QUALIDADE DE VIDA E RESILIÊNCIA EM PACIENTES PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA

Autores

  • Davisson Gonçalves Giaretta
  • Evelyn Soledad Reyes Vigueras
  • Patricia Pereira Ruschel
  • Camila Souza

DOI:

https://doi.org/10.13037/ras.vol16n58.5399

Palavras-chave:

Psicologia, Psicologia da Saúde, Psicologia Hospitalar

Resumo

Em âmbito mundial, as doenças crônicas não transmissíveis são responsáveis pelas principais causas de morte e incapacidade. Entre essas, encontram-se as de maior importância para a saúde pública, as doenças cardiovasculares. Tendo em vista que a capacidade de resiliência e a Qualidade de Vida são construtos relevantes a serem considerados em pacientes internados em ambiente hospitalar, o presente estudo objetiva verificar como se apresentam esses conceitos em indivíduos que realizaram cirurgia de revascularização do miocárdio e/ou cirurgia de válvula em uma instituição hospitalar. Para tanto, foi realizada uma pesquisa transversal na qual foram  aplicados um questionário sociodemográfico, o questionário de qualidade de vida SF-12 e uma escala de resiliência. Participaram desse estudo 37 pacientes, maioria do sexo masculino, submetidos à primeira intervenção cirúrgica. Observou-se uma média de 37,3 pontos (dp ±4,4) e 43,3 (dp±7,6) nos componentes físico e mental da escala de Qualidade de Vida SF-12, respectivamente. Já a escala de Resiliência aplicada revelou média de 131 (dp±31). Verificou-se uma correlação direta fraca entre o componente físico da qualidade de vida com o escore de resiliência (r=0,386, p=0,02), o que sugere tendência positiva entre tais conceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rocha L, Maia TF, Silva LF. Diagnósticos de enfermagem em pacientes submetidos a cirurgias cardíaca. Acta Paul Enferm 2006; 59(3):321-326.

Tarasoutchi F, Montera MW, Grinberg M, Barbosa MR, Piñeiro DJ, Sánchez CRM, Barbosa MM, Barbosa GV et al. Diretriz Brasileira de Valvopatias - SBC 2011 / I Diretriz Interamericana de Valvopatias - SIAC 2011. Arq Bras Cardiol 2011; 97(5 supl. 1): 1-67

Minayo MC. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva 2000; 5(1):7-18.

Alvares FBL. Qualidade de Vida em Crianças Portadoras de Cardiopatia Congênita [Dissertação de Mestrado]. Campo Grande (MS): Universidade Católica Dom Bosco; 2012.

Minayo MdS, Hartz Z, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência saúde coletiva 2000;5(1):7-18

Noronha MGRCS, Cardoso PS, Moraes TNP, Centa ML. Resiliência: nova perspectiva na promoção da saúde da família? Ciência e Saúde Coletiva 2009;14(2):497-506.

Castro EK, Moreno-Jiménez B. Resiliencia en niños enfermos crônicos: aspectos teóricos. Psicologia em Estudo 2007;12: 81-86.

Pesce R. et all. Adaptação transcultural, confiabilidade e validade da escala de resiliência. Cad. Saúde Pública 2005;21(2):436-448.

Rutter M. Resilience: Some conceptual considerations. Journal of Adolescent health 1993;14:626-631.

Yunes MAM, Szymanski H. Resiliência: Noção, conceitos afins e considerações críticas. In: Tavares, organizador. Resiliência e Educação. São Paulo: Cortez; 2001. P. 13-42.

Morais, NA, Koller, SH. Abordagem ecológica do desenvlvimento humano, psicologia positiva e resiliência: Ênfase na saúde. In: Koller SH, organizador. Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisas e Intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004. P. 91-107.

Santana JJRA, Fernandes LFB, Zanin CR, Waeteman CM, Soares M. Grupo educativo de cirurgia cardíaca em um hospital universitário: impacto psicológico. Estudos de Psicologia 2010; 27(1):31-39.

Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2009: uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

Polanczyk, CA. Fatores de risco cardiovascular no Brasil: os próximos 50 anos! Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2005; 84(3):199-201.

Gus I, Fischmann A, Medina C. Prevalência dos fatores de risco da doença arterial coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2002; 78(5):478-483.

Amorim LdFP. Prevalência das cardiopatias congênitas diagnosticadas ao nascimento no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais [Dissertação de Mestrado]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2007.

Sampalis J, Boukas S, Liberman M, Reid T, Dupuis G. Impact of waiting time on the quality of life of patients awaiting coronary artery bypass grafting. MAJ 2001;165:429-33.

Favarato, MECS, Favarato D, Hueb WA, Aldrighi JM. Qualidade de vida em portadores de doença arterial coronária: comparação entre gêneros. Rev Assoc Med Bras 2006; 52(4):236-41.

Takiuti ME, Hueb W, Hiscock SB, Nogueira CRSdaR, Girardi P, Fernandes F et al . Qualidade de vida após revascularização cirúrgica do miocárdio, angioplastia ou tratamento clínico. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2007; 88( 5 ): 537-544.

Nogueira CRSR, Hueb W, Takiuti ME, Girard PBMA, Nakano T, Fernandes F et al. Qualidade de vida após revascularização cirúrgica do miocárdio com e sem circulação extracorpórea. Arquivos Brasileiros de Cardiologia 2008; 91(4):238-44.

Bianchini DCS, Dell'Aglio DD. Processos de resiliência no contexto de hospitalização: um estudo de caso. Paideia 2006; 16(35):427-36.

Grings CO, Vigueras ESR. Superando as adversidades: resiliência diante da doença arterial coronariana. Revista Brasileira de Ciências da Saúde 2012;10(32):55-61.

Meister RE, Weber T, Princip M, Schnyder U, Barth J, Znoj H, Schmid JP, Känel R. Resilience as a correlate of acuate stress disorder symptoms in patients with acuate myocardial infarction. Opem Heart 2015; 2(7):116-28.

Downloads

Publicado

2019-04-15

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)