A família frente aos aspectos do câncer

Francisco Eudison da Silva Maia, Francisca Erica da Silva Maia

Resumo


A família tem significativa importância nos cuidados com o paciente carcinomatoso, atuando como alicerce e proporcionando conforto emocional, uma vez que age com solidariedade. O presente artigo objetiva construir uma referência teórica representativa das mudanças ocorridas no contexto familiar após o diagnóstico da doença. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, realizada por meio da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) nas bases de dados Scielo, Lilacs e Medline. A delimitação de período de publicação foi de 2000 até 2014. A pesquisa foi realizada no período de abril a junho de 2015. Os descritores foram: relações familiares; neoplasias; morte. A literatura aponta que a harmonia familiar é abalada frente à perspectiva do câncer para com um dos seus membros. Com isso pode-se concluir que a família tem um papel fundamental no desenvolvimento da convicção do paciente de que o tratamento é eficaz, podendo se transformar em um aliado forte e poderoso nesse contexto.

 


Referências


Carvalho MMMJ. Introdução à psiconcologia. Campinas: Livro Pleno; 2003.

Regis MFS, Simões SMF. Diagnóstico de câncer de mama: sentimentos, comportamentos e expectativas de mulheres. Rev Eletrônica Enferm. 2005;7(1):81-6.

Trindade ES, Azumbuja LEO, Andrade JP, Garrafa V. O médico frente ao diagnóstico e prognóstico do câncer avançado. Rev Assoc Med Bras. 2007;53(1):68-74.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Rev Einstein. 2010;8(1):102-6.

Guimarães DT. Dicionário de termos médicos e de enfermagem. 1ª ed. São Paulo: Rideel; 2002.

Sales CA, Matos PCB, Mendonça DPR, Marcon SS. Cuidar de um familiar com câncer: o impacto no cotidiano de vida do cuidador. Rev Eletr Enf. 2010;12(4):616-21.

Di Primio AO, Schwartz E, Bielemann VLM, Burille A, Zillmer JGV, Feijó AM. Rede social e vínculos apoiadores das famílias de crianças com câncer. Texto & Contexto Enferm. 2010;19(2):334-42.

SantAnna DB. A mulher e o câncer na história. In: Gimenes MGG, Fávero MH. A mulher e o câncer. Campinas: Livro Pleno; p. 21, 2000.

Molina MAS, Marconi SS. Mudanças nos relacionamentos com os amigos, cônjuge e família após o diagnóstico de câncer na mulher. Rev Bras Enferm. 2006;59(4):514-20.

Salci MA, Marcon SS. A convivência com o fantasma do câncer. Rev Gaúcha Enferm. 2010;31(1):18-25.

Tavares JSC, Trad LAB. Metáforas e significados do câncer de mama na perspectiva de cinco famílias afetadas. Cad Saúde Pública. 2005;21(2):426-35.

Malzyner A, Caponero R, Donato EMOD. A metamorfose de uma angústia: o tratamento do câncer da mama de Halsted ao BRCA – 1. In: Gimenes MGG, Fávero M H. A mulher e o câncer. Campinas: Livro Pleno; p. 35 2000.

Adam V, Kitzmann R, Rios M, Pegliasco C, Olivier JB, Raft J. Evaluation of a support group for children of parents with cancer after 4 years of experience. Bull Cancer. 2013;100(3):237-45.

Ho SS, So WK, Leung DY, Lai ET, Chan CW. Anxiety, depression and quality of life in Chinese women with breastcancer during and after treatment: a comparative evaluation. Eur J Oncol Nurs. 2013;17(6):877-82.

Semedo DSRC. Descrição e compreensão das vivências de familiares de pessoas com doença oncológica e na identificação das dimensões do processo de resiliência, no contexto da realidade Cabo Verdiana [Dissertação]. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2011 [citado em 2016 nov. 9]. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/18420/1/Mestrado%20Sa%C3%BAde%20P%C3%BAblica%20-%20Deisa%20Salyse%20Cabral%20%20Semedo.pdf. Acesso em: 20 de Dezembro de 2013.

Salci MA, Marcon SS. Enfrentamento do câncer em família. Texto & Contexto Enferm. 2011;20(especial):178-86.

Misko MD, Bousso RS. Manejando o câncer e suas intercorrências: a família decidindo pela busca ao atendimento de emergências para o filho. Rev Lat Am Enferm. 2007;15(1):48-54.

Northouse L, Kershaw T, Mood D, Schafenacker A. Effects of a family intervention on the quality of life of women with recurrent breast cancer and their family caregivers. Psycho-Oncol. 2005;14(6):478-91.

Helman CG. Cultura, saúde e doença. Porto Alegre: Artmed; 2003.

Melo MCB, Barros EM, Campello MCVA, Ferreira LQL, Rocha LLC, Silva IMG, et al. O funcionamento familiar do paciente com câncer. Psicol Rev. 2012;18(1):78-89.

Mistura C, Schenkel FW, Rosa BVC, Girardon-Perlini NMO. The experience of accompanying a family member hospitalized for cancer. Fundam Care. 2014;6(1):47-61.

Wennman-Larsen A, Tieshelman C. Advanced home care for cancer patients at the end of life: a qualitative study of hopes and expectations of family caregivers. Scand J Caring Sci. 2002;16(3):240-7.

Patterson JM, Kristen EH, James GG. The impact of childhood cancer on the family: a qualitative analysis of strains, resources, and coping behaviors. Psycho‐Oncol. 2004;13(6) (2004):390-407.

Sanchez KOL, Ferreira NMLA, Dupas G, Costa DB. Apoio social à família do paciente com câncer: identificando caminhos e direções. Rev Bras Enferm. 2010;63(2):290-9.

Azevedo GR, Santos VLCG. (Handicapped) caregiver: the social representations of family members about the caregiving process. Rev Lat Am Enferm. 2006;14(5):770-80.

Scott-Findlay S, Chalmers K. Rural families perspectives on having a child with cancer. J Pediatr Oncol Nurs. 2001;18(5):205-16.

Salci MA, Marcon SS. As mudanças no cotidiano familiar e na vida da mulher após o início do tratamento para o câncer. REME Rev Min Enferm. 2010;14(1):43-51.

Bielemann VLM. A família cuidando do ser humano com câncer e sentido a experiência. Rev Bras Enferm. 2003;56(2):133-7.

Menezes CNB, Passareli PM, Drude FS, Santos MA, Valle ERM. Câncer infantil: organização familiar e doença. Rev Mal-Estar Subj. 2007;7(1):191-210.

Borges ADVS, Silva EF, Toniollo PB, Mazer SM, Valle ERM, Santos MA. Percepção da morte pelo paciente oncológico ao longo do desenvolvimento. Psicol Estud. 2006;11(2):361-9.

Kovács MJ. Bioética nas questões da vida e da morte. Psicol USP. 2003;2(14);115-67.

Yeh CH, Lee TT, Chen ML. Adaptational process of parents of pediatric oncology patients. Pediatr Hematol Oncol. 2000;17(2):119-31.

Meleski DD. Families with chronically ill children: a literature review examines approaches to helping them cope. Am J Nurs. 2002;102(5):47-54.

Araújo LZS, Araújo CZS, Souto AKB, Oliveira MS. Cuidador principal de paciente oncológico fora de possibilidade de cura, repercussões deste encargo. Rev Bras Enferm. 2009;62(1):32-7.

Nascimento LC, Rocha SMM, Hayes VH, Lima RAG. Crianças com câncer e suas famílias. Rev Esc Enferm USP. 2005;39(4):469-74.

Fisher HR. The needs on parents with chronically sick children: a literature review. J Adv Nurs. 2001;36(4):600-7.

Costa Junior AL, Coutinho SMG, Kanitz S. O enfrentamento do câncer em crianças: a intervenção da psicologia. Pediatr Mod. 2000;36(5):330-3.

Motta AB, Enumo SRF. Intervenção psicológica lúdica para o enfrentamento da hospitalização em crianças com câncer. Psic Teor Pesq. 2010;26(3):445-54.

Costa CA, Filho WDL, Soares NV. Assistência humanizada ao cliente oncológico: reflexões junto à equipe. Rev Bras Enferm. 2003;56(3):310-4.

Carvalho MVB, Merighi MAB. O cuidar no processo de morrer na percepção de mulheres com câncer: uma atitude fenomenológica. Rev Lat Am Enferm. 2005;13(6):951-9.

Bergamasco RB, Angelo M. O sofrimento de descobrir-se com câncer de mama: como o diagnóstico é experienciado pela mulher. Rev Bras Cancerol. 2001;47(3):277-82.

Gutiérrez MGR, Bravo MM, Chanes DC, Vivo MCR, Souza GO. Adesão de mulheres mastectomizadas ao início precoce de um programa de reabilitação. Acta Paul Enferm. 2007;20(3):249-54.

Prado MAS, Mamede MV, Almeida AM, Clapis MJ. A prática de atividade física em mulheres submetidas à cirurgia por câncer de mama: percepção de barreiras e benefícios. Rev Lat Am Enferm. 2004;12(3):494-502.

Erickson VS, Pearson ML, Ganz PA, Adams J, Kahn KL. Arm edema in breast cancer patients. J Natl Cancer Inst. 2001;2(93):96-111.


Texto completo: PDF




Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .