ANÁLISE ESCALAR DO DESENVOLVIMENTO NAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O ARRANJO E SITEMA PRODUTIVO E INOVATIVO LOCAL - Aspil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7623

Palavras-chave:

ASPIL Políticas Públicas Escalas

Resumo

Este artigo analisa as políticas públicas de fomento do Arranjo e Sistema Produtivo e Inovativo Local - ASPIL de artefatos e confecções de algodão colorido da Paraíba, a partir da perspectiva escalar do desenvolvimento. Para tanto, foi traçada uma pesquisa usando um campo, com aplicação de entrevistas e questionários na coleta de dados, além de revisão da literatura. Verificou-se que o ASPIL aqui analisado se desenvolveu a partir de estratégias de órgãos públicos locais. Contudo, depois de 2010, a falta de políticas públicas de apoio ao arranjo culminou no alargamento de entraves. Mesmo assim, as empresas do arranjo têm se destacado no cenário da moda internacional, devido às parcerias com os atores da escala macro. Por outro lado, desde 2016, tem sido estruturada uma política pública com visão multi-escalar de fomento aos arranjos, por se entender que, a análise a partir das escalas proporcionam a orientação das políticas de desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thayse Andrezza Oliveira Do Bu Araújo, Universidade Federal da Paraíba - Brasil

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Campina Grande (2014). Especialista em Gestão Ambiental (2015) e Especialista em Economia (2016), ambos pela Faculdade Internacional Signorelli. Especialista em Gestão Pública pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB (2018). Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (2018).  Professora de economia e finanças da UEPB. Tem experiência na área de Economia do Setor Público, Teoria Econômica, Finanças Corporativas, Teorias do Desenvolvimento, principalmente, trabalhando com os conceitos de Desenvolvimento Local e Desenvolvimento Sustentável aos Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos Locais.

Ângela Maria Cavalcanti Ramalho, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) - Brasil

Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Federal da Paraíba (1984) e Mestre em Sociologia Rural pela Universidade Federal da Paraíba (1997). Doutora em Recursos Naturais pela Universidade Federal de Campina Grande(2011). Professora titular da Universidade Estadual da Paraíba, no Departamento de Ciências Sociais, com experiência na área de Metodologia Científica,Método e Técnica de Pesquisa e Sociologia,com ênfase em Metodologia Científica. Professora Permanente do Mestrado em Desenvolvimento Regional(UEPB). Coordenadora do Mestrado em Desenvolvimento Regional - UEPB. Professora Permanenete do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais (UFCG).Professora Pesquisadora do Grupo de Pesquisa: Trabalho, Políticas e Desenvolvimento Regional (CNPq-UEPB) e Grupo de Pesquisa:Gestão, Inovação e Tecnologia (GEGIT- CNPQ-UFCG).Coordenadora do Grupo de Estudo do Consumo (GEGIT- UFCG.É Avaliadora de artigos da Revista Sociedade & Natureza da Universidade Federal de Uberlândia, Qualis Capes B2. É revisora de texto da Revista Eletrônica da Academia Brasileira de Direito Constitucional.Tem experiência na área de Responsabilidade Social e Ética, Desenvolvimento Local Sustentável, Economia Solidária, Consumo sustentável.

Referências

ABRANTES, J. S. (Des)envolvimento Local em Regiões Periféricas do Capitalismo: Limites e Perspectivas no Caso do Estado do Amapá (1966 a 2006). 1. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2014.

ALBUQUERQUE, E. M. Sistema nacional de inovação no Brasil: uma análise introdutória a partir de dados disponíveis de ciência e tecnologia. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 16, n. 3, p.56-72, 1996. DOI: https://doi.org/10.1590/0101-31571996-0891

ALBUQUERQUE, F.; ZAPATA, T. Importância de Estratégia de Desenvolvimento Local/Territorial. In: DOWBOR, Ladislau; POCHMANN, Márcio (Orgs.). Políticas para o Desenvolvimento Local. São Paulo: Fundação Perseu Abrano, 2008.

ALCANTARA, M. N. P. A.; KNEIB, E. C. Urbanismo: da experiência de ensino ao produto da aprendizagem em um caso aplicado ao campus da Universidade Federal de Goiás. Políticas Públicas & Cidades, v. 6, jul. 2018. Disponível: https://rppc.emnuvens.com.br/RPPC/article/view/247 . Acesso em: abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.23900/2359-1552v6n1/09

AMARAL FILHO, J do. Sistemas e arranjos produtivos locais. Planejamento e políticas públicas, Brasília, n. 36, p.171-212, jan./jun. 2011. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/viewFile/226/206. Acesso em: maio 2020.

BARROSO, J. A.; SOARES, A. A. C. O impacto das políticas públicas no desenvolvimento de arranjos produtivos locais: o caso do APL de ovinocaprinocultura em Quixadá, Ceará. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n..6, p. 1435-1457, nov./dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v43n6/10.pdf . Acesso em: fev. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-76122009000600010

BRANDÃO, C. Pactos em territórios: escalas de abordagem e ações pelo desenvolvimento. O&S, Salvador, v.15, n.45, p.145-157, abril/jun. 2008a. Disponível em: http://carlosbrandao.org/publicacoes/#.WYRifRUrK00 . Acesso em: jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/S1984-92302008000200011

______. Desenvolvimento, Territórios e Escalas Espaciais: levar na devida conta as contribuições da economia política e da geografia crítica para construir a abordagem interdisciplinar. In: RIBEIRO, Maria Teresa Franco; MILANI, Carlos R. S. (Orgs.). Compreendendo a complexidade sócioespacial contemporânea: o território como categoria de diálogo interdisciplinar. Salvador: Editora da UFBA, 2008b. Disponível em: http://carlosbrandao.org/publicacoes/#.WYRifRUrK00 . Acesso em: jun. 2017.

¬¬¬¬¬¬______. Território e Desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e global. 2 ed. Campinas, SP: Unicamp, 2012. Disponível em: http://carlosbrandao.org/publicacoes/#.WYRifRUrK00. Acesso em: jun. 2017.

BRASIL. Decreto nº 9.810, de 30 de maio de 2019. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Regional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Decreto/D9810.htm#art19. Acesso em: abr. 2020.

_____. Ministério da Economia. APL. Disponível em: <https://www.gov.br/produtividade-e-comercio-exterior/pt-br/assuntos/competitividade-industrial/arranjos-produtivos-locais-apl>. Acesso em: jan. 2021.

BU, T. A. O. do. O ASPIL de artefatos e confecções de algodão colorido da Paraíba e o desenvolvimento local integrado e sustentável. 2018, 209f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional - PPGDR) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande-PB, 2018.

CAVALCANTI FILHO, P. F. et al. Análise do Mapeamento e das Políticas para Arranjos Produtivos Locais no Norte, Nordeste e Mato Grosso e dos Impactos dos Grandes Projetos Federais no Nordeste. Relatório técnico, 2008, 116p. Nota Técnica 07. Disponível em: http://www.politicaapls.redesist.ie.ufrj.br/ . Acesso em: nov. 2018.

CAVALCANTI FILHO, P. F. Tipologias para APLS: uma proposta teórico-metodológica. Relatório técnico, 2012, 45p. Nota Técnica 4. Disponível em: https://www.cidades.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/12/2012/04/nota_tec-4_tipol-apls.pdf. Acesso em: jun. 2017.

COSTA, E. J. M. da. Arranjos Produtivos Locais, Políticas Públicas e Desenvolvimento Regional. Brasília: Mais Gráfica Editora, 2010. Disponível em: file:///C:/Users/Downloads/Livro_APL.pdf . Acesso em: fev. 2016.

DEMENTSHUK, M. Plataforma digital mapeará oportunidades econômicas. UNIÃO. João Pessoa, 29, setembro, 2019. Disponível em: https://paraiba.pb.gov.br/diretas/secretaria-da-educacao-e-da-ciencia-e-tecnologia/horizontes-da-inovacao/arquivos/a-uniao/plataforma-digital-mapeara-oportunidades-economicas-29-09-19.pdf/. Acesso em: maio 2020.

FARIAS, P. S. C. Os circuitos espaciais de produção e os círculos de cooperação do algodão colorido e derivados da Paraíba (2000-2008): uma dimensão geográfica da flexibilização do produto, da produção e do consumo de moda, fibras, têxteis e confecções. 2010, 309 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Pernambuco. Recife-PE, 2010.

GONDIN, P. R. Políticas Públicas para Arranjos Produtivos Locais: os Casos dos APLS de Móveis de Uberlândia e de Biotecnologia de Uberaba. 2011, 154 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011.

GUIMARÃES, R. G. Políticas públicas para arranjo produtivo local: o caso do APL DE têxteis e confecções de Cuiabá e Várzea Grande/MT. In: CONFERÊNCIA INTERNACIONAL LALICS 2013, 11 e 12 de nov. 2013, Rio de Janeiro, Brasil. Anais Sistemas Nacionais de Inovação e Políticas de CTI para um Desenvolvimento Inclusivo e Sustentáveis, 2013. Disponível: http://www.redesist.ie.ufrj.br/lalics/papers/106Politicas_Publicas_para_Arranjo_Produtivo_Local_O_caso_do_APL_de_Texteis_e_Confeccoes_de_Cuiaba_e_Varzea_GrandeMT.pdf . Acesso em: out. 2016.

LIRBORIO, L. F. O circuito espacial de produção do algodão naturalmente colorido na Paraíba- Brasil. 2017. 293f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo-SP, 2017.

MATOS, M. P. de.; CASSIOLATO, J. E.; PEIXOTO, F. O referencial conceitual e metodológico para a análise de Arranjos Produtivos Locais. In: MATOS, M. P. de. et al. (Org.). Arranjos produtivos locais: referencial, experiências e políticas em 20 anos da Redesist. 1. ed. Rio de Janeiro: E-Papers, 2017. 470 p. Cap. 2. Disponível em: < http://www.redesist.ie.ufrj.br/images/redesist_images/livros/20anos/Livro_Arranjos_Produtivos_Locais_-_20_anos_da_RedeSist.pdf >. Acesso em: jul. 2021

PICCIOTTO, G.; SHEWCHENKO, M. C. Projeto de fortalecimento da cadeia produtiva do algodão colorido. Relatório de Pesquisa. São Paulo, 2006, 29 p. Disponível em: https://pesquisa-eaesp.fgv.br/sites/gvpesquisa.fgv.br/files/conexao-local/01_cl_2006_algodaocolorido.pdf . Acesso em: jan. 2018.

SAMPAIO, D. A. Uma análise tipológica dos Arranjos e Sistemas Produtivos e Inovativos (ASPIL’S) do Nordeste. 2011, 138 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa-PB, 2011.

SZAPIRO, et al. Panorama histórico da RedeSist e fundamentação teórica da abordagem de APL. In: MATOS, M. P. de. et al. (Org.). Arranjos produtivos locais: referencial, experiências e políticas em 20 anos da Redesist. 1. ed. Rio de Janeiro: E-Papers, 2017. 470 p. Cap.1. Disponível em: http://www.redesist.ie.ufrj.br/images/redesist_images/livros/20anos/Livro_Arranjos_Produtivos_Locais_-_20_anos_da_RedeSist.pdf. Acesso em: jul. 2021.

TATSCH, A. L. Tipologias para APLs: o foco nas estratégias de intervenção e objetivos de políticas. Relatório técnico, 2011, 44 p. Nota Técnica 03. Disponível em: http://aplmaritimo.org/wp-content/uploads/2017/07/NOTA_TECNICA_3.pdf. Acesso em: jul. 2017.

VIEIRA, J. de C. Desafios e perspectivas dos APLS de segunda geração. Mercator, Fortaleza, v. 16, p.1-14, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/mercator/v16/1984-2201-mercator-16-e16005.pdf. Acesso em: abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.4215/rm2017.e16005

Publicado

2023-01-09

Como Citar

Oliveira Do Bu Araújo, T. A., & Cavalcanti Ramalho, Ângela M. (2023). ANÁLISE ESCALAR DO DESENVOLVIMENTO NAS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O ARRANJO E SITEMA PRODUTIVO E INOVATIVO LOCAL - Aspil. Gestão & Regionalidade, 39(116). https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7623