Sibutramina: falhas e incompletude de documentos na prescrição e dispensação

Syliana Sana Silva de Souza, Mirian Talita Reis Santos Pinheiro, Paulo Henrique Ribeiro Fernandes Almeida, Lucas Brasileiro Lemos, Gisele da Silveira Lemos

Resumo


Introdução: A sibutramina é atualmente o único fármaco usado para o tratamento da obesidade com registro no Brasil. As exigências para sua prescrição e dispensação aumentaram com a Resolução nº 52 que entrou em vigor em dezembro de 2011. Objetivo: Este estudo teve como objetivo avaliar o impacto dessa resolução na comercialização do medicamento, além de falhas e erros no processo de prescrição/dispensação em uma farmácia comunitária. Metodologia: Foram analisadas 741 notificações de receita de sibutramina e 258 termos de responsabilidade do prescritor, retidos na farmácia comunitária, referentes ao período de janeiro de 2010 a junho de 2014. Esses documentos foram analisados quanto à completude e legibilidade de dados obrigatórios segundo as legislações vigentes no país e agrupados em dois períodos antes e após a Resolução 52/2011. Resultados: Os resultados mostram um aumento estatisticamente significativo da completude, com diminuição das falhas, do primeiro para o segundo período (p<0,05), assim como a diminuição do consumo no segundo período e predominância de prescrição com nome de marca em detrimento do genérico. Conclusões: Os resultados indicam que as novas legislações e o aumento da fiscalização foram capazes de reduzir a comercialização de sibutramina e o número de erros e falhas na prescrição e dispensação no período estudado.


Palavras-chave


Sibutramina, Obesidade, Farmácia Comunitária

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation. World Health Organ Tech Rep Ser. 2000;894:1-253.

Coutinho W. The first decade of sibutramine and orlistat: a reappraisal of their expanding roles in the treatment of obesity and associated conditions. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53(2):262-70.

Zanella MT, Ribeiro Filho FF. Emerging drugs for obesity therapy. Arq Bras Endocrinol Metab. 2009;53(2):271-80.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução da Diretoria Colegiada nº 52, de 6 de outubro de 2011. Dispõe sobre a proibição do uso das substâncias anfepramona, femproporex e mazindol, seus sais e isômeros, bem como intermediários e medidas de controle da prescrição e dispensação de medicamentos que contenham a substância sibutramina, seus sais e isômeros, bem como intermediários e dá outras providências. Brasília, DF; 2011.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998. Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Brasília, DF; 1998.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução da Diretoria Colegiada nº 58, de 5 de setembro de 2007. Dispõe sobre o aperfeiçoamento do controle e fiscalização de substâncias psicotrópicas anorexígenas e dá outras providências. Brasília, DF; 2007.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução da Diretoria Colegiada nº 50, de 25 de setembro de 2014. Dispõe sobre as medidas de controle de comercialização, prescrição e dispensação de medicamentos que contenham as substâncias anfepramona, femproporex, mazindol e sibutramina, seus sais e isômeros, bem como intermediários e dá outras providências. Brasília, DF; 2014.

Mastroianni PC. Análise dos aspectos legais das prescrições de medicamentos. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2009;30(2):45-8.

Weber D, Bueno CS, Oliveira KR. Análise das prescrições medicamentosas de um hospital de pequeno porte do noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2012;33(1):139-45.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades: Jequié. 2014.

Viero TR, Locateli C. Perfil de prescrição e comparativo de vendas de sibutramina antes e após RDC nº 25 de 30 de junho de 2010 e RDC nº 52 de 06 de outubro de 2011 em uma farmácia da cidade de Videira-SC. RIES. 2013;2(1):8-17.

Camargo MDF, Lopes AM, Montebelo MI, Lopes LC. Avaliação da adesão às normas da portaria 344/98 SVS/MS utilizando notificações e receitas oriundas da cidade de Salto/SP. Rev Ciênc Farm Básica Apli. 2005;26(2):131-37.

Néri EDR, Gadêlha PGC, Maia SG, Pereira AGS, Almeida PC, Rodrigues CRM, et al. Erros de prescrição de medicamentos em um hospital brasileiro. Rev Assoc Med Bras. 2011;57(3):306-14.

Alves CDS, Lemos GS. Análise da completude das prescrições médicas de antimicrobianos dispensadas em uma farmácia comunitária no município de Jequié-BA. [Trabalho de conclusão de curso]. Jequié: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; 2013.

Conselho Federal de Medicina (Brasil). Manual de orientações básicas para prescrição médica. 2ª ed. Brasília, DF: Conselho Regional de Medicina da Paraíba; 2011. 62p.

Arruda EL, Morais HLMN, Partata A. Avaliação das informações contidas em receitas e Notificações de receitas atendidas na farmácia do CAPS II Araguaína-TO. Rev Científica do ITPAC. 2012;5(2):1-14.

Ev LS, Guimarães AG, Castro VS. Avaliação das prescrições dispensadas em uma Unidade Básica de Saúde do Município de Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil. Lat Am J Pharm. 2008;27(4):543-47.

Lins BG, Cazzamalli F, Zancanaro V. Análises de erros nas prescrições médicas de uma unidade básica de saúde de um município do Meio Oeste Catarinense. RIES. 2012;1(2):62-77.

Costa S. PRF e Anvisa fecham farmácias durante operação no interior do estado. Correio-Rede Bahia. [acesso em 2011 jan. 26]. Disponível em: http://www.correio24horas.com.br/detalhe/noticia/prf-e-anvisa-fecham-farmacias-durante-operacao-no-interior-do-estado/

Oliveira KR, Buzanelo VV. Análise das prescrições de medicamentos usados no tratamento da obesidade dispensadas em drogaria no município de Ijuí-RS. Rev Ciên Farm Básica Apl. 2011;32(3):381-7.

Associação Brasileira para o estudo da obesidade e síndrome metabólica. Atualização das Diretrizes para o Tratamento Farmacológico da Obesidade e do Sobrepeso. Posicionamento Oficial da ABESO/SBEM-2010. ABESO 76. São Paulo; 2010. 21.

Borges GPM, Belo T, Vieira GMM, Vieira JRS. Análise dos receituários de medicamentos psicotrópicos anorexígenos em uma rede privada de farmácia de Belém-Pará. Infarma. 2008;20(9-10):26-31.

Ferrari CKB, Brito LF, Oliveira CC, Moraes EV, Toledo OR, David FL. Falhas na prescrição e dispensação de medicamentos psicotrópicos: um problema de saúde pública. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2013;34(1):109-16.

Andrade MF, Andrade RCG, Santos V. Prescrição de psicotrópicos: avaliação das informações contidas em receitas e notificações. Rev Bras Ciên Farm. 2004;40(4):471-79.

Matta SR, Miranda ES, Osorio-de-Castro CGS. Prescrição e dispensação de medicamentos psicoativos nos instrumentos normativos da regulação sanitária brasileira: implicações para o uso racional de medicamentos. Rev Bras Farm. 2011;92(1):33-41.

Silva MC, Campesatto-Mella EA. Avaliação do uso de anorexígenos por acadêmicas de uma instituição de ensino superior em Maringá, PR. Arq Ciênc Saúde Unipar. 2008;12(1):43-50.




DOI: https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4233

Indexadores: