Centrais de Compras e de Serviços no Setor de Farmácias do Brasil: Alternativa para a Sobrevivência das Farmácias Independentes Face às Grandes Redes

Norival Mantovani, Sergio Crispim

Resumo


No setor de farmácias brasileiro, composto por mais de 55 mil unidades, observa-se uma polarização entre as grandes cadeias, caracterizadas por gestão profissionalizada e escala de compra, e os varejistas independentes. As farmácias independentes encontraram no associativismo, por meio das Centrais de Negócios, alternativa para competir com as grandes redes. Esta pesquisa, realizada junto a 426 gestores de farmácias que operam em associações, identificou por meio de análise fatorial exploratória as principais contribuições das associações para a competitividade face as redes: atendimento; imagem da rede; compras conjuntas; nível de informação; suporte operacional; e treinamento. O fator “compras conjuntas”, relacionado à escala de compra e que está na origem das associações em geral, já figura em terceiro plano, suplantado por outros serviços supridos, e caracterizando a evolução para o conceito de Centrais de Serviços. Os resultados evidenciaram que as associações possibilitam melhoria da competitividade das farmácias anteriormente independentes, segundo seus gestores.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13037/gr.vol29n86.2145

 

Indexadores de que a G&R faz parte:


   DOAJ OAIster OCLC Ulrich LiVre Redalyc  SUMARIOS.org LatindexProquest

A G&R utiliza o                software  iThenticate para detecção e  prevenção de plágio 
 

    
 
 
 
A G&R é signatária da Declaração        de São Francisco sobre Avaliação        de Pesquisa- Dora