Câncer de mama: sentimentos e percepções das mulheres mastectomizadas

Marcia Luiza Ferreira Cavalcante, Fernanda Chaves, Arlene Laurenti Monterrosa Ayala

Resumo


Introdução: A necessidade de evidenciar as influências da mastectomia na vida afetiva e social da mulher com câncer de mama é uma estratégia viável para intervir positivamente na assistência em saúde. Objetivos: Caracterizar as mulheres portadoras de câncer de mama que frequentam o grupo de apoio na Rede Feminina de Combate ao Câncer em Joinville (SC), e conhecer o significado da mastectomia para essas mulheres. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo que entrevistou 10 mulheres mastectomizadas. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário semiestruturado, e os dados investigados foram relacionados às características sociodemográficas e reprodutivas, a questões emocionais e ao conhecimento que as mulheres detinham sobre o câncer de mama. Resultados: A maioria das mulheres investigadas tinha idade entre 40 a 50 anos, eram casadas, com baixa escolaridade e renda. Os sentimentos percebidos foram tristeza, angústia, revolta pela mutilação, medo da morte, vergonha, fé e esperança. A confirmação do diagnóstico de câncer trouxe profundas mudanças na vida de cada uma das mulheres. As novas formas de enfrentamento da vida expressaram-se nas expectativas voltadas para cura e na necessidade de apego religioso. Conclusões: Evidenciaram-se, por um lado, muitas dificuldades vivenciadas pelas mulheres mastectomizadas, como o comprometimento da sua autoimagem, a dor, as dificuldades físicas e a tristeza com a retirada da mama. Por outro, revelaram sentimentos esperançosos gerados pelo amparo de familiares e pelo convívio com outras mulheres no grupo de apoio.

 


Palavras-chave


neoplasias da mama; mastectomia; emoções

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Trufelli DC, Miranda VC, Santos MBB, Fraile NMP, Pecoroni PG, Gonzaga SFR, et al. Análise do atraso no diagnóstico e tratamento do câncer de mama em um hospital público. Rev Assoc Med Bras [Internet]. 2008 fev [acesso em 2015 nov 18];54(1):72-6. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302008000100024

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca; 2014.

National Breast and Ovarian Cancer Centre. Lymphedema: prevalence, risk factors and management. [Internet]. 2009. [acesso em 2015 nov 18]. Disponível em: http://canceraustralia.nbocc.org.au/view-document-details/lym-lymphoedema-prevalence-risk-factors-and-management-a-review-of-research

Moura FMJSP, Silva MG, Oliveira SC, Moura LJSP. Os sentimentos das mulheres pós-mastectomizadas. Esc Anna Nery [Internet]. 2010 jul-set [acesso em 2015 nov 18];14(3):477-84. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000300007

Rosa LM, Radünz V. Significado do câncer de mama na percepção da mulher: do sintoma ao tratamento. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2012 out-dez [acesso em 2015 nov 18];20(4):445-50. Disponível em: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/4673/3452

Geraldini MCCS, Moura L. Sentimentos relatados por mulheres mastectomizadas: uma revisão sistematizada. Revista Uningá [Internet]. 2013 [acesso em 2015 nov 11];38:175-88. Disponível em: http://www.mastereditora.com.br/ periodico/20140131_112004.pdf

Pinho VFS, Coutinho ESF. Variáveis associadas ao câncer de mama em usuárias de unidades básicas de saúde. Cad Saúde Pública [Internet]. 2007 maio [acesso em 2015 nov 08];23(5):1061-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000500008

Silva PA, Riul SS. Câncer de mama: fatores de risco e detecção precoce. Rev Bras Enferm [Internet]. 2011 nov-dez [acesso em 2015 nov 01];64(6):1016-21. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000600005

Bairros FS, Meneghel SN, Dias-da-Costa JS, Bassani DG, Menezes AMB, Gigante D P, et al. Racial inequalities in access to women’s health care in southern Brazil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2011 dez [acesso em 2015 nov 18];27(12):2364-72. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011001200008

