Pequenas Empresas: estudo em empresas da cadeia têxtil-confecção em Sergipe. RAI: Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 3, p. 205-229, 2011.

NÉTO, A. T. S. Mensuração do grau de inovação em micro e pequenas empresas do estado de Sergipe. Dissertação (mestrado) - Mestrado em desenvolvimento regional e gestão de empreendimentos locais, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão/SE, 2012.

NÉTO, A. T. S.; TEIXEIRA, R. M. Inovação de micro e pequenas empresas: mensuração do grau de inovação de empresas participantes do Projeto Agentes Locais de Inovação. BBR-Brazilian Business Review, v. 11, n. 4, p. 1-29, 2014.

OCDE - Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Brasília: FINEP, 2005. Disponível em: < https://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2020.

OLIVEIRA, F. E. M. Acompanhamento da produção industrial em cerâmica da microrregião do vale do Assu: estudo de caso, 2011. Monografia (Graduação) – Bacharelado em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal Rural do Semi-Árido – Angicos-RN, 2011.

OLIVEIRA, M. R. G., et al. Mensurando a inovação por meio do grau de inovação setorial e do característico setorial de inovação. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 1, p. 114-137, 2014. DOI: https://doi.org/10.5773/rai.v11i1.1120

PAREDES, B. J. B.; SANTANA, G. A.; FELL, A. F. A. Um estudo de aplicação do radar da inovação: o grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal-mecânico. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, v. 4, n. 1, p. 76-88, 2014. DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2014.v4n1.p76-88.137

PORTAL DA INDÚSTRIA. Composição setorial: participação percentual do setor no PIB industrial. 2018. Disponível em: <http://perfildaindustria.portaldaindustria.com.br/composicao_setorial?&c2=br&c3=br>. Acesso em: 23 mai. 2020.

REINALDO FILHO, L. L; BEZERRA, F. D. Informe Setorial de Cerâmica Vermelha. ETENE/BNB, out. 2010.

SAWHNEY, M.; WOLCOTT, R. C. e ARRONIZ, I. The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan Management Review, vol. 47, n. 3, p. 74-81, 2006.

SANTOS, M. J. B. A indústria ceramista em Carnaúba dos Dantas-RN. 2015. 90 f. Dissertação (mestrado) - Ciências Naturais, Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2015.

SCHUMPETER, J. A. A teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. São Paulo: Nova Cultural, 1984.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Cerâmica vermelha: panorama do mercado no Brasil. Sebrae, 2015. 5 p. Disponível em: <http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/ARQUIVOS_CHRONUS/bds/bds.nsf/b877f9b38e787b32594c8b6e5c39b244/$File/5846.pdf>. Acesso em: 01 mai. 2020.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Razões para registrar uma marca. 2016. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/razoes-para-registrar-uma-marca,fc3a634e2ca62410VgnVCM100000b272010aRCRD>. Acesso em: 15 jun. 2020.

SEBRAE/SP - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas/SP. Inovação e competitividade nas MPEs brasileiras. São Paulo: SEBRAE, 2009. Disponível em: https://m.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/SP/Pesquisas/inovacao_competitividade_mpes_brasil_2009.pdf. Acesso em: 5 de mar. 2020.

SIMÕES, L. C. et al. Radar da inovação: um estudo de caso das prestadoras de serviço de Brasília/DF. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 4, n. 2, p. 133-152, 2015. DOI: https://doi.org/10.14211/regepe.v4i2.167

TIGRE, P. B. Gestão da inovação. Rio de Janeiro: Campus, p. 349-69, 2006.

TOMAÉL, M. I.; ALCARÁ, A. R.; DI CHIARA, I. Das redes sociais à inovação. Ciência da informação, v. 34, n. 2, p. 93-104, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652005000200010

VANDERMERWE, S.; RADA, J. Servitization of business: adding value by adding services. European Management Journal, v. 6, n. 4, p. 314-24, 1988. DOI: https://doi.org/10.1016/0263-2373(88)90033-3

Publicado

2022-09-01

Como Citar

Cabral da Silva, W. B. ., & Magalhães Correia, A. M. (2022). ANÁLISE DA INOVAÇÃO NO SEGMENTO DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA: Uma aplicação do radar da inovação. Gestão & Regionalidade, 38(115). https://doi.org/10.13037/gr.vol38n115.7568

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.