Condições de saúde e qualidade de vida de idosos participantes de um programa de responsabilidade social

Autores

  • Charliny Costa da Silva Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza, CE, Brasil
  • Carlos Ariel Souza de Oliveira Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza, CE, Brasil
  • Esdras Daniel de Sousa Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza, CE, Brasil
  • Thiago Brasileiro de Vasconcelos Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil
  • Geórgia Maria Lopes da Silva Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza, CE, Brasilará.
  • Vasco Pinheiro Diógenes Bastos Centro Universitário Estácio do Ceará. Fortaleza, CE, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n52.4196

Palavras-chave:

Idoso, Socialização, Atividade motora, Qualidade de vida.

Resumo

Introdução: A velhice não é doença. É uma etapa da vida com características e valores próprios, em que ocorrem modificações no indivíduo, tanto na estrutura orgânica – metabolismo, equilíbrio bioquímico, imunidade, nutrição, mecanismos funcionais – como nas características intelectuais e emocionais. Objetivo: Avaliar as condições de saúde e qualidade de vida de idosos participantes de um programa de responsabilidade social. Materiais e métodos: Trata-se de estudo de caráter descritivo e transversal com estratégia de análise quantitativa dos resultados, realizado no Programa de Responsabilidade Social do Instituto Senior, em Fortaleza (CE). A coleta de dados foi realizada de agosto a novembro de 2013, com aplicação de um questionário estruturado em que foram obtidos dados pessoais e informações sobre o ponto de vista de idosos acerca do projeto. Resultados: Em relação à avaliação dos serviços do projeto, foi evidenciada a necessidade de melhorias no espaço físico com intuito de aprimorar a qualidade do serviço. No tocante a benefícios e melhoria na qualidade de vida, 100% dos participantes (n=40) mostraram grande satisfação com o serviço e relataram que o projeto foi salutar e trouxe autonomia para sua vida diária, além de outros benefícios. Conclusão: Idosos sentem prazer em participar do projeto e das atividades propostas, e que têm pouco a criticar. O convívio com outros idosos nesse grupo de apoio auxilia emocionalmente o indivíduo, promovendo-lhe o bem-estar e melhor qualidade de vida.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rodrigues RAP, Kusumota L, Marques S, Fabrício SCC,

Cruz IR, Lange C. Política nacional de atenção ao idoso

e a contribuição da enfermagem. Texto Contexto Enferm.

;16(3):536-45.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [homepage

na Internet]. Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios

no Brasil: 2000. [citado em 2017 jun 26]. Disponível em:

https://goo.gl/MaZUCk

Souza GAJ, Iglesias GRCA. Trauma no idoso. Rev Assoc

Med Bras. 2002;48(1):79-86.

Andrews GA. Los desafíos del proceso de envejecimiento en

las sociedades de hoy e del futuro. In: Anais do Encuentro

Latinoamericano y Caribeño sobre las Personas de Edad; 1999

set. 8-10; Santiago, Chile. Santiago: Celade; 2000. p. 247-56.

Lara CJ. Atenção aos idosos. Aleluia [periódicos na

Internet]. Arapongas: IPRB; 2008 [citado em 2013

maio 11]. Disponível em: https://goo.gl/SQLqtH

Agostinho P. Perspectiva psicossomática do envelhecimento.

Rev Port Psicos. 2004;6(1):31-6.

Joia CL, Ruiz T, Donalisio MR. Condições associadas ao

grau de satisfação com a vida entre a população de idosos.

Rev Saúde Públ. 2007;41(1):131-38.

Freire SA. Envelhecimento bem-sucedido e bem-estar psicológico.

In: Neri AL, Freire SA, organizadoras. E por falar

em boa velhice. Campinas: Papirus; 2000. p. 21-31.

Papeléo-Netto M, Ponte JR. Envelhecimento: desafio na

transição do século. In: Papeléo-Netto M, Ponte JR, editores.

Gerontologia. São Paulo: Atheneu; 2002. p. 3-12.

Lima-Costa MF, Veras R. Saúde pública e envelhecimento.

Cad Saúde Pública. 2003;19(3):700-1.

Veras R. Em busca de uma assistência adequada à saúde do

idoso: revisão da literatura e aplicação de um instrumento

de detecção precoce e de previsibilidade de agravos. Cad

Saúde Pública. 2003;19(3):705-15.

Veras R, Caldas CP, Araújo DV, Kuschnir R, Mendes W.

Características demográficas dos idosos vinculados ao sistema

suplementar de saúde no Brasil. Rev Saúde Pública.

;42(3):497-502.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma

MR. Tradução para a língua portuguesa e validação do questionário genérico de avaliação de qualidade de vida SF-

(Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. 1999;39(3):143-50.

Nakagava BKC, Rabelo JR. Perfil da qualidade de vida de

mulheres idosas praticantes de hidroginástica. Movimentum

Rev Dig Ed Fis. 2007;2(1):1-14.

Domiciano BR, Braga DKAP, Silva PN, Santos MPA,

Vasconcelos TB, Macena RHM. Função cognitiva de idosas

residentes em instituições de longa permanência: efeitos

de um programa de fisioterapia. Rev Bras Geriatr Gerontol.

;19(1):57-70.

Moscovici S. Representações sociais: investigações em psicologia

social. Petrópolis: Vozes; 2004.

Catalan-Matamoros D, Gomez-Conesa A, Stubbs B,

Vancampfort D. Exercise improves depressive symptoms in

older adults: an umbrella review of systematic reviews and

meta-analyses. Psychiatry Res. 2016;244:202-9.

Jerez-Roig J, Oliveira NPD, Lima Filho BF, Bezerra MAF,

Matias MGL, Ferreira LM, et al. Depressive symptoms and

associated factors in institutionalized elderly. Exp Aging

Res. 2016;42(5):479-91.

Mendes MRSSB, Gusmão JL, Faro ACM, Leite RCBO.

A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração.

Acta Paul Enferm. 2002;18(4):422-26.

Shephard RJ. Envelhecimento, atividade física e saúde. São

Paulo: Phorte; 2003.

Hazzard W, Brerman EL, Blass JP, Ettinger WH, Halter JB.

Principles of geriatric medicine and gerontology. 3rd ed.

New York: McGraw Hill; 1997.

Kelly SDM. Prevalent mental health disorders in the aging

population: issues of comorbidity and functional disability.

J Rehabil. 2003;69(2):19-25.

Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde

do idoso. Belo Horizonte: SAS/MG; 2006.

Carneiro LS, Fonseca AM, Vieira-Coelho MA, Mota MP,

Vasconcelos-Raposo J. Effects of structured exercise and

pharmacotherapy vs. pharmacotherapy for adults with depressive

symptoms: a randomized clinical trial. J Psychiatr

Res. 2015;71:48-55.

Neri AL. Qualidade de vida na velhice e atendimento

domiciliário. In: Duarte YAO, Diogo MJD, editoras.

Atendimento domiciliar: um enfoque gerontológico. São

Paulo: Atheneu; 2000. p. 33-47.

Silva MAD, De Marchi R. Saúde e qualidade de vida no

trabalho. São Paulo: Best Seller; 1997.

Zimerman GI. Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto

Alegre: Artes Médicas Sul; 2000.

Leite PF. Aptidão física, esporte e saúde. São Paulo: Robe; 2000.

Neri AL. Psicologia do envelhecimento: uma área emergente.

In: Neri AL, organizadora. Psicologia do envelhecimento.

Campinas: Papirus; 1995. p. 13-40.

Katz S. Busy bodies: activity, aging, and the management of

everyday life. J Aging Stud. 2000;14(2):135-52.

Moraes MPI, Sousa IAFC, Vasconcelos TB. Relação entre a

capacidade funcional e mobilidade com a prática de atividade

física em idosos participantes de uma associação. Ciênc

Saúde. 2016;9(2):90-95.

Downloads

Publicado

17-08-2017

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)