Lôbo SA, Fernandes AFC, Almeida PC, Carvalho CML, Sawada NO. Qualidade de vida em mulheres com neoplasias de mama em quimioterapia. Acta Paul Enferm [Internet]. 2014; [acesso em 2015 out 18];27(6):554-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v27n6/1982-0194-ape-027-006-0554.pdf

Barros AF, Uemura G, Macedo JLS. Tempo para acesso ao tratamento do câncer de mama no Distrito Federal, Brasil Central. Rev Bras Ginecol Obstet [Internet]. 2013 [acesso em 2015 out 12];35(10):458-63. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032013001000006

Tessaro S. Epidemiologia do câncer de mama. In: Boff RA, organizador. Mastologia aplicada: abordagem multidisciplinar. Caxias do Sul: Educs; 2001. p. 15-28.

Di Pietro PF, Medeiros NI, Vieira FG, Fausto MA, Belló-Klein A. Breast cancer in southern Brazil: association with past dietary intake. Nutr Hosp [Internet]. 2007 set-out [acesso em 2015 nov 10];22(5):565-72. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17970540

Silva PF, Amorim MHC, Zandonade E, Viana KCG. Associação entre variáveis sociodemográficas e estadiamento clínico avançado das neoplasias da mama em hospital de referência no estado do Espírito Santo. Rev Bras Cancerol [Internet]. 2013 [acesso em 2015 out 10];59(3):361-7. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/sms/resource/pt/lil-724472

Hoffmann FS, Müller MC, Rubin R. A mulher com câncer de mama: apoio social e espiritualidade. Mudanças [Internet]. 2006 jul-dez [acesso em 2015 out 15];14(2):143-50. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/MUD/article/view/645/645

Mendes IS, Freitas STT, Souza GC, Reis MCR, Souza DQ, Lima SPF, et al. Correlação da dor e qualidade de vida de mulheres pós-tratamento cirúrgico de câncer de mama. Mundo Saúde [Internet]. 2014 [acesso em 2015 out 12];38(2):189-96. Disponível em: http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/155562/A07.pdf

Gomes AL, Guimarães MD, Gomes CC, Chaves IG, Gobbi H, Camargos AF. A case-control study of risk factors for breast cancer in Brazil, 1978-1987. Int J Epidemiol [Internet]. 1995 abr [acesso em 2015 out 07];24(2):292-9. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7635588

Paiva CE, Ribeiro BS, Godinho AA, Meirelles RSP, Silva EVG, Marques GD, et al. Fatores de risco para câncer de mama em Juiz de Fora (MG): um estudo caso-controle. Rev Bras Cancerol [Internet]. 2002 [acesso em 2015 out 17];48(2):231-7. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_48/v02/pdf/artigo3.pdf

Cihak R, Glueck M. The link between breast cancer and abortion. USA: Discovery Institute. [Internet]. 2005 [acesso em 2016 jul 6]. Disponível em: http://www.discovery.org/a/3018

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev). Falando sobre câncer de mama. Rio de Janeiro: MS/Inca, 2002.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2011.

Sclowitz ML, Menezes AMB, Gigante DP, Tessaro S. Condutas na prevenção secundária do câncer de mama e fatores associados. Rev Saúde Pública [Internet]. 2005 [acesso em 2015 nov 18];39(3):340-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000300003

Pharoah PDP, Day NE, Caldas C. Somatic mutations in the p53 gene and prognosis in breast cancer: a meta-analysis. Br J Cancer [Internet]. 1999 [acesso em 2015 nov 18];80(12):1968-73. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2363143/

Malta DC, Jorge AO. Análise de tendência de citologia oncótica e mamografia das capitais brasileiras. Ciênc Cult (São Paulo) [Internet]. 2014 [acesso em 2015 set 18];66(1):25-9. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v66n1/a12v66n1.pdf

Instituto Nacional de Câncer. Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. 3ª ed. Rio de Janeiro: Inca; 2008.

