Hemoglobinopatias em gestantes submetidas ao teste da mãezinha na rede pública de saúde

Autores

  • Keesi Marcela Matos Liberato Centro Universitário Campos de Andrade
  • Gleidson Brandão Oselame Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Eduardo Borba Neves Universidade Tecnológica Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol15n51.4266

Palavras-chave:

Doença da Hemoglobina SC, Traço Falciforme, Hemoglobina Falciforme, Anemia Falciforme

Resumo

Introdução: As hemoglobinopatias estão entre as doenças genéticas de grande relevância no mundo. Aproximadamente 7% da população mundial apresenta algum tipo de hemoglobinopatia, e estimativas apontam que a cada ano nascem cerca de 300 a 400 mil crianças portadoras desses distúrbios. Objetivo: Descrever os diagnósticos prevalentes de hemoglobinopatias em gestantes submetidas ao Teste da Mãezinha na rede pública de saúde. Métodos: Estudo descritivo transversal com análise quantitativa dos dados. Foram avaliados 1.013 prontuários eletrônicos de gestantes vinculadas à rede de saúde pública do município de Pinhais, estado do Paraná, no período entre 25 de fevereiro de 2014 e 25 de fevereiro de 2015. Foram incluídos prontuários de gestantes do primeiro ao terceiro trimestre de gestação que realizaram o Teste da Mãezinha. Resultados: Verificou-se que 55,7% das gestantes realizaram o Teste da Mãezinha no 1º trimestre de gestação. Apenas 0,7% dos resultados do teste apresentaram traço de Hemoglobina C e 1,3% traço falciforme. Quanto a raça, nos resultados dos exames alterados (n=20), 50% eram brancos, 40% pardos e 10% negros. Dentre estas gestantes, 80% apresentaram intercorrências na gestação, sendo mais frequente a infecção do trato urinário (50%), leucorreias em geral (25%) e intercorrências durante o parto (12,5%). Conclusão: Neste estudo observou-se uma baixa prevalência de hemoglobinopatias. Recomenda-se a implantação do Teste da Mãezinha na rede de saúde pública brasileira para o diagnóstico precoce das hemoglobinopatias gestacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carlos AM, Souza RAV, Souza BMB, Pereira GA, Tostes JS, Martins PRJ, et al. Hemoglobinopathies in newborns in the southern region of the Triângulo Mineiro, Brazil. Cross-sectional study. Sao Paulo Med J. 2015;133(5):439-44.

Dos Santos PND, Freire MHS, Zanlorenzi GB, Pianovski MA, Denardi MAFV. Anemia falciforme: caracterização dos pacientes atendidos em um ambulatório de referência. Cogitare Enferm. 2014;19(4):755-93.

Tavares CFF, Guimarães JDS, Souza AM. Prevalence of hemoglobinopathies in school children: the importance of using confirmatory methods. Braz J Pharm Sci. 2015;51(2):361-6.

Viana-Baraciol LM, Bonini-Domingos CR, Pagliusi RA, Naoum PC. Prevenção de hemoglobinopatias a partir do estudo em gestantes. Rev Bras Hematol Hemoter. 2001;23(1):31-9.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual de educação em saúde: Linha de cuidado em doença falciforme [Internet]. Brasília, DF: 2009 [citado em 2016 abr 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_educacao_saude_v2.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Coordenação da Política Nacional de Sangue e Homoderivados. Manual de Condutas Básicas na Doença Falciforme [Internet]. Brasília, DF: 2006 [citado em 2017 mar 3]. Disponível em: http://www.riocomsaude.rj.gov.br/Publico/MostrarArquivo.aspx?C=Y0%2BUl9IsUXc%3D

Paraná. Comissão Intergestores Bipartite do Paraná. Deliberação nº 330, de 28 de novembro de 2012. Aprova a realização do exame eletroforense de hemoglobina para os municípios que aderiram a Rede Mãe Paranaense. Curitiba, 2012.

Paraná. Secretaria de Estado de Saúde. Lei Estadual nº 867/1987. Torna obrigatório o Teste do Pezinho em todos os recém-nascidos do estado. Curitiba, 1987.

Alves AC, Da Silva FC, Oselame GB, Neves EB. Prevalência de pólipos colorretais em pacientes submetidos à colonoscopia em Curitiba, Brasil. Rev Bras Med. 2014;71(10).

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas; 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Secretaria de Atenção à Saúde. Pré-natal e puerpério: atenção qualificada e humanizada: manual técnico. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2005.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Estabelece normas reguladoras para pesquisas e testes em seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília, DF; 13 jun. 2013. Seção 1, p. 59.

Dos Santos ADP, Oselame GB, De Almeida DD, Da Silva TAA, De Oliveira EM. Caracterização de gestantes em atendimento pré-natal. Rev da Universidade Vale do Rio Verde. 2015;13(2):630-8.

De Galiza NGC, Da Silva PM. Aspectos moleculares da anemia falciforme. J Bras de Patologia e Med Lab. 2003;39(1):51-6.

Secretaria de Atenção à Saúde. Ministério da Saúde. Manual de normas técnicas e rotinas operacionais do Programa Nacional de Triagem Neonatal. Ministério da Saúde Brasília, DF: 2002.

Nomura RMY, Igai AMK, Tosta K, Fonseca GHHD, Gualandro SFM, Zugaib M. Resultados maternos e perinatais em gestações complicadas por doenças falciformes. Rev Bras Ginecol Obstet. 2010;32(8):405-11.

Dos Santos TN, Barbosa MC, Dos Santos TEDJ, Damasceno D, Diniz S, Lemos VP. Triagem para hemoglobinas variantes em população adulta no Estado do Ceará. Revista Guará. 2015;1(3):131-9.

Nascimento MDLP. Abortos em mulheres portadoras de hemoglobina S (AS). Rev Bras Hematol Hemoter. 2000;22(3):424-.

Ramalho AS, Silva ID, Pagotti M, Teixeira RC. Abortamentos espontâneos em portadoras do Traço Falciforme (AS). Rev bras hematol hemoter. 2003;25(4):265-6.

Silva CA, Baldim LB, Nhoncanse GC, Estevão IF, Melo DG. Neonatal screening program for hemoglobinopathies in the city of São Carlos, state of São Paulo, Brazil: analysis of a series of cases. Revista Paulista de Pediatria. 2015;33(1):19-27.

Downloads

Publicado

15-02-2017

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS