RELACIONAMENTOS ENTRE MICROEMPREENDEDORES DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL EM MOMENTO DE COVID-19: uma análise sob o enfoque das redes sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7737

Palavras-chave:

análise de redes sociais, rede, microempreendedor, Covid-19

Resumo

A Análise de Redes Sociais (ARS) pode ser aplicada como ferramenta para a compreensão das relações e conexões, se na rede há realização de trocas de negócios como ofertantes e compradores entre os integrantes do grupo de microempreendedores. Assim, o objetivo desta pesquisa é analisar a rede de interações de um grupo de microempreendedores de um condomínio residencial paulistano em tempos de COVID-19, com sustentação na abordagem teórica de análise de redes sociais. O artigo estuda a adoção de análise de redes sociais em negócios de microempreendedores, pouco explorados sobre o tema de forma integrada.

Projeto / metodologia / abordagem: Estudo descritivo e exploratório com análise em profundidade pelo uso de técnicas de análise de redes sociais, complementada pela análise de regressão simples.

Constatações: Verificou-se que o objetivo do estudo foi analisar a rede de interações de um grupo de microempreendedores de um condomínio residencial paulistano em tempos de Covid-19, com sustentação na abordagem teórica de análise de redes sociais. Conforme os dados obtidos, no grupo de microempreendedores é possível identificar que há um relacionamento muito forte entre os atores da rede, com poucos atores tipo hub, ampliando a troca de informações dentro da rede, como se esperava no objetivo deste artigo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

AGNALDO ANTONIO DOS SANTOS, Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA), Universidade Municipal de São Caetano do Sul (SP), São Caetano do Sul

Doutor em Administração com ênfase em Gestão Organizacional (Administração) na Universidade São Caetano do Sul (USCS), Mestre em Administração com ênfase em Gestão Internacional (Administração) pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e Pós-Graduando em Ciência de Dados (UNICSUL). Professor Universitário de Programação de Computadores, Engenharia de Software e Desenvolvimento de Sistemas. Possui graduação em Administração de Empresas pela ESPM (2008), graduação em Filosofia pela UNIFAI (1992) e Técnico em Processamento de Dados pelo Colégio Radial (1989). Revisor Técnico da Revista Acadêmica Internext da ESPM e Revista de Inteligência Competitiva, Vice Coordenador do Grupo de Excelência em Inteligência Competitiva (GEIC), Especialista e Membro do Grupo de Excelência em Governança Corporativa (GEGC), Representante do Conselho Regional de Administração São Paulo (CRA-SP) do período 2022-2024, Consultor de Empresas em Ciência de Dados e Autor do Livro "O depois de amanhã dos negócios: transformação digital para administradores".

JOÃO CESAR DE SOUZA FERREIRA, Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Doutor em Administração pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS).Mestre em Gestão de Instituições Educacionais pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri- UFVJM. Pós-graduado em Logística Empresarial pela Universidade Gama Filho. Graduado em Administração de Empresas pela Fundação Educacional do Nordeste Mineiro-FENORD- IESI. Atuou na área de logística na Rede de Farmácia Indiana por 14 anos, sendo quatro na Gerência de Logística. Atuou como Tutor no Curso de Administração Pública EAD na UFVJM. Atuou como professor voluntário no curso de Administração da UFVJM nas disciplinas de Logística Empresarial e Administração de Materiais. Foi professor bolsista no Curso de Administração Pública- UFVJM na disciplina de Economia Brasileira. Atualmente é técnico administrativo no Departamento de Ciências Econômicas da UFVJM e Professor Colaborador no Programa de Pós-graduação em Administração Pública. Tem interesse por temas como Gerenciamento da cadeia de suprimentos, Administração de Materiais, logística Empresarial, Política Pública Educacional, Métodos Quantitativos aplicados à Administração e Tecnologias aplicadas à pesquisa qualitativa e quantitativa.

MILTON CARLOS FARINA, Universidade Municipal de São Caetano do Sul - SP - Brasil

Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA), Universidade Municipal de São Caetano do Sul (SP), São Caetano do Sul

Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Municipal de São Caetano do Sul (PPGA - USCS) e dos cursos de graduação da mesma Instituição. Linha de Pesquisa 3 - Redes Organizacionais e Inovação. Temas de interesse: clusters industriais e comerciais, redes de inovação, relacionamento em redes, gestão do conhecimento, cocriação de valor, descarte de resíduos eletrônicos, logística reversa, TI verde, princípios para o ensino sustentável, gestão sustentável, análise de redes sociais. Formação: Doutorado em Administração Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (2009) - FEA-USP . Mestrado em Administração de Empresas pela Fundação Getulio Vargas - SP (2002) - EAESP FGV. Graduação em Matemática Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (1974) - IME USP.

SERGIO FELICIANO CRISPIM, Universidade Municipal de São Caetano do Sul - SP - Brasil

Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA), Universidade Municipal de São Caetano do Sul (SP), São Caetano do Sul

Livre Docente em Marketing pela USP-Universidade de São Paulo. Pós Doutorado (2008), Doutor (1994) e Mestre (1986) em Administração pela FEA-USP. Possui graduação em Administração de Empresas pela FEA-USP (1979) e graduação em Economia pela FEA-USP (1979). Prêmio Gastão Vidigal como "melhor aluno do curso de Economia da FEA-USP no quadriênio 1976-79". Atualmente é professor associado, ms-5, turno completo, da EACH-USP, vice coordenador do curso de Marketing, e professor do programa de Mestrado e Doutorado da Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão Estratégica e Marketing Estratégico, atuando principalmente nos seguintes temas: modelos de negócio, estratégia, competitividade, marketing estratégico, varejo e índices de preços.

Referências

Alejandro, V., & Norman, A. (2005). Manual Introdutório à Análise de Redes Sociais: Medidas de Centralidade. (M. Aires, J. Laranjeiro, & S. Silva, Trads.) Acesso em 15 de fev. de 2020, disponível em https://www2.unicentro.br/lmqqa/files/2016/05/Manualintrodutorio_ex_ucinet.pdf

Alvarenga, D. (03 de abr. de 2019). País já tem 8,1 milhões de microempreendedores formais; veja atividades em alta entre MEIs. Acesso em 28 de abr. de 2020, disponível em G1: País já tem 8,1 milhões de microempreendedores formais; veja atividades em alta entre MEIs

Antunes, J., Balestrin, A., & Verschoore, J. (2010). Práticas de gestão de redes de cooperação. São Leopoldo: Ed. Unisinos.

B3. (20 de mar. de 2020). Ações. Acesso em 29 de abr. de 2020, disponível em B3: http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/negociacao/renda-variavel/empresas-listadas.htm

Balestrin, A., Verschoore, J., & Reyes Junior, E. (mai./jun. de 2010). O Campo de Estudo sobre Redes de Cooperação Interorganizacional no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), pp. 458-477. Acesso em 08 de mai. de 2020 DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-65552010000300005

Baran, P. (set. de 1962). On Distributed Communications Networks. The RAND Corporation, pp. 1-40. Acesso em 11 de mai. de 2020, disponível em https://www.rand.org/content/dam/rand/pubs/papers/2005/P2626.pdf

Baran, P. (1964). On distributed communications networks. 12, pp. 1-9. Acesso em 11 de mai. de 2020, disponível em https://www.rand.org/content/dam/rand/pubs/research_memoranda/2006/RM3420.pdf DOI: https://doi.org/10.1109/TCOM.1964.1088883

Belfort, A. (30 de jul. de 2017). Aplicativo gera venda em condomínio. Acesso em 26 de abr. de 2020, disponível em Jornal do Commercio: https://jc.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2017/07/30/aplicativo-gera-venda-em-condominio--298156.php

Bello, C., Rojas, I., & Zanni, P. (jul./dez. de 2014). Conta pra ela! Revista Brasileira de Casos de Ensino em Administração, 4(2), 1-9. doi:10.12660/gvcasosv4n2c9 DOI: https://doi.org/10.12660/gvcasosv4n2c9

Bez, G., Faraco, R., & Angeloni, M. (28 de nov. de 2010). Aplicação da técnica de ana´lise de redes sociais em uma instituição de ensino superior. XXVI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica. Acesso em 12 de jul. de 2020, disponível em http://www.anpad.org.br/admin/pdf/simposio68.pdf

Braga, M. J., Gomes, L. F., & Ruediger, M. A. (2008). Mundos pequenos, produção acadêmica e grafos de colaboração: Um estudo de caso dos Enanpads. Revista de Administração Pública, 42(1), pp. 133-154. doi:10.1590/S0034-76122008000100007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-76122008000100007

BRASIL. (10 de jan. de 2002). Lei nº 10.406. Acesso em 14 de jul. de 2020, disponível em Planalto: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm

Brass, D., Galaskiewicz, J., Greve, H., & Tsai, W. (dez. de 2004). Taking stock of networks and organizations: A multilevel perspective. The Academy of Management Journal, 47(6), 795-817. Acesso em 02 de mai. de 2020, disponível em http://www.jstor.org/stable/20159624 DOI: https://doi.org/10.5465/20159624

Brito, D. S., & Malheiros, T. (nov. de 2013). A Importância das Mídias Sociais e das Ferramentas Gratuitas do Google no mercdo de e-commerce no Brasil para microempresas. Revista Cadernos de Aulas do LEA, 2, 1-18.

Colbari, A. (jan./mar. de 2015). Do Autoemprego ao Microempreendedorismo Individual: Desafos Conceituais e Empíricos. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 4(1), 169-193. DOI: https://doi.org/10.9771/23172428rigs.v4i1.10909

Costa, E., Bitante, A., Britto, L., Pinheiro, L., & Farina, M. (jan./mar. de 2018). Análise das relações e ações conjuntas entre as empresas do APL têxtil da região metropolitana de São Paulo: contribuições para o seu crescimento. Interações, 19(1), pp. 401-415. doi:10.20435/inter.v0i0.1602 DOI: https://doi.org/10.20435/inter.v19i2.1602

Data Sebrae. (29 de abr. de 2020). Painel de Empresas. Acesso em 29 de abr. de 2020, disponível em Data Sebrae: https://datasebrae.com.br/totaldeempresas/

Diário do Nordeste. (04 de abr. de 2020). Moradora de condomínio cria grupo no Whatsapp para ajudar empreendedores vizinhos na crise. Acesso em 23 de abr. de 2020, disponível em Diário do Nordeste: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/editorias/negocios/online/moradora-de-condominio-cria-grupo-no-whatsapp-para-ajudar-empreendedores-vizinhos-na-crise-1.2230185

Donato, H. C., Pinheiro, L., Rodrigues, N., & Santos, I. C. (2015). Festival de chocolate da estância turística de Ribeirão Pires: um estudo da cooperação entre microempresas por meio da análise de redes sociais. Revista de Micro e Pequena Empresa, 9(1), pp. 76-89. Acesso em 01 de mai. de 2020

Drozdek, A. (2016). Estrutura de Dados e Algoritmos em C++. (R. Torrejon, Trad.) São Paulo: Cengage Learning.

Farina, M. C., Sarmento SIlva, R., Silva Filho, J., Silveira, M., Ozaki, M., & Benevides, G. (abr./jun. de 2013). Uma investigação da centralidade e densidade de uma rede de empresas que atuam na realização de festas de casamento. Revista Alcance, 20(2), pp. 170-185. DOI: https://doi.org/10.14210/alcance.v20n2.p170-185

FiberSals. (2019). 35 ideias para colocar em prática no condomínio em 2019. Acesso em 28 de abr. de 2020, disponível em FiberSals: https://fibersals.com.br/blog/35-ideias-para-colocar-em-pratica-no-condominio-em-2019/

Fligstein, N. (jul. de 2001). Social Skill and the Theory of Fields. Sociological Theory, 19(2), pp. 105-125. Acesso em 15 de mai. de 2020 DOI: https://doi.org/10.1111/0735-2751.00132

Freeman, L. C. (22 de jul. de 1979). Centrality in social networks conceptual clarification. 1(3), 215-239. doi:10.1016/0378-8733(78)90021-7 DOI: https://doi.org/10.1016/0378-8733(78)90021-7

G1. (03 de abr. de 2020). Moradores criam grupo em condomínio de Fortaleza para vender doces, salgados e bolos a vizinhos durante a pandemia. Acesso em 23 de abr. de 2020, disponível em G1 Ceará: https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2020/04/03/moradores-criam-grupo-em-condominio-de-fortaleza-para-vender-doces-salgados-e-bolos-a-vizinhos-durante-a-pandemia.ghtml

G1. (17 de mar. de 2020). Prédios residenciais começam a fechar áreas comuns por causa do coronavírus. Acesso em 28 de abr. de 2020, disponível em G1 Economia: https://g1.globo.com/economia/noticia/2020/03/17/predios-residenciais-comecam-a-fechar-areas-comuns-por-causa-do-coronavirus.ghtml

Gil, A. (2016). Teoria Geral da Administração. São Paulo: Atlas.

Gil, A. (2018). Como elaborar projetos de pesquisa (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Goulart, E. (2014). Mídias sociais: uma contribuição de análise (Vol. 5). Porto Alegre (RS): EDIPUCRS.

Gp Pillar. (22 de mar. de 2018). Grupo do Condomínio no WhatsApp: veja as nossas recomendações. Acesso em 26 de abr. de 2020, disponível em GP Pillar: http://pillarcondominios.com.br/blog/153999/12008/grupo_do_condominio_no_whatsapp:_veja_as_nossas_recomendacoes.html

Granovetter, M. (mar. de 1973). Th Strength of Weak Ties. American Journal Sociology, 78(6), pp. 1360-1380. Acesso em 11 de mai. de 2020, disponível em https://www.jstor.org/stable/2776392?read-now=1&seq=1#page_scan_tab_contents DOI: https://doi.org/10.1086/225469

Granovetter, M. (1985). Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, 91, pp. 481-510. doi:10.2307/2780199

Granovetter, M. (1992). Networks and Organizations: Structure, Form, and Action. Harvard Business School Press, 25-56. Acesso em 15 de mai. de 2020

Granovetter, M. (2005). The Impact of Social Structure on Economic Outcomes. Journal of Economic Perspectives, 19(1), pp. 33-50. Fonte: https://www.aeaweb.org/articles?id=10.1257/0895330053147958 DOI: https://doi.org/10.1257/0895330053147958

Grranovetter, M. (nov. de 1985). Economic Action and Social Structure: The Problem of Embeddedness. American Journal of Sociology, 91(3), pp. 481-510. Acesso em 15 de mai. de 2020, disponível em https://www.jstor.org/stable/2780199 DOI: https://doi.org/10.1086/228311

GruposWhats.app. (2019). Grupos de WhatsApp de Negócios & Empreendedorismo. Acesso em 28 de abr. de 2020, disponível em GruposWhats.app: https://gruposwhats.app/category/negocios-e-empreendedorismo

Haddad, H., Marangoni, M., & Kuazaqui, E. (2019). Gestão de Marketing 4.0 (Vol. 1). Atlas.

Hanneman, R., & Riddle, M. (2005). Introduction to social network methods (publicação digital). University of California, Riverside. Fonte: http://faculty.ucr.edu/~hanneman/

IBGE. (14 de fev. de 2020). Desemprego cai em 16 estados em 2019, mas 20 têm informalidade recorde. Acesso em 29 de abr. de 2020, disponível em Agência IBGE Notícias: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/26913-desemprego-cai-em-16-estados-em-2019-mas-20-tem-informalidade-recorde

Jose, S. (out. de 2018). Strategic use of digital promotion strategies among Female emigrant entrepreneurs in UAE. International Journal of Emerging Markets, 26. doi:10.1108/IJoEM-10-2016-0268 DOI: https://doi.org/10.1108/IJoEM-10-2016-0268

Karapanos, E., Teixeira, P., & Gouveia, R. (2016). Need fulfllment and experiences on social media: A case on Facebook and WhatsApp. Computers in Human Behavior, 55, 888-897. doi:10.1016/j.chb.2015.10.015 DOI: https://doi.org/10.1016/j.chb.2015.10.015

Kotler, P., Kartajaya, H., & Setiawan, I. (2017). Marketing 4.0. Rio de Janeiro: Sextante.

Leonardo, S., Farina, M., Andreoli, T., & Lima, A. (mai./jun. de 2019). Relacionamentos Interpessoais Formal e Informal: Interação das Redes no Ambiente Acadêmico. Revista de Administração Contemporânea, 23(6), pp. 395-415. doi:10.1590/1982-7849rac2019180045 DOI: https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019180045

Lotta, G. (jun. de 2018). Burocracia, redes sociais e interação: uma análise da implementação de políticas públicas. Revista de Sociologia Política, 26(66), pp. 145-173. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1678-987318266607 DOI: https://doi.org/10.1590/1678-987318266607

Marteleto, R. (abr. de 2001). Análise de redes sociais - aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, 71-81. Acesso em 23 de abr. de 2020, disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-19652001000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652001000100009

Medrado, G. (07 de jan. de 2018). Inicie um negócio em 2018 sem sair do seu condomínio. Acesso em 26 de abr. de 2020, disponível em A Tarde: https://atarde.uol.com.br/empregos/noticias/1925654-inicie-um-negocio-em-2018-sem-sair-do-seu-condominio

Mesquita, A. (17 de fev. de 2019). Vendas para vizinhos de condomínio garantem renda extra e comodidade. Acesso em 26 de abr. de 2020, disponível em Gazeta Digital: https://www.gazetadigital.com.br/editorias/economia/vendas-para-vizinhos-de-condomnio-garantem-renda-extra-e-comodidade/568767

Ministério da Economia. (22 de mai. de 2018). Resoluçao CGSN nº 140. Acesso em 28 de abr. de 2020, disponível em Sisttema Normas Gestão da Informação: http://normas.receita.fazenda.gov.br/sijut2consulta/link.action?visao=anotado&idAto=92278

Miragaia, M. (30 de mar. de 2020). Empresários que nunca fizeram delivery contam como adaptaram seu negócio. Acesso em 27 de abr. de 2020, disponível em Folha de São Paulo: https://www1.folha.uol.com.br/mpme/2020/03/empresarios-que-nunca-fizeram-delivery-contam-como-adaptaram-seu-negocio.shtml

Mische, A. (2009). Partisan publics communication and contention across Brazilian youth activist network. Princeton University Press-. Fonte: http://www.vlebooks.com/vleweb/product/openreader?id=none&isbn=9781400830817 DOI: https://doi.org/10.1515/9781400830817

OPAS Brasil. (23 de abr. de 2020). Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus). Acesso em 23 de abr. de 2020, disponível em Organização Pan-Americana da Saúde: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875

Pascotto, S., Farina, M., Rodrigues, T., & Dugo, J. (mai. de 2013). Análise de Rede Social para Mensuração das estruturas formais e informais. Revista de Administração UFSM, 6, pp. 179-194. doi:10.5902/198346598808 DOI: https://doi.org/10.5902/198346598808

Pereira, K. (20 de mar. de 2020). Coronavírus, Assembleias de Condomínios e Consultorias. Acesso em 28 de abr. de 2020, disponível em Diário do Comércio: https://diariodocomercio.com.br/exclusivo/coronavirus-assembleias-de-condominios-e-consultorias/

PMSP. (08 de abr. de 2020). Vigilância em Saúde orienta condomínios residenciais para evitar covid-19. Acesso em 23 de abr. de 2020, disponível em Prefeitura do Município de São Paulo: http://www.capital.sp.gov.br/noticia/vigilancia-em-saude-orienta-condominios-residenciais-para-evitar-covid-19

Poltronieri, C. (21 de mai. de 2018). Condôminos fazem grupos na web e feiras para incrementar vendas. Acesso em 26 de abr. de 2020, disponível em CondomínioSC: https://condominiosc.com.br/radar/3408-condominos-fazem-grupos-na-web-e-feiras-para-incrementar-vendas

Portal do Empreendedor. (2020). O que é ser um MEI? Acesso em 28 de abr. de 2020, disponível em Portal do Empreendedor: http://www.portaldoempreendedor.gov.br/temas/quero-ser/formalize-se/O-que-e-ser-um-mei

Schneider, M. B. (05 de mar. de 2020). Empreendedores apostam em negócios dentro de condomínios residenciais. Acesso em 26 de abr. de 2020, disponível em Geração-e: https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/ge2/noticias/2020/03/728019-empreendedores-apostam-em-negocios-dentro-de-condominios-residenciais.html

Silva, T., & Campos, R. (2008). O Direito de vizinhança frente à má utilização de propriedade no condomínio edilício. Intertem@s, 13(13). Acesso em 30 de abr. de 2020, disponível em http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/Juridica/article/view/515

Simmel, G. (1983). A Natureza Sociológica do Conflito. Em E. Moraes Filho, Sociologia [da coletânea]. São Paulo: Ática.

SindicoNet. (09 de jan de 2018). Inicie um negócio em 2018 sem sair do seu condomínio. Acesso em 26 de abr. de 2020, disponível em SindicoNet: https://www.sindiconet.com.br/informese/negocios-em-condominio-noticias-administracao

Souza, F., & Fellet, J. (27 de mar. de 2020). Coronavírus: o desespero de pequenos empresários forçados a fechar as portas. Acesso em 14 de jul. de 2020, disponível em BBC News Brasil: https://www.bbc.com/portuguese/geral-51967940

Souza, P., Farina, M. C., Costa, C., Silva, A., & Romeiro, M. (jan./mar. de 2014). Relações Sociais no Setor de Cama & Café em Parintins na Amazônia: uma perspectiva com base nas análises de redes sociais. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 8(1), pp. 145-160. doi:http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.621 DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v8i1.621

Statistica. (2020). Most popular social networks worldwide as of April 2020, ranked by number of active users. Acesso em 29 de abr. de 2020, disponível em Statistica: https://www.statista.com/statistics/272014/global-social-networks-ranked-by-number-of-users/

Taveira, M. (2019). Capital humano, trabalho e P&D no Brasil: Análise de uma rede complexa: 2006-2016. Universidade Federal de Pelotas. Acesso em 11 de jul. de 2020, disponível em https://wp.ufpel.edu.br/ppgom/files/2019/08/M%C3%A1rcio-Taveira.pdf

Telles, R., Rocha, J., Siqueira, J., Hourneaux Junior, F., & Cardoso, S. (abr./jun. de 2016). Formalidade ou Informalidade? Análise sobre os Fatores Presentes na Decisão do Microempreendedor Brasileiro. Revista Alcance, 23(2), 189-213. DOI: https://doi.org/10.14210/alcance.v23n2.p189-213

Tomaél, M. (dez de 2007). Redes sociais em alimentos funcionais no paraná: relato pesquisa. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, 12(24), 111-138. Acesso em 23 de abr. de 2020, disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2007v12n24p111 DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2007v12n24p111

Travers, J., & Milgram, S. (1969). An Experimental Study of the Small World Problem. Sociometry, 32(4), p. 425. doi:10.2307/2786545 DOI: https://doi.org/10.2307/2786545

Tunu, M., & Farina, M. (2014). Venda direta: características da rede de uma consultora de cosméticos. XVI Engema Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Fonte: http://www.engema.org.br/XVIENGEMA/224.pdf

Veloso, P., Santos, C., Azevedo, P., & Furtado, A. (1983). Estrutura de Dados. Rio de Janeiro: Campus.

Verschoore, J., & Balestrin, A. (mar. de 2008). Ganhos Competitivos das Empresas em redes de cooperação. RAUSP-e, 14.

Watts, D. J. (2004). Small worlds: The dynamics of networks between order and randomness. Princeton Univ. Press., 8. print., 1. paperback print.

Web of Science. (março de 2020). Web of Science. Acesso em 19 de Abril de 2017, disponível em Web of Science: http://apps.webofknowledge.com

White, H. (winter de 1995). Network Switchings and Bayesian Forks: Reconstructing the Social and Behavioral Sciences. Social Research, 62(4), pp. 1035-1063. doi:10.2307/40971133

Zhang, Y., Sun, J., Zhaojun, Y., & Wang, Y. (set. de 2018). Mobile social media in inter-organizational projects: Aligning tool, task and team for virtual collaboration effectiveness. Journal of Project Management, 36, 1096-1108. doi:10.1016/j.ijproman.2018.09.003 DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2018.09.003

Publicado

2023-01-09

Como Citar

DOS SANTOS, A. A., Ferreira, J. C. de S., FARINA, M. C., & CRISPIM, S. F. (2023). RELACIONAMENTOS ENTRE MICROEMPREENDEDORES DE UM CONDOMÍNIO RESIDENCIAL EM MOMENTO DE COVID-19: uma análise sob o enfoque das redes sociais. Gestão & Regionalidade, 39(116). https://doi.org/10.13037/gr.vol39n116.7737

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)