Vargens OMC, Bertero CM. Living with breast cancer: its effect on the life situation and the close relationship of women in Brazil. Cancer Nurs [Internet]. 2007 nov-dez [acesso em 2015 set 28];30(6):471-8. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18025920

Pinto AC, Gióia-Martins DF. Qualidade de vida subsequente à mastectomia: subsídios para intervenção psicológica. Rev SBPH [Internet]. 2006 dez [acesso em 2016 jul 6];9(2):3-27. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v9n2/v9n2a02.pdf

Höfelmann DA, Anjos JC. Autoavaliação de saúde e câncer de mama em mulheres de cidade do sul do Brasil. Rev Bras Cancerol [Internet]. 2012 [acesso em 2015 nov 18];58(2):209-22. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_58/v02/pdf/11_artigo_autoavaliacao_saude_cancer_mama_mulheres_cidade_sul_brasil.pdf

Almeida RA. Impacto da mastectomia na vida da mulher. Rev. SBPH [Internet]. 2006 dez [acesso em 2015 nov 11];9(2):99-113. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v9n2/v9n2a07.pdf

Tavares JS, Trad LAB. Estratégias de enfrentamento do câncer de mama: um estudo de caso com famílias de mulheres mastectomizadas. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2010 jun [acesso em 2015 nov 18];15(Suppl 1):1349-58. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700044

Wanderbroocke ACNS. Cuidando de um familiar com câncer. Psicol Argum. 2005;23(41):17-23.

Regis MF, Simões MFS. Diagnóstico de câncer de mama, sentimentos, comportamentos e expectativas de mulheres. Rev Eletrônica Enferm [Internet]. 2005 [acesso em 2015 nov 2];7(1):81-6. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/revista7_1/pdf/ORIGINAL_08.pdf

Pinheiro CPO, Silva RM, Mamede MV, Fernandes AFC. Participating in a support group: experience lived by women with breast cancer. Rev Lat-Am Enfermagem [Internet]. 2008 Jul-Ago [acesso em 2015 nov 2];16(4):733-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v16n4/13.pdf

Fernandes AFC, Mamede MV. Câncer de mama: mulheres que sobreviveram. Fortaleza: UFC; 2003.

Silva MRB, Borgognoni K, Rorato C, Morelli S, Silva MRV, Sales CA. O câncer entrou em meu lar: sentimentos expressos por familiares de clientes. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2008 jan-mar [acesso em 2015 nov 2];16(1):70-5. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v16n1/v16n1a11.pdf

Bossois E, Gimenes FGO, Alves KR, Estevão MB, Paulino I. Sentimentos da mulher mastectomizada. Universo da Enfermagem [Internet]. 2013 [acesso em 2015 nov 2];2(1):5-19. Disponível em: http://novavenecia.multivix.edu.br/wp-content/uploads/2013/05/universo_enf_03.pdf

Toriy AM, Krawulski E, Vieira JSB, Luz CM, Sperandio FF. Percepções, sentimentos e experiências físicoemocionais de mulheres após o câncer de mama. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum [Internet]. 2013 [acesso em 2016 jul 6];23(3):303-8. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v23n3/pt_08.pdf

Silva G, Santos MA. Estressores pós-tratamento do câncer de mama: um enfoque qualitativo. Rev Lat-Am Enfermagem [Internet]. 2010 jul-ago [acesso em 2015 oct 2];18(4). Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=281421934005

Gobatto CA, Araujo TCCF. Coping religioso-espiritual: reflexões e perspectivas para a atuação do psicólogo em oncologia. Rev SBPH [Internet]. 2010 jun [acesso em 2016 jul 6];13(1):52-63. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v13n1/v13n1a05.pdf

Caetano EA, Gradim CVC, Santos LES. Câncer de mama: reações e enfrentamento ao receber o diagnóstico. Rev Enferm UERJ [Internet]. 2009 abr-jun [acesso em 2015 out 2];17(2):257-61. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v17n2/v17n2a21.pdf

Duarte TP, Andrade AN. Enfrentando a mastectomia: análise dos relatos de mulheres mastectomizadas sobre questões ligadas à sexualidade. Estudos de Psicologia [Internet]. 2003 [acesso em 2015 nov 3];8(1):155-63. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epsic/v8n1/17245.pdf




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol14n49.3736

Indexadores: