Perfil dos pacientes adultos com acidente vascular encefálico tratados em uma clínica-escola de fisioterapia

Autores

  • Rafael Alves Barbosa Centro Universitário Estácio do Ceará.
  • Thiago Brasileiro Vasconcelos Universidade Federal do Ceará.
  • Cristiano Teles de Sousa Centro Universitário Estácio do Ceará.
  • Micheline Freire Alencar Costa Centro Universitário Estácio do Ceará.
  • Mayara Paz Albino dos Santos Universidade Federal do Ceará.
  • Vasco Pinheiro Diógenes Bastos Centro Universitário Estácio do Ceará.

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.3398

Palavras-chave:

Acidente Vascular Cerebral, Fisioterapia, Hemiplegia

Resumo

Este estudo teve como objetivo traçar um perfil epidemiológico de pacientes com sequelas do acidente vascular encefálico (AVE) tratados em uma clínica-escola de fisioterapia. Trata-se de um estudo de caráter documental e transversal, com estratégia de análise quantitativa dos dados. A média de idade foi de 53,77 (±9,52) anos, com predomínio do acidente vascular encefálico isquêmico (AVEi) (69,23%; n=9); a profissão de comerciante associada a pessoas do sexo masculino apresentou maior incidência (23,08%; n=3); o fator de risco mais expressivo foi a hipertensão arterial sistêmica (61,54%; n=8); das sequelas, marcha helicoidal (46,15%; n=6); hemiplegia desproporcional incompleta à esquerda (23,08%; n=3) e à direita (23,08%; n=3), e como tipo de tratamento, a cinesioterapia (69,23%; n=9). Foi constatado como perfil epidemiológico pacientes do sexo masculino com idade média de 53,77 anos, diagnosticados com AVCi e tendo como profissão o comércio. Entre as sequelas relacionadas, destacou-se a hemiplegia desproporcional incompleta à esquerda e à direita e marcha helicoidal.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Brasileiro Vasconcelos, Universidade Federal do Ceará.

Possui graduação em Fisioterapia pela Faculdade Estácio do Ceará (Estácio/FIC), participou como Bolsista nos Programas de Monitoria e Iniciação Científica (PIC-FIC) do curso de Fisioterapia durante o período de 2007 à 2011, com experiência na área de Ortopedia Técnica, Pesquisas Experimentais, Reabilitação Motora e Respiratória em Geral. Atuando principalmente nos seguintes temas: Amputação, Amputação transtibial, Asma, Morfologia Traqueal, Contratilidade in vitro, Confecção de Próteses e Órteses em geral, Reabilitação Cardio-Respiratória e Reabilitação de protetizados.

Referências

Chaves MLF. Acidente vascular encefálico: conceituação e fatores de risco. Porto Alegre: Rev Bras Hipertens. 2000;4:372-82.

O’Sullivan SB. Acidente vascular encefálico. In: O’Sullivan SB, Schmitz TJ. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 5ª ed. Barueri: Manole; 2010. p. 763-834.

Perlini NMOG, Faro ACM. Cuidar de pessoa incapacitada por acidente vascular cerebral no domicílio: o fazer do cuidador familiar. Rev Esc Enferm USP. 2005;39(2):154-63.

Castro JAB, Epstein MG, Sabino GB. Estudo dos principais fatores de risco para acidente vascular encefálico. Rev Bras Clin Med. 2009;7(3):171-3.

Polese JC, Tonial A, Fung FK, Oliveira SG, Schuster RC. Avaliação da funcionalidade de indivíduos acometidos por Acidente Vascular Encefálico. Rev Neurocienc. 2008;16(3):175-8.

Cancela DMG. O Acidente vascular cerebral-classificação, principais consequências e reabilitação. Porto: Psicologia: o portal dos psicólogos [Internet]; 2008 [citado em 2017 mar 1]. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0095.pdf

Meneghetti CZM, Delgado GM, Pinto FD, Canonici AP, Gaino MRC. Equilíbrio em indivíduos com acidente vascular encefálico: clínica escola de fisioterapia da Uniararas. Rev Neurocienc. 2009;17(1):14-8.

Costa-Junior FM, Maia ACB. Concepções de homens hospitalizados sobre a relação entre gênero e saúde. Psic Teo Pesq. 2009;25(1):55-63.

Borim FSA, Guariento ME, Almeida EA. Perfil de adultos e idosos hipertensos em unidade básica de saúde. Rev Bras Clin Med. 2011;9(2):107-11.

Falcão IV, Carvalho EMF, Barreto KML, Lessa FJD, Leite VMM. Acidente vascular cerebral precoce: implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev Saúde Matern Infant. 2004;4(1):95-102.

Gomes A, Nascimento E, Matos L, Martins I, Mós M, Correia J, et al. Acidente vascular cerebral no adulto jovem: estudo prospectivo de 58 doentes. Med Int. 2008;15(3):161-8.

Zétola VHF, Nóvak EM, Camargo CHF, Carraro JH, Coral P, Muzzio JA, et al. Acidente vascular cerebral em pacientes jovens: análise de 164 casos. Arq Neuro-Psiquiatr. 2001;59(3B):740-5.

Freitas GD. Reabilitação neurofuncional em um paciente com hemiplegia espástica como sequela de AVC: estudo de caso. efdesportes.com. 2011;16(155).

Azevedo RAN. Análise eletromiográfica do movimento de flexão de punho em indivíduos hemiplégicos espásticos [dissertação]. Presidente Prudente: Universidade Estadual Paulista; 2010.

Salles FLP, Almeida RL, Ferreira DM. O uso do kineiso tape associado à facilitação neuromuscular proprioceptiva na melhora do controle motor no ombro hemiparético. Rev Bras Reab Ativ Fís. 2012;1(1):42-7.

Martins CR, Magnani RM. Análise da marcha de paciente hemiparético decorrente de acidente vascular encefálico: estudo de caso. Universidade Estadual Paulista. Marília; 2008.

Benvegnu AB, Gomes LA, Souza CT, Cuadros TBB, Pavão LW, Ávila SN. Avaliação da medida de independência funcional de indivíduos com sequelas de acidente vascular encefálico (AVE). Rev Ciênc Saúde. 2008;1(2):71-7.

Schuster RC, Sant CR, Dalbosco V. Efeitos da estimulação elétrica funcional (FES) sobre o padrão de marcha de um paciente hemiparético. Acta Fisiátr. 2007;14(2):82-6.

Marino Junior NWM, Ferreira LS, Pastre CM, Valério NI, Lamari NM, Marino LHC. Intervenção fisioterapêutica na síndrome do ombro doloroso em portadores de hemiplegia. Arq Ciênc Saúde. 2005;12(4):220-2.

Downloads

Publicado

15-02-2017

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)