FADIGA: ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E MODELOS CONCEITUAIS

Autores

  • Cristiano Cardoso de Matos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
  • Flávio Antônio de Souza Castro UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

DOI:

https://doi.org/10.13037/rbcs.vol11n37.1815

Palavras-chave:

Fadiga. Modelos. Sistemas Fisiológicos. Governo central

Resumo

Fadiga pode ser considerada um fenômeno complexo, relacionado à diminuição de fatores motivacionais, redução na sustentação da força e sensação de exaustão. O objetivo dessa revisão foi descrever os dois principais modelos descritos acerca do tema fadiga: modelo de incapacidade dos sistemas fisiológicos e o do governo central. Ao longo de 13 meses nas principais bases de dados foram identificadas as pesquisados empregando as palavras fadiga, fadiga periférica, fadiga central, governo central e exercício em inglês e português. Foram utilizados para essa revisão 37 produções, dessas 19 eram estudos experimentais e 18 trabalhos outros. A incapacidade dos sistemas fisiológicos descreve que a fadiga é a quebra da homeostase tendo, como consequência final, a exaustão. De acordo com este modelo, a fadiga é proveniente da incapacidade dos sistemas fisiológicos de ordem central e periférica. A de ordem central caracteriza-se por alterações nas concentrações ou ações de aminoácidos de cadeia ramificada, dopamina, colina e acetilcolina, citocinas, amônia e carboidratos. Já a de ordem periférica por alterações nas concentrações de creatina-fosfato, glicogênio muscular e lactato – pH relacionado. O governo central descreve que a fadiga inicia-se sem comprovações de falhas correlacionadas à homeostase e o cérebro atua como um governo central com o intuito de garantir que o exercício seja finalizado. Conclui-se que o modelo da incapacidade dos sistemas fisiológicos analisa o corpo como um simples segmento e não como um sistema integrado no qual são realizadas complexas funções, sendo a principal de todas, a manutenção da homeostase.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiano Cardoso de Matos, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

- ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Grupo de Pesquisa em Esportes Aquáticos – GPEA

Flávio Antônio de Souza Castro, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

- ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Grupo de Pesquisa em Esportes Aquáticos – GPEA

Downloads

Publicado

23-01-2014

Edição

Seção

ARTIGOS DE REVISÃO