CARACTERÍSTICAS FUNCIONAIS PULMONARES E QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTE COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA

Autores

  • Clarissa Bentes de Araujo Magalhães Fisioterapeuta, Residente Multiprofissional de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), Universidade Federal do Ceará.
  • Patricia Carvalho Bezerra Fisioterapeuta. Especialista em Fisioterapia cardiorrespiratória pela Universidade de Fortaleza.
  • Thiago Brasileiro de Vasconcelos Fisioterapeuta, Mestrando em Farmacologia, Universidade Federal do Ceará.
  • Maria de Jesus Ferreira Marinho Médica, Mestre em Educação, Médica do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), Universidade Federal do Ceará.
  • Andrea da Nóbrega Cirino Nogueira Fisioterapeuta, Mestre em Cirurgia, Docente do Centro Universitário Estácio do Ceará.
  • Raimunda Hermelinda Maia Macena Enfermeira, Doutora em Ciências Médicas, Docente do Curso de Fisioterapia da Universidade Federal do Ceará.
  • Vasco Pinheiro Diógenes Bastos Fisioterapeuta, Doutor em Farmacologia, Docente do Centro Universitário Estácio do Ceará.

DOI:

https://doi.org/10.13037/rbcs.vol12n41.2311

Palavras-chave:

Testes de Função Respiratória. Tolerância ao Exercício. Qualidade de Vida. Insuficiência Cardíaca.

Resumo

Introdução: Insuficiência Cardíaca (IC) é uma doença crônica onde pacientes apresentam intolerância ao exercício associada aos sintomas de dispneia, fraqueza da musculatura inspiratória e fadiga muscular. Objetivo: Analisar a função pulmonar e qualidade de vida de pacientes com insuficiência cardíaca. Metodologia: Série de casos realizado de maio a dezembro de 2012 no Hospital Universitário Walter Cantídio com 10 indivíduos com IC. Foram incluídos indivíduos com classe funcional II e III, de ambos os sexos, fração de ejeção menor que 45% e sedentários. Foram avaliados a função pulmonar através da espirometria e manovacuometria (pressão inspiratória máxima – Pimáx) e qualidade de vida pelo Short form-36 (SF-36) e Minnesota Living With Heart Failure Questionnaire (MLHFQ). Resultado: Dos 10 indivíduos, 70% eram do sexo masculino, idade média de 51,30 + 10,99 anos. Quanto à função pulmonar, 100% (n=10) apresentaram um padrão obstrutivo e a média da Pimáx foi de -45,10 + 16,15 cmH2O. No SF-36, sete escores estão abaixo de 50 com comprometimento maior do aspecto físico. A média do MLHFQ foi de 44,50. Conclusão: A função pulmonar e qualidade de vida dos pacientes com IC classe funcional II e III estão comprometidas. Novos estudos devem ser conduzidos envolvendo maior número de sujeitos para verificar a reprodutibilidade destes achados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

28-11-2014

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)