Caracterização do estado de humor de mulheres fisicamente ativas e sua relação com a idade cronológica e com o índice de massa corporal

Autores

  • Josivaldo de Souza Lima Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física
  • Sandra Marcela Mahecha Matsudo Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física
  • Timóteo Leandro de Araújo Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física
  • Victor Keihan Rodrigues Matsudo Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol14n49.3662

Palavras-chave:

humor, envelhecimento, atividade física, índice de massa corporal

Resumo

Objetivo: Associar e comparar o estado de humor com o peso corporal, índice de massa corporal (IMC) e a idade em mulheres participantes de um programa de atividades físicas. Métodos: Estudo de corte transversal com amostra constituída por 435 mulheres com idade média de 68,3±7,9 anos, participantes de um programa de atividades físicas no município de São Caetano do Sul (SP). A amostra é parte do Projeto Longitudinal de Envelhecimento e Aptidão Física de São Caetano do Sul. O tempo de participação da amostra no programa de atividades físicas foi de aproximadamente 8,8±8,5 anos, e todas as participantes atendiam a recomendação de atividade física – caminhada por 30 minutos, pelo menos cinco dias na semana – analisado pela versão curta do Questionário Internacional de Atividade Física (International Physical Activity Questionnaire). O IMC foi utilizado seguindo a classificação na Organização Mundial de Saúde. Subdividimos a amostra por década etária, a seguir: 50 a 59, 60 a 69, e >70. O perfil de estado de humor (Profile of Mood States – POMS) foi avaliado pelo questionário original com 65 itens. Foi feita a análise de comparação do POMS e o IMC com o teste de Kruskal Wallis e associação realizada pelo odds ratio (OR). Resultados: Independentemente da década etária, a maioria da amostra apresentou excesso de peso, variando de 43% a 50% (p<0,05). No perfil de humor foi encontrado um maior escore no grupo classificado como obeso (16,0) e um menor escore no grupo classificado como eutrófico (8,7). O teste de Kruskal Wallis identificou diferenças estatísticas no escore total do POMS (21,1±23,1) apenas no grupo etário 50-59 anos com excesso de peso, apresentando maior escore em relação ao grupo eutrófico (3,0±27,9), mas não ao grupo obeso (22,3±34,3). O IMC eutrófico demonstrou estar associado positivamente com o grupo com melhor resultado na pontuação do POMS (OR: 0,93; intervalo de confiança de 95%=0,89 a 0,97). Conclusão: Na amostra encontramos relação entre maior índice de massa corporal e alterações negativas no escore do POMS em mulheres ativas. Além disso, foi possível verificar um efeito protetor contra as alterações no escore do POMS no grupo abaixo do percentil 50 do IMC.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josivaldo de Souza Lima, Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física

Professor de Educação Física - Candidato a Doutorado em Saúde Pública - Mestre em saúde coletiva pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de Misericórdia São Paulo, Pós Graduado em Bases Fisiológicas e Metodológicas do Treinamento Desportivo - UNIFESP. Estágio de Formação Básica em Pesquisador de Ciências do Esporte no Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul - SP (CELAFISCS) em 2011. Realizou pesquisa na área de Envelhecimento e Atividade Física. Atuou como professor de atividades físicas em Instituições de Longa Permanência para Idosos - ILPIs. Atuou como professor responsável pelo setor de avaliação física em academias ate 2015. Atualmente realiza pesquisa de prevalências, tendências e epidemiologia da atividade física na população.

Sandra Marcela Mahecha Matsudo, Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física

Possui graduação em Medicina pela Escola Colombiana de Medicina (1988) e doutorado em Reabilitação pela Universidade Federal de São Paulo (2001). Atualmente é diretora do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul, professor titular - Faculdades Metropolitanas Unidas, editora executiva - Revista Brasileira Ciência E Movimento, consultoria - Revista Brasileira de Atividade Física E Saúde, editoria - Revista Metropolitana de Ciência do Movimento Humano, membro conselho editorial - Revista Paranaense de Atividade Física, membro conselho editorial - Revista Ciência E Cultura Universidade Tuiuti, assessora técnico científica - Secretaria de Estado da Saúde, membro da Academia de Ciências de New York, outro (especifique) - Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício e membro conselho editorial - Revista Kinesis. , atuando principalmente nos seguintes temas: atividade física, saúde, atividade fïsica, envelhecimento e terceira idade.

Timóteo Leandro de Araújo, Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física

Possui graduação em Educação Física pela Faculdade de Educação Física de Santo André (1994), Mestrando em Educação Física - USJT-SP. Pesquisador do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul, Professor UniFMU, Coordenador do Senior Fit Assessoria e Consultoria e Assessor Técnico Científico - Secretaria de Estado da Saúde. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: atividade física, promoção atividade física, Agita São Paulo.

Victor Keihan Rodrigues Matsudo, Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física

Possui graduação em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (1973); Especialista em Ortopedia e Traumatologia da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT); Especializado em Medicina Esportiva pela Universidade de São Paulo (USP); é Livre-Docente em Medicina pela Universidade Gama Filho. Atualmente é Diretor Científico do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul; Coordenador Geral do Programa Agita São Paulo - Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo; Vice-Presidente do ICSSPE - International Council of Sport Science and Physical Education; Coordenador Geral do Agita Mundo Network; Membro da Comissão de Nutrição Esportiva do Comitê Olimpico Internacional; Membro do International Council for Physical Activity and Fitness Research; Coordenador da Rede de Atividade Física das Américas. Tem experiência na área de Ciências do Esporte, com ênfase em Educação Física e Medicina Esportiva, atuando principalmente nos seguintes temas: atividade física, saúde, aptidão física, crescimento e desenvolvimento; esporte e detecção de talentos. Ganhador de diversos Prêmios Internacionais como: Grande Prêmio de Medicina Esportiva do Jogos Olímpicos de Barcelona (1992); Prêmio Phillip Noel Baker, do International Council for Sports Sciences and Physical Education (1995); Prêmio Príncipe Faissal, da Federação Internacional de Educação Fisica (1996); Prêmio da Associação Americana para Saúde Mundial (2002); Prêmio do Center for Disease Control and Prevention ? CDC, Atlanta (2004); Prêmio de Melhor Instituição de Promoção de Saúde nas Américas, da Fundação Carlos Slim (2010); Citation Award, do American College of Sports Medicine (2014); e Odyssey Award, do American College of Sports Medicine (2015).

Referências

Anderssen SA, Stromme SB. Physical activity and health: recommendations. Tidsskr Nor Laegeforen. 2001;121(17):2037-41.

Sparling PB, Howard BJ, Dunstan DW, Owen N. Recommendations for physical activity in older adults. BMJ. 2015;350:h100.

Moreira RM, Teixeira JRB, Boery EN, Boery RNSO, Mota TN. Saúde pública, atividade física e qualidade de vida de idosos: uma reflexão teórica. Saúde e Pesquisa. 2013;6(2):331-7.

Garcia MAA, Rodrigues MG, Borega RS. O envelhecimento e a saúde. Rev de Ciênc Méd (Campinas). 2012;11(3):221-31.

Calomeni MR, Silva VF, Ribeiro LHB, Cavalcante J, Siza MAF. Exercício físico e plasticidade neurogênica: benefícios relacionados às funções mentais do idoso. Biol & Saúde (Campos dos Goytacazes). 2012;2(6):35-43.

Fonseca RP, Trentini CM, Valli F, Silva RAN. Representações do envelhecimento em agentes comunitários da saúde e profissionais da enfermagem comunitária: aspectos psicológicos do processo saúde-doença. Cien Saude Colet. 2008;13(4):1275-84.

McEwen BS. Cérebro: o órgão central do estresse e da adaptação ao longo da vida. 2013 [acesso em 4 jul 2016]. Disponível em: http://bit.ly/29tKx79

Pinto FNFR, Barham EJ. Habilidades sociais e estratégias de enfrentamento de estresse: relação com indicadores de bem-estar psicológico em cuidadores de idosos de alta dependência. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014;17(3):525-39.

Passos J, Sequeira C, Fernandes L. Nursing focuses in older people with mental disorders. Referência. 2014;4(2):81-91.

Antunes HKM, Santos RF, Cassilhas R, Santos RVT, Bueno OFA, Mello MT. Exercício físico e função cognitiva: uma revisão. Rev Bras Med Esporte. 2006;12(2):108-14.

Miranda REEPC, Mello MT, Antunes HKM. Exercício físico, humor e bem-estar: considerações sobre a prescrição da alta intensidade de exercício. Rev Psicol Saúde (Campo Grande). 2011;3(2):46-54.

Gobbi S, Corazza DI, Costa JLR, Ueno DT, Gobbi LTB. Atividade física e saúde no envelhecimento: a experiência do Programa de Atividade Física para a Terceira Idade (PROFIT). In: Rosa TEC, Barroso AES, Louvison MCP, organizadores. Velhices: experiências e desafios nas políticas do envelhecimento ativo. São Paulo: Instituto de Saúde; 2013. p. 283.

Carvalho J. Pode o exercício físico ser um bom medicamento para o envelhecimento saudável? Acta Farmacêutica Portuguesa. 2014;3(2):123-30.

Gabriel CB, Santos L, Salles PG. Efeitos agudos da atividade física sobre o estado de humor de indivíduos da 3ª idade. Revista Saúde Física & Mental. 2013;2(1):11-21.

Matsudo S, Araújo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira LC, et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2001;6(2):5-18.

Norusis MJ. SPSS for Windows Advanced Statistics Release 6.0. 6ª ed. Engleewod Cliffs: Prentice Hall; 1993.

Silva Filho JN, Zamaro M, Ferreira RA. Avaliação de dois programas de atividades físicas no desempenho de mulheres acima de cinquenta anos. Lecturas: Educación Física y Deportes [Internet]. 2013 [acesso em 4 jul 2016];18(187). Disponível em: http://bit.ly/29e3ahg

Oliveira DC, Neri AL, D’Elboux MJ. Variáveis relacionadas à expectativa de suporte para o cuidado de idosos residentes na comunidade. Rev Lat-Am Enfermagem. 2013;21(3):742-9.

Yoshihara K, Hiramoto T, Sudo N, Kubo C. Profile of mood states and stress-related biochemical indices in long-term yoga practitioners. Biopsychosoc Med. 2011;5(1):1-7.

Mewton L, Sachdev P, Anderson T, Sunderland M, Andrews G. Demographic, clinical, and lifestyle correlates of subjective memory complaints in the Australian population. Am J Geriatr Psychiatry. 2014;22(11):1222-32.

Wang PN, Liao SQ, Liu RS, Liu CY, Chao HT, Lu SR, et al. Effects of estrogen on cognition, mood, and cerebral blood flow in AD: a controlled study. Neurology. 2000. 13;54(11):2061-6.

Treves TA, Verchovsky R, Klimovitzky S, Korczyn AD. Incidence of dementia in patients with subjective memory complaints. Int Psychogeriatr. 2005;17(2):265-73.

Cheik NC, Reis IT, Heredia RAG, Ventura ML, Tufik S, Antunes HKM, et al. Efeitos do exercício físico e da atividade física na depressão e ansiedade em indivíduos idosos. R Bras Ci e Mov. 2003;11(3):45-52.

Minghelli B, Tomé B, Nunes C, Neves A, Simões C. Comparação dos níveis de ansiedade e depressão entre idosos ativos e sedentários. Rev Psiquiatr Clín. 2013;40(2):71-6.

Annesi JJ, Whitaker AC. Weight loss and psychologic gain in obese women-participants in a supported exercise intervention. Perm J. 2008;12(3):36-45.

Harris AH, Cronkite R, Moos R. Physical activity, exercise coping, and depression in a 10-year cohort study of depressed patients. J Affect Disord. 2006;93(1-3):79-85.

Sabino IG, Zaniqueli D, Lignani AM, Carletti L. Os efeitos da prática de exercícios físicos individuais e coletivos sobre o estado de humor de mulheres idosas. Anais do 16º Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e III Congresso Internacional de Ciências do Esporte; 2009 set. 20-25; Salvador, Brasil. 2009.

Dolde EJ. The Effects of Yoga and Aerobic Exercise on Concentration and Feeling-States. Bristol. Honors Thesis – Roger Williams University; 2011.

Brandt R, Fonseca ABP, Oliveira LGA, Steffens RAK, Viana MS, Andrade A. Perfil de humor de mulheres com fibromialgia. J Bras Psiquiatr. 2011;60(3):216-20.

Weinberg RS, Gould D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. Porto Alegre: Artmed; 2001.

Fukukawa Y, Nakashima C, Tsuboi S, Kozakai R, Doyo W, Niino N, et al. Age differences in the effect of physical activity on depressive symptoms. Psychol Aging. 2004;19(2):346-51.

Egito M, Matsudo S, Matsudo V. Auto-estima e satisfação com a vida de mulheres adultas praticantes de atividade física de acordo com a idade cronológica. R Bras Ci e Mov. 2005;13(3):59-66.

Guimarães ACA, Baptista FM. Índice de massa corporal e qualidade de vida relacionada com a saúde em mulheres de meia-idade. Rev Bras Clin Med. 2008;6:228

Cid L, Silva C, Alves J. Atividade física e bem-estar psicológico: perfil dos participantes no programa de exercício e saúde de Rio Maior. Motri. 2007;3(2):47-55.

Moriyama CK. Impacto isolado e associado da terapia hormonal e exercício físico na qualidade de vida em mulheres no climatério pós-menopausa. São Paulo. Dissertação – Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2007.

Dennerstein L, Smith AM, Morse C, Burger H, Green A, Hopper J, et al. Menopausal symptoms in Australian women. Med J Aust. 1993;159(4):232-6.

Stoppe Junior A, Louzã Neto MR. Depressão na terceira idade: apresentação clínica e abordagem terapêutica. São Paulo: Lemos; 1996.

Snowdon J. Qual é a prevalência de depressão na terceira idade? Rev Bras Psiquiatr. 2002;24 Suppl 1:42-7.

Waltrick C, Vieira ZM. Qual é a prevalência de depressão na terceira idade? Lecturas: Educación Física y Deportes. 2006;(94):31 [acesso em 17 jul 2016]; Disponível em: https://goo.gl/oYqqCs.

Downloads

Publicado

14-06-2016

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)